AVALIAÇÃO DO AUTOCONCEITO EM CADEIRANTES PRATICANTES DE ESPORTE ADAPTADO

  • Mirella Bagdadi Sernaglia Unicamp
  • Edison Duarte Unicamp
  • Vanessa Helena Santana Dalla Déa UFG
Palavras-chave: deficiência, esporte, autoconceito.

Resumo

Este estudo teve como objetivo avaliar o autoconceito, por meio de suas dimensões (somática, pessoal, social e ético-moral), de cadeirantes que praticam esporte adaptado. O instrumento utilizado foi a Escala Fatorial do Autoconceito (EFA), proposto por Tamayo (1981). Os dados foram coletados uma única vez, composto por 13 voluntários, com idade média de 28,46 anos (DP=5,93), com lesão medular de origem traumática, independente do sexo, que praticam esporte adaptado por no mínimo duas horas semanais, há pelo menos 3 meses. Os resultados mostraram que o autoconceito global da população foi negativo, com um escore de 3.99, se comparado a estudos anteriores com outras populações. Esse resultado permite concluir que os lesados medulares de origem traumática que praticam esporte adaptado estudados avaliam seu autoconceito de forma negativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mirella Bagdadi Sernaglia, Unicamp
Graduada em Educação Física.
Edison Duarte, Unicamp

Graduado em Fisioterapia - Puc Campinas,

Mestrado em Biologia e Patologia Buco Dental - Unicamp.

Doutorado em Anatomia Humana - USP.

Professor associado da Universidade Estadual de Campinas.

Vanessa Helena Santana Dalla Déa, UFG

Bacharel em Educação Física - Unicamp

Mestrado e Doutorado em Atividade Física, adaptação e saúde - Unicamp.

Projessor adjunto da UFG, departamento de Educação Física

Na disciplina: Metodologia de ensino e pesquisa em natação.

 

Publicado
21-12-2010
Como Citar
Sernaglia, M., Duarte, E., & Dalla Déa, V. (2010). AVALIAÇÃO DO AUTOCONCEITO EM CADEIRANTES PRATICANTES DE ESPORTE ADAPTADO. Pensar a Prática, 13(3). https://doi.org/10.5216/rpp.v13i3.10223
Seção
Artigos Originais