Ambiente acadêmico brasileiro: branquidade e exclusão de direitos dos estudantes negros

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/sec.v24.65859

Resumo

O presente artigo visa a compreender por que os membros do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) da Universidade Federal de Viçosa (UFV) impuseram uma forma de operacionalização à Comissão de Verificação de Autodeclaração Étnico-Racial (CVAER) da instituição que, simultânea e contraditoriamente, impediu o ingresso fraudulento de
alguns estudantes brancos nas vagas das subcotas étnico-raciais destinadas aos estudantes pretos, pardos e indígenas, que era o objetivo da referida comissão, mas também permitiu o ingresso de dezenas de estudantes brancos nessas vagas. Por meio de fatos, dados e argumentos consistentes e plausíveis, sustenta-se a hipótese de que a tomada de decisão dos membros do CEPE foi em virtude da branquidade, isto é, do privilégio racial (branco) dos conselheiros desse órgão da universidade. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sales Augusto dos Santos, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais, Brasil

Doutor em Sociologia pela Universidade de Brasília. Professor Visitante na Universidade Federal de Viçosa e pesquisador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Inclusão no Ensino e na Pesquisa (INCTI) da Universidade de Brasília.

Downloads

Publicado

14-10-2021

Como Citar

Santos, S. A. dos. (2021). Ambiente acadêmico brasileiro: branquidade e exclusão de direitos dos estudantes negros. Sociedade E Cultura, 24. https://doi.org/10.5216/sec.v24.65859

Edição

Seção

Artigos Livres