UM “DESESPAÇO” DA DOR EM “GRAMÁTICA EXPOSITIVA DO CHÃO” DE MANOEL DE BARROS

Autores

  • Jones Dari Goettert UFGD

DOI:

https://doi.org/10.5216/er.v14i2.21110

Resumo

De “Gramática Expositiva do Chão”, de Manoel de Barros, sugere-se aqui a ideia de um espaço absolutamente espedaçado, diluído e em desvario, insinuando-se, por isso, como um “desespaço”. Um espaço impossível de compreensão a partir de uma lógica e de uma ética-estética da plena conexão, totalidade ou racionalidade linear-cartesiana. Como “desespaço”, a poética de Manoel de Barros transita entre o cubismo, o surrealismo, o dadaísmo e “metades” de gentes, bichos e coisas de uma natureza feita também em pedaços. Das “metades” uma poesia da dor eclode. Partidos ao meio, gentes, bichos e coisas tendem a uma perda irreparável e insuperável, em um “desespaço” para sempre mutilado.

Biografia do Autor

Jones Dari Goettert, UFGD

Geografia; Geografia da População; Geografia e Cultura.

Downloads

Publicado

21.12.2012

Como Citar

GOETTERT, J. D. UM “DESESPAÇO” DA DOR EM “GRAMÁTICA EXPOSITIVA DO CHÃO” DE MANOEL DE BARROS. Espaço em Revista, Goiânia, v. 14, n. 2, 2012. DOI: 10.5216/er.v14i2.21110. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/espaco/article/view/21110. Acesso em: 18 maio. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS/ARTICLES