AS FORMAS DE (RE)PRODUÇÃO DAS TERRITORIALIDADES CAMPONESAS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO SUDESTE GOIANO (GO)

Autores

  • Rafael de Melo Monteiro Instituto Federal de Goiás - Campus Águas Lindas

DOI:

https://doi.org/10.5216/er.v21i1.58022

Resumo

O objetivo desse artigo é compreender as formas de (re)produção das territorialidades camponesas nos assentamentos rurais do Sudeste Goiano (GO), com ênfase nas continuidades e mudanças políticas, econômicas e culturais. Nosso recorte espacial abrange seis assentamentos: Assentamento João de Deus (Silvânia, 1987), Assentamento São Sebastião (Silvânia, 1997), Assentamento Olga Benário (Ipameri, 2005), Assentamento Madre Cristina (Goiandira, 2009), Assentamento Buriti (Silvânia, 2009) e Assentamento Maria da Conceição (Orizona, 2010). Pela pesquisa qualitativa, realizamos pesquisa teórica, documental e de campo (centrada nas entrevistas semiestruturadas e nos registros fotográficos), contando com uma amostragem não probabilística. Concluímos que os assentamentos rurais do Sudeste Goiano são territórios camponeses nos quais são (re)produzidas as formas de vida tradicionais do campesinato em conjugação com mudanças políticas, econômicas e culturais que as famílias assentadas vivenciam por meio das territorialidades.

Palavras-chave: Territorialidades camponesas. Campesinato. Assentamentos rurais. Sudeste Goiano. Goiás.

Biografia do Autor

Rafael de Melo Monteiro, Instituto Federal de Goiás - Campus Águas Lindas

Professor de Geografia no Instituto Federal de Goiás (IFG)/Águas Lindas. Doutorado em Geografia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP)/Presidente Prudente. Mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Goiás (UFG)/Catalão. Graduação em Geografia pela Universidade Estadual de Goiás (UEG)/Pires do Rio e Graduação em Tecnologia em Gestão Ambiental pelo Instituto Federal Goiano (IFGoiano)/Urutaí.

Downloads

Publicado

18-09-2019

Como Citar

MONTEIRO, R. de M. AS FORMAS DE (RE)PRODUÇÃO DAS TERRITORIALIDADES CAMPONESAS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO SUDESTE GOIANO (GO). Espaço em Revista, [S. l.], v. 21, n. 1, p. 1–18, 2019. DOI: 10.5216/er.v21i1.58022. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/espaco/article/view/58022. Acesso em: 20 out. 2021.

Edição

Seção

ARTIGOS/ARTICLES