O cinema-game

relações entre cinema expandido, interatividade e videogame

Autores

  • Luciano Marafon Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), Curitiba, Paraná, Brasil, lucianomarafon07@gmal.com
  • Denize Araujo Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), Curitiba, Paraná, Brasil, denizearaujo@hotmail.com

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v23.66280

Palavras-chave:

Cinema Expandido, Interatividade, Videogame, Bandersnatch, Life is Strange

Resumo

Objetiva contextualizar e dialogar com o cinema expandido e com as novas possibilidade midiáticas e tecnológicas, além de trazer novas configurações de narrativas, exemplificando e identificando filmes interativos que dialogam com o videogame, e jogos que dialogam com o cinema. Para isso, o corpus utilizado na pesquisa inclui o filme interativo produzido e exibido pela Netflix, Bandersnatch (2018) e o jogo de videogame Life is Strange (2015). Colocando em debate um cinema que desconfigura o cinema clássico para inserir novas percepções de produção, exibição e consumo, assim como a desconfiguração do próprio espectador e jogador, ambos ganham outras formas, já que a mídia não é mais a mesma. Por fim, apontamos atributos identificados tanto no filme quanto no jogo (já citados) que revelam a convergência desses conteúdos, além de exemplificarmos pontos comuns de interatividade presentes no corpus da pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciano Marafon, Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), Curitiba, Paraná, Brasil, lucianomarafon07@gmal.com

Mestrando em Comunicação e Linguagens pela UTP, bolsista PROSUP-CAPES. Especialista em Intermídias Visuais - Cinema pela UTP. Bacharel em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda pela 

Denize Araujo, Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), Curitiba, Paraná, Brasil, denizearaujo@hotmail.com

PhD em Comp Lit, Cinema & Arts - Univ. of California, Riverside, USA. Pós Doutora em Cinema e Artes- Univ. Algarve, Portugal. Docente da Pós graduação lato e stricto sensu da Universidade Tuiuti do Paraná. 

Referências

A GRUTA. Direção: Filipe Gontijo. Brasil: Gontijo, 2008. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=zfxy9ZpzTfk. Acesso em: 10 dez. 2020.

ALCÂNTARA, Paulo; BRUNET, Karla. Notas introdutórias ao cinema interativo. Revista de Audiovisual Sala 206, n. 3, dez. 2013.

BIOPHILIA. Direção: Björk. Produtor: Scott Snibbe. Mundial: Universal Music, 2011. Álbum-aplicativo.

BLACK Mirror: Bandersnatch. Direção: David Slade. Produção: Russell McLean. Roteiro: Charlie Brooker. Reino Unido: Netflix, 2018. Streaming.

CANNITO, Newton. A televisão na era digital. Interatividade: convergência e novos modelos de negócio. Summus: 2010.

FERREIRA, Emmanoel M. Games narrativos: dos adventures aos MMORPGs. In: SEMINÁRIO JOGOS ELETRÔNICOS, 4., 2008, Salvador. Anais [...]. Salvador: UFBA, 2008.

GONÇALVES, Berenice Santos; SENS, André Luiz; HERMÓGENES, Fábio Alexandre. A Função estruturante do link em filmes e vídeos interativos. In: SUING, Abel; GARCIA, Aida Carvajal; SEDEÑO, Ana; BARCELLOS, Jefferson; RIVERA, Jéronimo; MORAIS, Osvando de; IRISARRI, Patricio; SARZI, Regilene; CASTRO, Sebastian; KNEIPP, Valquiria (org.). Narrativas imagéticas. Aveiro: Ria Editoral, 2019.

GRAU, Oliver. Arte virtual: da ilusão à imersão. São Paulo: Unesp; Senac, 2007.

GUATTARI, Félix. Towards a post-media era. Chimères, n. 28, primavera-verão 1996. 1a ed. 1990.

I‘M YOUR Man. Direção: Bob Bejan. Roteiro: Bob Bejan et al. EUA: Controlled Entropy Entertainment, 1998. 1 DVD (20 min).

INTERVALS of Silence. Direção: Deborah Lefkowitz. EUA: [s. n.], 1998. 1 vídeo (58 min).

JACOBY, Russell. Imagem imperfeita: pensamento utópico para uma época antiutópica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

KRISTEVA, Julia. Introdução à semanálise. São Paulo: Perspectiva, 1974.

LAST Call by 13th Street. Direção: Milo. EUA: Film Deluxe Berlin, 2010. 1 vídeo (3 min). Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=BRMNfwndtok&feature=emb_logo&ab_channel=FollowBandE. Acesso em: 10 dez. 2020.

