O discurso ambiental que dá certo:

a divulgação de releases pela assessoria de imprensa do MPF/RN e a sua reprodução fiel pelo jornalismo potiguar

Autores

  • André Wolmer de Melo Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, RN, Brasil, andrewolmer@gmail.com
  • Luciana Costa Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, RN, Brasil, lmirandaeua@hotmail.com

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v24.66546

Palavras-chave:

Comunicação Organizacional, Assessoria de Imprensa, Discurso Informativo, Ministério Público Federal, Meio Ambiente

Resumo

A assessoria de imprensa é parte importante das ferramentas de comunicação organizacional. A relação entre assessorias e redações jornalísticas impacta a configuração do discurso informativo e a notícia que chega ao público. Análise quantitativa da cobertura de portais e blogs sobre a atuação do Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte contra a ocupação de áreas de proteção ambiental por empresas salineiras mostra que quase metade dos conteúdos divulgados pelos veículos foram repetições literais de releases enviados pelo órgão. Ao apenas reproduzir textos, o suporte jornalístico se restringe a um papel passivo diante das informações recebidas e suscita questões éticas e de credibilidade na relação com o leitor. Para a assessoria de imprensa, no entanto, o índice de repetições significa o alcance do objetivo de repercutir o discurso institucional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Costa, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, RN, Brasil, lmirandaeua@hotmail.com

Doutorado em Ciências: Desenvolvimento Socioambiental pelo NAEA/UFPA (2004), com estágio de doutoramento na Universidade de Indiana (Anthropological Center for Training and Research on Global Environmental Change) e no Woods Hole Research Center, ambos nos USA. Concluiu, em 2013, o pós-doutoramento em Comunicação na Universidade Nova de Lisboa, sob a supervisão do professor catedrático, Adriano Duarte Rodrigues, e pós-doutoramento junto ao PPGEL/UFRN, sob supervisão da Profa Dra Cellina Muniz em 2020. Foi Coordenadora da Assessoria de Comunicação da UFPA (2007-2009) e coordenadora da Rádio Web UFPA (2009-2015), da qual foi fundadora em 2009. Desenvolve projetos de pesquisa e extensão com o apoio de agências como CNPq e Capes. Coordenadora do Grupo de Pesquisa Preserv-Ação: Comunicação, Ciência e Meio Ambiente da UFPA/UFRN e integrante do Grupo de Pesquisa PRAGMA- Pragmática da Comunicação e da Mídia: teorias, linguagens, indústrias culturais e cidadania (UFRN), ambos registrados no CNPq. É professora do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (desde 2015) e da Pós-graduação em Estudos da Mídia (PPGEM) da mesma universidade (desde 2017), da qual é atualmente coordenadora (a partir de fev/2020). Foi professora do curso de Comunicação Social da UFPA (1997-2015) e é professora da Pós-Graduação em Comunicação, Cultura e Amazônia da Universidade Federal do Pará (PPGCOM-UFPA), de 2010 ao presente (sendo que como Professora Colaboradora, desde 2017). Na área de Comunicação, suas pesquisas e projetos, alguns dos quais premiados, tem dado ênfase para as temáticas Estudos em Rádio, Comunicação e Meio Ambiente, Divulgação Científica e Comunicação Institucional . Tem trabalhado também com os seguintes temas: Estratégias Institucionais e Midiáticas em Comunicação, Análise de Discurso, Campanhas de Comunicação, Mudanças Climáticas, Amazônia, Agricultura Familiar, Desmatamento e Conflitos Agrários.

Referências

BRASIL. Decreto 9.824, de 4 de junho de 2019. Declara de interesse social a atividade em salina, destinada à produção e ao beneficiamento de sal marinho, nos Municípios de Mossoró, Macau, Areia Branca, Galinhos, Grossos, Porto do Mangue, Pendências e Guamaré, Estado do Rio Grande do Norte. Brasília: Presidência da Republica, 2019a. Disponível em: https://bit.ly/3nbwnLV. Acesso em: 23 ago. 2020.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. IBAMA; RIO GRANDE DO NORTE. Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente. Relatório conjunto de avaliação técnica ambiental dos empreendimentos salineiros no Estado do Rio Grande do Norte: GT-SAL. Brasília: IBAMA: Natal, RN: IDEMA, 2017. Disponível em: http://www.idema.rn.gov.br/Conteudo.asp?TRAN=ITEM&TARG=144940&ACT=&PAGE=0&PARM=&LBL=Documentos+T%E9cnicos. Acesso em: 23 ago. 2020.

