A representação da África na música italiana contemporânea: do após-guerra até hoje

  • Luca Bussotti Bussotti

Resumo

Este artigo visa analisar como a música italiana contemporânea tem representado a África e os Africanos no período
Pós-Segunda Guerra Mundial. Numa primeira fase, a música
italiana negligenciou por completo a África nas suas canções,
provavelmente por causa do seu passado inglório colonial
e fascista. Depois de algumas canções “leves” que, ao longo
dos anos Sessenta, representaram os Africanos numa maneira
folclórica, alguns compositores comprometidos propuseram
uma imagem diferente da África: primeiro, como um mundo longínquo, desejável e “nostálgico”, e depois denunciando
as condições dos imigrados na Itália, sobretudo de origem
africana. Finalmente, um ponto de vista mais interno emerge
graças a jovens rappers Ítalo-Africanos (assim como Ítalo-Asiáticos), capazes de “inverter” a perspetiva com que a música
italiana tinha olhado até então para África. O artigo serviu-se
de uma metodologia qualitativa, baseada na análise de conteúdo das canções e usando algumas entrevistas dos cantores
presentes na esfera pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
27-12-2017
Como Citar
Bussotti, L. B. (2017). A representação da África na música italiana contemporânea: do após-guerra até hoje. Sociedade E Cultura, 20(1). https://doi.org/10.5216/sec.v20i1.51063
Seção
Artigos Livres