DA REVOLUÇÃO À “ABERTURA” ECONÔMICA: o crescimento e a importância da atividade turística para Cuba

Autores

  • João Henrique Santana Stacciarini Universidade Federal de Goiás (UFG/IESA) http://orcid.org/0000-0003-3517-9410
  • David Junior de Souza Silva Universidade Federal do Amapá (UNIFAP).

DOI:

https://doi.org/10.5216/er.v21i2.61729

Resumo

Tal como os demais países do bloco socialista, Cuba teve de repensar seu regime econômico com fim da União Soviética e a hegemonia do neoliberalismo. Diferente de China e União Soviética, que adotaram políticas de abertura à economia de mercado, que na prática significaram o fim do socialismo nesses países, Cuba procura, no que chama de atualização econômica, criar uma estratégia para resistir à força fagocitante do capitalismo e sobreviver como nação socialista. Neste intuito, a garantia de recursos para financiamento de sua política social é essencial. A exploração do turismo, como atividade econômica, tem sido a principal estratégia, nos últimos 30 anos, para ampliação da necessária entrada de recursos na ilha.

Biografia do Autor

João Henrique Santana Stacciarini, Universidade Federal de Goiás (UFG/IESA)

Doutorando em Geografia pelo Instituto de Estudos Socioambientais da Universidade Federal de Goiás (IESA/UFG). 

David Junior de Souza Silva, Universidade Federal do Amapá (UNIFAP).

Professor Adjunto do curso de Ciências Sociais da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP). Doutor em Geografia pelo Instituto de Estudos Socioambientais da Universidade Federal de Goiás (IESA/UFG). 

Downloads

Publicado

21-05-2020

Como Citar

STACCIARINI, J. H. S.; SILVA, D. J. de S. DA REVOLUÇÃO À “ABERTURA” ECONÔMICA: o crescimento e a importância da atividade turística para Cuba. Espaço em Revista, [S. l.], v. 21, n. 2, p. 37–51, 2020. DOI: 10.5216/er.v21i2.61729. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/espaco/article/view/61729. Acesso em: 27 out. 2021.

Edição

Seção

ARTIGOS/ARTICLES