Exibição cinematográfica acessível

alternativas e limitações nas políticas públicas e na oferta de conteúdos

Autores

  • Erivelto Amarante Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, Paraná, Brasil, novo.eri@gmail.com.
  • Amanda Azevedo Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, Paraíba, Brasil, amanda.azevedo@lavid.ufpb.br
  • João Miguel Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo, Rio Grande do Sul, Brasil, jmig1q@gmail.com.

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v23.66241

Palavras-chave:

Cinema, Interfaces Digitais, Pessoas com Deficiências, Políticas públicas, TV INES

Resumo

O consumo de obras audiovisuais é uma das dificuldades enfrentadas por Pessoas com Deficiências (PcDs) auditivas e surdas, que experienciam o mundo de modo visual, assim como pela característica das línguas de sinais que são gestos visuais. A falta de acessibilidade nos conteúdos e em diversos espaços culturais e sociais, como por exemplo o cinema, é uma realidade enfrentada por essa comunidade. A internet possibilitou um amplo acesso a informações e a comunicação, mediante as tecnologias e interfaces digitais, que permitem configurar e produzir recursos que atendam aos parâmetros de acessibilidade, sendo uma das principais alternativas para o consumo audiovisual acessível. O objetivo deste artigo consiste em identificar o perfil da exibição cinematográfica da principal emissora acessível às PcDs auditivas e surdos no Brasil, a TV INES. Através do programa CineMão, buscamos analisar a oferta da programação linear e não linear.  Para isso, utilizamos a metodologia de análise de conteúdo quantitativa, através da categorização de variáveis como forma de operacionalizar a pesquisa empírica. Os resultados apontaram que apesar das limitações na quantidade de conteúdos ofertados, a emissora consegue atender tanto às demandas de viés educativo quanto de entretenimento, possibilitando a inclusão e a integração das PcDs auditivas e surdas na cultura nacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Erivelto Amarante, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, Paraná, Brasil, novo.eri@gmail.com.

Doutorando em Ciência Política pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). 

Amanda Azevedo, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, Paraíba, Brasil, amanda.azevedo@lavid.ufpb.br

Mestre em Computação, Comunicação e Artes pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

João Miguel, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo, Rio Grande do Sul, Brasil, jmig1q@gmail.com.

Doutor em Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). 

Referências

BARDIN, L Análise de conteúdo. 4. ed. Lisboa: Edições 70, 2010.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 9 out. 2020.

BRASIL. Lei nº 12.319 de 1º de setembro de 2010. Regulamenta a profissão de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS. Brasília: Presidência da República, 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12319.htm. Acesso em: 9 out. 2020.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília: Presidência da República, 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 9 out. 2020.

BRASIL. Agência Nacional do Cinema. Instruções normativa nº 128, de 13 de setembro de 2016. Brasília: Ancine, 2016. Disponível em: https://www.dropbox.com/s/sdmnekkb8jttdif/ancine_instrucao_normativa_128_2016.docx. Acesso em: 9 out. 2020.

BRASIL. Secretaria de Direitos Humanos. Cartilha do censo 2010: pessoas com deficiência. Brasília: SDH : SNPD, 2012. Disponível em: http://www.unievangelica.edu.br/novo/img/nucleo/cartilha-censo-2010-pessoas-com-deficienciareduzido.pdf. Acesso em: 9 out. 2020.

CANNITO, Newton. A TV 1.5 - A televisão na era digital. Tese (Doutorado em Comunicação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

CARPENTIER, N. O conceito de participação. Se eles têm acesso e interagem, eles participam de fato? Revista Fronteiras, v. 14, n. 2, p. 164-177, maio/ago. 2012. DOI: 10.4013/fem.2012.142.10

CRUZ, T. M. O surdo no cinema: mudanças de paradigmas. Alumínio (SP): Jogo de Palavras, 2018

GONÇALCES, M. L. Curta o curta – o estímulo educativo na adaptação de contos machadianos. In: CONGRESSO INTERNACIONAL - CIRCULAÇÃO, TRAMAS & SENTIDOS NA LITERATURA, 16., Uberlândia, MG. Anais [...].Uberlândia, MG: ABRALIC, 2018. Disponível em: https://bit.ly/3lMWdVc. Acesso em:14/10/2020

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2009.

JENKINS, Henry; FORD, Sam; GREEN, Joshua. Cultura da conexão: criando valor e significado por meio da mídia propagável. São Paulo: Aleph, 2014.

JOHNSON, S. Cultura da interface: como o computador transforma nossa maneira de criar e comunicar. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

LUCA, L. G. A. A hora do cinema digital: democratização e globalização do audiovisual. São Paulo: Imprensa Oficial, 2009. Coleção aplauso: cinema e tecnologia.

MARTINO, L. M. S. Teoria das mídias digitais: linguagens, ambientes e redes. Rio de Janeiro: Vozes, 2014.

MEDEIROS, D. S.; FALAVINA, I. H.; O. BALDESSAR, M. J. Cidadãos de um mundo sem som: a política da diferença no uso de produções audiovisuais para educação de surdos. INTERCOM, 20., 2019, Porto Alegre. Anais [...]. Porto Alegre: Intercom, 2019.

NUNES. V. F. Estratégias tecnológicas para o ensino de surdos: TV INES, google imagens e Google maps. Revista Fórum, n. 33, jan./jun. 2016.

PEREIRA, M. C. C.; CHOI, D.; VIEIRA, M. I.; GASPAR, P.; NAKASATO, R. Libras, conhecimentos além dos sinais. São Paulo: Person Prentice Hall, 2011.

SANTANA, A. P.; BERGAMO, A. Cultura e identidades surdas: encruzilhada de lutas sociais e teóricas. Educ. Soc., Campinas, v. 26, n. 91, p. 565-582, maio/ago. 2005

SIQUEIRA, J. M.; SOUZA, J. B. Um estudo de caso sobre a TV INES: primeira webTV acessível do Brasil. In: INTERCOM, 38., Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: Intercom, 2015.

SIQUEIRA, J. M.; SOUSA, J. B. Jornalismo em ambientes multiplataforma: um estudo sobre a primeira WebTV acessível do país – TV INES. In: INTERCOM, 39., São Paulo. Anais [...]. São Paulo: Intercom, 2016.

SKLIAR, C. A surdez: um olhar sobre as diferenças. São Paulo: Mediação, 2005.

STROBEL, K. L.; FERNANDES, S. Aspectos lingüísticos da língua brasileira de sinais. Curitiba: SEED/SUED/DEE, 1998.

VEET, V. Mídia e deficiência. Brasília: Andi : Fundação Banco do Brasil, 2003.

Downloads

Publicado

31-12-2020

Como Citar

AMARANTE, E.; AZEVEDO, A.; MIGUEL, J. Exibição cinematográfica acessível: alternativas e limitações nas políticas públicas e na oferta de conteúdos. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 23, 2020. DOI: 10.5216/ci.v23.66241. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/ci/article/view/66241. Acesso em: 26 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê Cinema, Mídia e Tecnologia – narrativas e linguagens nas paisagens