BRASIL. Ministério de Minas e energia. Agência Nacional de Mineração. Sumário mineral brasileiro 2018. Brasília-DF, 2018. Disponível em: https://bit.ly/3nrIBjJ. Acesso em: 18 set. 2020.

BRASIL. Tribunal Regional Federal (5. Região). Ação Civil Pública nº 080143295.2019.4.05.8401, de 25/07/2019. Proposta pelo MPF contra União Federal, que tem por objetivo a nulidade do Decreto nº 9.824, de 04 de junho de 2019, o qual concedeu o status de interesse social à atividade salineira, argumentando de que este encontra-se eivado de ilegalidades e inconstitucionalidades reflexas. Brasília: TRF, 2019b . Disponível: https://pje.jfrn.jus.br/pjeconsulta/ConsultaPublica/DetalheProcessoConsultaPublica/listView.s eam?signedIdProcessoTrf=26620d262878d95e5faebb4d10cdd6bd# o. Acesso em: 22 abril 2020.

BUARQUE, C. Prefácio. In: DUARTE, J. (org). Assessoria de imprensa e relacionamento com a mídia: teoria e técnica. São Paulo: Atlas, 2008.

COSTA, D. et al. A. Breve revisão sobre a evolução histórica da atividade salineira no estado do Rio Grande do Norte (Brasil). Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 25, n. 1, p. 21-34, jan./abr. 2013. Disponível em: https://bit.ly/3jHT7Rt. Acesso em: 18 set. 2020.

DUARTE, J. Comunicação pública. São Paulo: Atlas, 2007.

FARIAS, L; TAJRA, V. Gestor, o novo perfil do jornalista nas assessorias de comunicação no Ceará: um estudo de caso da Caramelo Comunicação e Coworking. Comunicação & Informação. Goiânia, GO, v. 22, p. 1-17, 2019. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/ci/article/view/47785/33581. Acesso em: 5 out. 2020.

FENAJ. Federação Nacional dos Jornalistas. Manual dos jornalistas em assessoria de comunicação. Brasília: FENAJ, 2007.

FERNANDES, R. Atividade salineira em manguezais do semiárido: impactos ambientais e reflexos econômicos da recuperação ou compensação ambiental das áreas degradadas. 2019. Tese (Doutorado em Ciência Aninal) - Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró-RN, 2019. Disponível em: https://bit.ly/2GrtS7T. Acesso em: 10 ago. 2020.

GUERRA, M.; CARVALHO, K. Transparência pública e acesso à informação: a utopia virando realidade na UEPB. Comunicação & Informação. Goiânia, GO, v. 22, p. 1-19, 2019. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/ci/article/view/53137/33776. Acesso em: 5 out. 2020.

HOLANDA, J. Ventos do desenvolvimento: o início da cobertura sobre energia eólica no jornal Tribuna do Norte. 2017. Dissertação (Mestrado em Estudo da Mídia) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, 2017.

HERSCOVITZ, H. Características dos portais brasileiros de notícias. SBPJor, 2009. Disponível em: https://bjr.sbpjor.org.br/bjr/article/viewFile/197/196. Acesso em: 28 ago. 2020.

KUNSCH, M. Comunicação organizacional: conceitos e dimensões dos estudos e das práticas In: MARCHIORI, Marlene. Faces da cultura e da comunicação organizacional. São Caetano do Sul: Difusão, 2006.

LIMA, V. Mapeamento de áreas produtoras de sal do Rio Grande do Norte. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciência e Tecnologia) - Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró-RN, 2018. Disponível em: https://bit.ly/2Gu5uCC. Acesso em: 15 ago. 2020.

