Inicialização da marcha no desenvolvimento do andar independente em crianças de 1.3 anos a 4 anos: estudo preliminar

Autores

  • Fernanda Grazielle da Silva Azevedo Nora Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil, fernanda_nora@ufg.b http://orcid.org/0000-0002-0880-1326
  • Nilva Pessoa de Souza Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil, nilvapessoa@gmail.com http://orcid.org/0000-0002-8614-0295
  • Franciele Silva de Paiva Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil, francielepaiva@hotmail.com http://orcid.org/0000-0002-1410-544X
  • Marcus Fraga Vieira Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil, marcus@ufg.br http://orcid.org/0000-0001-9096-1603
  • Paula Hentschel Lobo da Costa Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), São Carlos, São Paulo, Brasil, paulahlc@gmail.com http://orcid.org/0000-0003-2117-0423

DOI:

https://doi.org/10.5216/rpp.v23.56075

Palavras-chave:

Desenvolvimento Motor

Resumo

Objetivo: compreender o desenvolvimento do ajuste postural antecipatório na inicialização da marcha no desenvolvimento do andar independente em crianças típicas. Participantes: 50 crianças divididas em: G1- 1.3 anos, G2- 2 anos, G3- 3 anos e G4- 4 anos. Variáveis: Amplitude de deslocamento anteroposterior (COPAP) e mediolateral (COPML) do centro de pressão (COP), velocidade média de deslocamento do COP nas direções anteroposterior e mediolateral (VELAP e VELML) durante as fases da inicialização do passo. Resultados: COPAP_1, COPAP_2 e COPAP_3 foram maiores no grupo G1, VELAP_1 e VELAP_2 no G1 são maiores. Conclusão: Com a experiência do andar independente a criança torna-se mais habilidosa devido ao aprimoramento de sua capacidade para avaliar as condições do ambiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

19-06-2020

Como Citar

da Silva Azevedo Nora, F. G., Pessoa de Souza, N., Silva de Paiva, F., Fraga Vieira, M., & Hentschel Lobo da Costa, P. (2020). Inicialização da marcha no desenvolvimento do andar independente em crianças de 1.3 anos a 4 anos: estudo preliminar. Pensar a Prática, 23. https://doi.org/10.5216/rpp.v23.56075

Edição

Seção

Artigos Originais