DUPLA ESCAVAÇÃO ARQUEOLÓGICA E CRÍTICA AO DESPOTISMO METODOLÓGICO DA CIÊNCIA MODERNA: contribuições da pesquisa qualitativa em geografia

Autores

  • Ricardo Junior de Assis Fernandes Gonçalves Professor Doutor da Universidade Estadual de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.5216/er.v19i2.51138

Resumo

A tradição científica erguida no interior das ciências sociais faz parte de narrativas, epistemologias e práticas que caracterizam a modernidade ocidental. A Geografia como ciência não se dissocia dos padrões hegemônicos de poder e dos discursos presentes na história da ciência moderna. É parte dela. No entanto, novos referenciais de crítica, elaboração teórica, intervenção e caminho metodológico são construídos pela Geografia contemporânea.  Neste artigo, apresentamos reflexões sobre as implicações do paradigma hegemônico da ciência ocidental na Geografia em termos de discurso e prática científica e filosófica. Para isto, defende-se a importância das metodologias qualitativas utilizadas na Geografia e construídas no epicentro dos esforços das pesquisas e intervenções que procuram erigir referências alternativas, sociais, culturais e políticas, comprometidas com a emancipação social.

Palavras chave: Paradigma Hegemônico. Geografia. Pesquisa Qualitativa. Emancipação Social

Downloads

Publicado

06-03-2018

Como Citar

GONÇALVES, R. J. de A. F. DUPLA ESCAVAÇÃO ARQUEOLÓGICA E CRÍTICA AO DESPOTISMO METODOLÓGICO DA CIÊNCIA MODERNA: contribuições da pesquisa qualitativa em geografia. Espaço em Revista, [S. l.], v. 19, n. 2, 2018. DOI: 10.5216/er.v19i2.51138. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/espaco/article/view/51138. Acesso em: 18 abr. 2021.

Edição

Seção

ARTIGOS/ARTICLES