LAST of Us part II. Direção: Neil Druckmann, Anthony Newman, Kurt Margenau. EUA: Sony; Naughty Dog, 2020. Jogo eletrônico.

LEVIN, Tatiana. Interação no webdoc: o lugar do espectador na narrativa digital. XVI ENCONTRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS DE CINEMA E AUDIOVISUAL, 16., 2012, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: Centro Universitário Senac, 2012.

LIFE is Strange. Direção: Michel Koch, Raoul Barbet. Produção: Luc Baghadoust. EUA: Dontnod Entertainment, 2015. Jogo eletrônico.

LIMA, Isabela Vieira; FERREIRA, Helena Maria. Análise do jogo life is strange e suas potencialidades de interação com o sujeito-leitor/jogador. Revista Leia Escola, Campina Grande, v. 20, n. 1, 2020. ISSN 2358-5870.

MACHADO, Arlindo. Arte e mídia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

MANOVICH, Lev. El cine, el arte del index. In: LA FERLA, Jorge. El medio es el diseño del audiovisual. Manizales: Universidad de Caldas, 2007.

MANOVICH, Lev. Soft cinema: navigating the database. Cambridge, Massachusetts: The MIT Press, 2005.

MANOVICH, Lev. The language of new media. Cambridge, Massachussetts: The MIT Press, 2001.

OUT my window. Direção: Katerina Cizek. Mundial: NFB, 2010. Disponível em http://outmywindow.nfb.ca/#/outmywindow. Acesso em: 10 dez. 2020.

PAZ, André; SALLES, Julia. Brasil, mostra a sua cara: aproximações ao cenário brasileiro de documentários interativos. Doc On-line - Revista Digital de Cinema Documentário, Covilhã, n. 18, p130-163, set. 2015.

PENAFRIA, Manuela. Webdocumentário - interatividade, abordagem e navegação. In: FIDALGO, António; CANAVILHAS, João (org.). Comunicação digital: 10 anos de Investigação. Lisboa, Portugal: Minerva, 2013. Disponível em: http://labcom.ubi.pt/livro/116. Acesso em: 10 dez. 2020.

PONG. Projetista: Allan Alcorn. Plataforma: Arcade. EUA: Atari. 1972. Jogo eletrônico.

RENÓ, Denis Porto. Uma linguagem para as novas mídias: a montagem audiovisual como base para a constituição do cinema interativo. 2007. 108 f.. Tese (Doutorado em Comunicação) – Universidade Metodista de São Paulo, São Paulo, 2007.

SIMONS, Jon. Complex narratives. New Review of Film and Television Studies, v. 6, n. 2, p. 111-126, 2008.

SHAW, Jeffrey. O cinema digitalmente expandido: o cinema depois do filme. In: LEÃO, Lucia (Ed). O chip e o caleidoscópio. São Paulo: SENAC, 2005.

SHUTTER Interface. Direção: Paul Sharits. EUA: [s. n.], 1975. 1 vídeo (3 min).

SWITCHING. Direção: Morten Schjødt. Roteiro: Filip von Spreckelsen. Dinamarca: Controlled Entropy Entertainment, 2003. DVD.

TRASFERETTI, Rodrigo; SANTOS, Roberto Elisio. Inovações tecnológicas e hibridismos no album-aplicativo Biophilia, de Bjork. Revista Comunicação e Informação, Goiânia, GO, v. 20, n. 2, p. 113-131, jun./jul. 2017.

VANDERBEEK, Stan. Movie drome. Cultureintercomfbaul, 15 mar. 2011.Disponível em:

https://cultureintercomfbaul.wordpress.com/2011/03/15/movie-drome-stan-vanderbeek/. Acesso em: 17 out. 2020.

VILCHES, Lorenzo. A migração digital. São Paulo: Loyola, 2003.

WEIBEL, Peter: The post-media condition: Neue Galerie Graz, Áustria, p. 6-13, 2005. Disponível em: https://www.museum-joanneum.at/en/neue-galerie-graz/exhibitions/exhibitions/events/event/1906/postmedia-condition. Acesso em: 20 out. 2020.

YOUNGBLOOD, Gene. Expanded cinema. New York: P. Dutton, 1970.

ZEN for film. Direção: Nam June Paik. EUA: Filmmakers' Cinematheque, 1964. 1 DVD (4 min).

Downloads

Publicado

16-12-2020

Como Citar

MARAFON, L.; ARAUJO, D. O cinema-game: relações entre cinema expandido, interatividade e videogame. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 23, 2020. DOI: 10.5216/ci.v23.66280. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/ci/article/view/66280. Acesso em: 26 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê Cinema, Mídia e Tecnologia – narrativas e linguagens nas paisagens