MACIEL, A. Jornalismo Ctrl c/ Ctrl v: uso do release na comunicação da informação online. Brasília: Universidade de Brasília, 2006. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/33531782.pdf. Acesso em: 1 set. 2020.

MACNAMARA, J. Journalism and PR: beyond myths and stereotypes to transparency and management in the public interest. Sidney: University of Technology Sidney, 2009. Disponível em: shorturl.at/ikqP1. Acesso em: 5 set. 2020.

MOLONEY, K; JACKSON, D.; MCQUEEN, D. News journalism and public relations: a dangerous relationship. In: ALLAN, S.; FOWLER-WATT, K. Journalism: new challenges. Bournemouth: Bournemouth University, 2013. p.259-181.

MPF. Ministério Público Federal. Sobre o MPF. Brasília: MPF, ©2020. Disponível em: https://bit.ly/3js27dE. Acesso em: 20 set. 2020.

MPF. Ministério Público Federal. MPF quer retirada de salinas de áreas de preservação e realocação da produção do sal. Natal-RN, 2019a. Disponível em: https://bit.ly/3hK9D1S. Acesso em: 10 set. 2020.

MPF. Ministério Público Federal. MPF obtém liminar para que empresa pare gradativamente de utilizar pilhas de sal localizadas em área de preservação. Brasília: MPF, 2019b. Disponível em: https://bit.ly/2FrZjhV. Acesso em: 10 set. 2020.

MPF. Ministério Público Federal. MPF obtém liminar para mais uma empresa desativar pilhas de sal em área de preservação. Brasília: MPF, 2019c. Disponível em: https://bit.ly/35OMadz. Acesso em: 10 set. 2020.

MPF. Ministério Público Federal. MPF quer anular decreto que permite funcionamento de salinas em áreas de preservação. Brasília: MPF,2019d. Disponível em: https://bit.ly/33BU9b6. Acesso em: 10 set. 2020.

MPF. Ministério Público Federal. MPF quer impedir licenciamento ambiental para salinas em áreas de preservação. Brasília: MPF, 2019e. Disponível em: https://bit.ly/2RxWiPh. Acesso em: 10 set. 2020.

NOVELLI, A. O papel institucional da comunicação pública para o sucesso da governança. Organicom, São Paulo, v. 3, n. 4, p. 74-89, jun. 2006. Disponível em: https://goo.gl/ifotzW. Acesso em:13 set. 2020.

PUBLICADO decreto presidencial que reconhece produção salineira potiguar como bem de interesse social. G1, Rio Grande do Norte, 5 jun. 2019. Disponível em: https://glo.bo/3naE84P. Acesso em: 25 ago. 2020.

RABAÇA, C. A.; BARBOSA, G. Dicionário de comunicação. São Paulo: Campus, 2014.

REUTERS. Digital news report 2020. Oxford: Reuters Institute for the Study of Journalism, 2020. Disponível em: https://static.poder360.com.br/2020/06/DNR_2020_FINAL.pdf. Acesso em: 1 set. 2020.

SAMPAIO, C. A construção do discurso informativo na relação entre assessoria de imprensa e jornalismo: apontamentos metodológicos para análise. Salvador: UFBA, 2014.

SIESAL; SIMORSAL. Nota à imprensa. Coluna do Herzog, [S. l], 2019. Disponível em: https://bit.ly/3jnslxE. Acesso em: 15 set. 2020.

TRAQUINA, N. Teorias do jornalismo. Santa Catarina: Insular, 2005.

VIZEU, A. Decidindo o que é notícia: os bastidores do telejornalismo. 2005. Recife-PE: UFPE, 2005.

WOLF, Mauro. Teorias da comunicação. Lisboa: Presença, 2001.

Downloads

Publicado

18-08-2021

Como Citar

MELO, A. W. de .; COSTA, L. O discurso ambiental que dá certo:: a divulgação de releases pela assessoria de imprensa do MPF/RN e a sua reprodução fiel pelo jornalismo potiguar . Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 24, 2021. DOI: 10.5216/ci.v24.66546. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/ci/article/view/66546. Acesso em: 19 out. 2021.