Associação entre prevalência de dor musculoesquelética e variáveis do treinamento de força

Autores

  • Carlos Leandro Tiggemann Universidade do Vale do Taquari (UNIVATES), Lajeado, Rio Grande do Sul, Brasil cltiggemann@univates.br
  • Camila Zanatta Universidade do Vale do Taquari (UNIVATES), Lajeado, Rio Grande do Sul, Brasil camii.zanatta@yahoo.com.br
  • Cleber Cremonese Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, Bahia, Brasil. clebercre@yahoo.com.br
  • Jéssica Luana Dornelles da Costa Universidade do Vale do Taquari (UNIVATES), Lajeado, Rio Grande do Sul, Brasil jluana@univates.br
  • Caroline Pietta Dias Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil carolpieta@yahoo.com.br

DOI:

https://doi.org/10.5216/rpp.v23.55991

Palavras-chave:

Treinamento de Resistência, Dor, Força Muscular.

Resumo

O objetivo foi medir a prevalência de dor musculoesquelética em praticantes de treinamento de força (TF) e sua associação com diferentes variáveis do treino. A amostra foi composta por 175 adultos praticantes de TF. Foram utilizados como instrumentos de avaliação um questionário geral e o Questionário Nórdico de Dor. Os resultados apresentaram que 73,7% da amostra investigada indicou dor em, pelo menos, um ponto anatômico. Em relação às variáveis do TF, aqueles sujeitos que praticam TF há mais tempo (>3 anos), apresentaram uma prevalência de dor, quando comparados aos de menor tempo desta prática (<1 ano). Conclui-se que a prevalência de dor entre praticantes de TF é elevada, onde o tempo de prática e o uso de cargas leves potencializa sua ocorrência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

12-05-2020

Como Citar

Tiggemann, C. L., Zanatta, C., Cremonese, C., Costa, J. L. D. da, & Dias, C. P. (2020). Associação entre prevalência de dor musculoesquelética e variáveis do treinamento de força. Pensar a Prática, 23. https://doi.org/10.5216/rpp.v23.55991

Edição

Seção

Artigos Originais