A RELAÇÃO CLIMA-VEGETAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: abordagem bioclimática do contato Caatinga/Cerrado no vale do Médio São Francisco – Semiárido do Nordeste brasileiro

Autores

  • Messias Modesto dos Passos Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.5216/er.v22i1.65877

Resumo

À pequena escala, a cobertura vegetal do Médio São Francisco mostra que ao sul e ao oeste, a caatinga cede espaço para o cerrado (savanas). Nesta escala, o limite entre estas duas formações vegetais parecem estar sob a dependência do fator climático. Mas, a uma escala maior, se deslocando nesta região, percebe-se que os fatores explicativos da fisionomia da vegetação são mais diversos. No oeste do estado da Bahia, onde os estudos de terreno foram realizados, os dados pluviométricos de três estações são disponíveis sobre um longo período: as estações utilizadas são aquelas de Barreiras, Barra do Rio Grande e de Bom Jesus da Lapa, na porção média do vale do São Francisco. O estudo revela a importância das diferenças entre os valores extremos observados anualmente: as grandes secas de 1938-39 ou 1975-76 contrastam com as fortes precipitações dos anos 1918-19, 1925-26 ou 1977-78.

Palavras-chave: Bioclimatologia. Fitossociologia. Caatinga. Cerrado. Semiárido.

Biografia do Autor

Messias Modesto dos Passos, Universidade Estadual Paulista

 Programa de Pós-Graduação em Geografia da UNESP – Campus de Presidente Prudente/SP Membre Associe ao Laboratoire Costel – Université Rennes 2 / França

Downloads

Publicado

29-09-2020

Como Citar

MODESTO DOS PASSOS, M. A RELAÇÃO CLIMA-VEGETAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: abordagem bioclimática do contato Caatinga/Cerrado no vale do Médio São Francisco – Semiárido do Nordeste brasileiro. Espaço em Revista, [S. l.], v. 22, n. 1, p. 42–60, 2020. DOI: 10.5216/er.v22i1.65877. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/espaco/article/view/65877. Acesso em: 1 dez. 2021.

Edição

Seção

ARTIGOS/ARTICLES