Os saberes das águas: interculturalidade e sócio-hidrodiversidade no Cerrado brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/sec.v24.67334

Resumo

Neste artigo, abordaremos a sócio-hidrodiversidade de povos indígenas e tradicionais da bacia Tocantins-Araguaia com o duplo objetivo de reconhecer seus saberes sobre as águas e contrapor estas percepções ao desenvolvimentismo do modelo agroexportador e  mega-hidráulico dominante. Partindo de uma perspectiva pós-colonial, realizamos a escuta a partir de atores situados na região da Chapada dos Veadeiros, no Nordeste goiano, tendo entrevistas semiestruturadas, observação direta e participante como estratégias metodológicas. Exploramos os saberes de sujeitos provenientes dos quilombos do Moinho (Alto Paraíso de Goiás), Capela (Cavalcante) e do município de Colinas do Sul, bem como as cosmovisões dos avá-canoeiros. Como resultados, sublinhamos a importância do diálogo interepistêmico e intercultural para a ressignificação das águas do Cerrado brasileiro em favor de seu uso mais sustentável, o que pode trazer novas respostas aos dilemas civilizatórios que nos expõem a variadas crises. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla Ladeira Pimentel Águas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, Brasil

Doutora em Sociologia pelo Programa de Doutoramento em Pós-Colonialismos e Cidadania Global do Centro de Estudos Sociais/Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, Portugal. Atualmente realiza pós-doutorado pela Universidade Estadual de Campinas.

Cristhian Teófilo da Silva, Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil

Professor do Departamento de Estudos Latino-Americanos da Universidade de Brasília. Doutor e Mestre em Antropologia pela Universidade de Brasília.

Downloads

Publicado

2021-10-30

Como Citar

LADEIRA PIMENTEL ÁGUAS, C.; TEÓFILO DA SILVA, C. Os saberes das águas: interculturalidade e sócio-hidrodiversidade no Cerrado brasileiro. Sociedade e Cultura, Goiânia, v. 24, 2021. DOI: 10.5216/sec.v24.67334. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/fcs/article/view/67334. Acesso em: 29 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos Livres