A construção da sátira nos jogos digitais

imagens híbridas e ações disjuntivas no caso de South Park - Stick of Truth

Autores

  • Eduardo Luersen Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), São Leopoldo, Rio Grande do Sul, Brasil, edluersen@gmail.com

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v23.66153

Palavras-chave:

Estudos de mídia, Análise audiovisual, Jogos digitais, Sátira, Tecnocultura contemporânea

Resumo

Discute aspectos técnicos e estéticos das imagens digitais contemporâneas a partir da análise de um jogo de computador em particular, South Park: Stick of Truth (2014). A escolha por este jogo se deve ao modo como as suas imagens concentram uma série de técnicas de representação gráfica distintas, e pela maneira como nele são exploradas satiricamente determinadas características da linguagem dos jogos digitais, o que permite uma aproximação crítica das imagens, formas e processos computacionais emergentes na atual tecnocultura audiovisual. A análise compreende procedimentos de dissecação de imagens e da retórica processual dos jogos, a partir de considerações de Kilpp (2009) e Bogost (2010), respectivamente. Com estas análises, percebemos que o jogo enfatiza elementos relacionados à linguagem das mídias digitais e à sua dispersão contemporânea, o que permite retomar conceitos relativos aos processos de hibridização do audiovisual, de softwarização da cultura e do design das interfaces humano-computador, enquanto aspectos centrais às reconfigurações em curso na ecologia das mídias de hoje.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Luersen, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), São Leopoldo, Rio Grande do Sul, Brasil, edluersen@gmail.com

Designer e pesquisador independente. Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Membro dos grupos de pesquisa Audiovisualidades e Tecnocultura: Comunicação, Memória e Design (Unisinos) e Gamification Lab (Leuphana Universität Lüneburg). O presente trabalho foi realizado com apoio da Capes, CNPq e DAAD. ORCID https://orcid.org/0000-0002-8517-0206

Referências

AUMONT, Jacques. O olho interminável: cinema e pintura. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.

BAUDELAIRE, Charles. Escritos sobre arte. São Paulo: Hedra, 2008.

BOGOST, Ian. Persuasive games: the expressive power of videogames. 2. ed. Cambridge, MA: MIT Press, 2010.

BOLTER, Jay; GROMALA, Diane. Windows and mirrors: interaction design, digital art and the myth of transparency. Cambridge: MIT Press, 2003.

BOLTER, Jay; GRUSIN, Richard. Remediation: understanding new media. Cambridge: MIT Press, 2000.

BORDWELL, David; STAIGER, Janet; THOMPSON, Kristin. The classical Hollywood cinema: film style and mode of production to 1960. New York: Routledge, 1988.

CASELLI, Stefano et al. Satire at play: a game studies approach to satire. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON THE FOUNDATIONS OF DIGITAL GAMES, 15., 2020, Msida. Proceedings […]. New York: Association for Computing Machinery, 2020. p. 1-7.

CHUN, Wendy. On software, or the persistence of visual knowledge. Cambridge: MIT Press, 2004.

CHUN, Wendy. Programmed visions: software and memory. Cambridge: MIT Press, 2013.

DEMARIA, Rusel; WILSON, John. High score! The illustrated history of electronic games. New York: McGraw Hill Osborne Media, 2002.

FISCHER, Gustavo Daudt. Cinema em Devir nos Games: por um olhar arqueogenealógico nas interfaces culturais. In: GERBASE, Carlos; GUTFRIEND, Cristiane Freitas (org.). Cinema em choque: diálogos e rupturas. Porto Alegre: Sulina, 2013a.

FISCHER, Gustavo Daudt. Tecnocultura: aproximações conceituais e pistas para pensar as audiovisualidades. In: KILPP, Suzana; FISCHER, Gustavo Daudt. (org.). Para entender as imagens: como ver o que nos olha? Porto Alegre: Entremeios, 2013b.

FUCHS, Mathias. Gamification as 21st Century ideology. Journal of Gaming & Virtual Worlds, London, v. 6, n. 2, p. 143-157, 2014.

FUCHS, Mathias. Subversive gamification. In: CERMAK-SASSENRATH, Daniel; TAN, Chek Tien; WALKER, Charles (org.). Playing the system: the playful subversion of technoculture. Singapore: Springer, 2018. p. 181-191.

GALLOWAY, Alexander. Gaming: essays on algorithmic culture. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2006.

GIAPPONE, Krista Bonello Rutter. Self-reflexivity and humor in adventure games. Game Studies, Copenhagen, v. 15, n. 1, 2015.

KILPP, Suzana. Devires audiovisuais da televisão. In: SILVA, Alexandre Rocha; ROSSINI, Miriam de Souza (org.). Do audiovisual às audiovisualidades: convergência e dispersão nas mídias. Porto Alegre: Asterisco, 2009.

LUERSEN, Eduardo H. Potências do ruído nas interfaces gráficas dos countergames. RELACult - Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade, [S. l.], v. 3, p. 96-108, 2017.

MANOVICH, Lev. Database as a genrecof new media. AI & Society, Brighton, v. 14, n. 2, p. 176-183, 2000.

MANOVICH, Lev. The language of new media. Cambridge: MIT Press, 2001.

MANOVICH, Lev. Software takes command: extending the language of new media. London: Bloomsbury, 2013.

MANOVICH, Lev. Understanding Hybrid Media. In: HERTZ, Betti-Sue (org.) Animated Painting. San Diego: San Diego Museum of Art, 2007.

SIHVONEN, Tanja. Players unleashed! Modding the sims and the culture of gaming. Amsterdam: Amsterdam University Press, 2011.

TRASFERETTI, Rodrigo; SANTOS, Roberto Elisio dos. Inovações tecnológicas e hibridismos no álbum-aplicativo Biophilia, de Björk. Comunicação & Informação, Goiânia, v.v20, n.v2, p. 113-131, 2017.

Downloads

Publicado

30-12-2020

Como Citar

LUERSEN, E. A construção da sátira nos jogos digitais: imagens híbridas e ações disjuntivas no caso de South Park - Stick of Truth. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 23, 2020. DOI: 10.5216/ci.v23.66153. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/ci/article/view/66153. Acesso em: 26 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê Cinema, Mídia e Tecnologia – narrativas e linguagens nas paisagens