Acerca do estatuto da imagem nas redes digitais

notas a partir de um levante político

Autores

  • Eli Borges Júnior Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil, ridolfi.eli@gmail.com

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v23.66000

Palavras-chave:

Imagem, Redes digitais, Sentir, Percepção, Neda Agha-Soltan.

Resumo

O presente artigo decorre de um projeto de pesquisa em que se pretendeu formular uma proposição teórica sobre os modos e meios de operação das imagens em contextos digitais. Procurando trilhar um caminho fenomenológico de reflexão, o artigo debruça-se sobre o caso Neda Agha-Soltan, jovem assassinada no Irã durante um protesto político no ano de 2009. As imagens de sua morte ganhariam vasta repercussão, reaparecendo inclusive em manifestações posteriores, sobretudo da chamada Primavera Árabe. A partir desse caso – sem, no entanto, qualquer pretensão de generalizar nossas proposições –, buscamos abrir uma possível chave por meio da qual possamos identificar certos aspectos particulares a um tipo de imagem gerada e disseminada a partir do elemento digital. Em certa medida legatária da eletricidade e da reprodutibilidade técnica (W. Benjamin), essa imagem, reformulada, a penetrar as mais variadas esferas da vida com a explosão das tecnologias digitais, sugere reverberar – de modo ainda mais extremo – ecos de uma crise da percepção já anunciada pelo filósofo alemão. Diante disso, indagamos: em que medida a hipertrofia dessas imagens digitais abrir-nos-ia um flanco para vislumbrar mesmo uma relação outra com as imagens, um novo modo de acessá-las e percebê-las? Como poderíamos descrever seus modos de operação sobre nós? Reconhecendo a vastidão do tema e de caminhos possíveis para uma abordagem do mesmo, este texto procura, atravessando noções congruentes de outros autores, problematizar essas questões dilemáticas a partir, sobretudo, da noção de imagem digital como uma espécie de “superfície” comum, território de compartilhamento do sentir.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eli Borges Júnior, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil, ridolfi.eli@gmail.com

Bacharel em Comunicação Social e em Filosofia pela Universidade de São Paulo (USP). Doutor e mestre em Ciências da Comunicação pela mesma instituição. Foi bolsista de doutorado da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP): Processo n. 2016/03588-7.

Referências

BENJAMIN, W. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. 8. ed. São Paulo: Brasiliense, 2012. Data da primeira edição[1936].

BENJAMIN, W. Sobre la fotografía. Trad. José Muñoz Millanes. Valencia: Pre-Textos, 2015. Data da primeira edição [1931].

BENJAMIN, W. et al. Benjamin e a obra de arte: técnica, imagem, percepção. Trad. Marijane Lisboa e Vera Ribeiro. Organização de Tadeu Capistrano. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

BORGES JUNIOR, E. Forma espetacular e imagem bipolar: reflexões sobre abstração e concretude na fruição da imagem midiática contemporânea. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, XXXIX., 2016, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: USP, 2016. p. 1-16.

BORGES JUNIOR, E. What is the post-truth? Elements for a critique of the concept. Brazilian Journalism Research, v. 15, n. 3, p. 496-513, dez. 2019.

DOI: https://doi.org/10.25200/BJR.v15n3.2019.1189

BUCCI, E. Em torno da instância da imagem ao vivo. Revista Matrizes, v. 3, n. 1, p. 65-79, ago./dez. 2009.

BUCCI, E. Televisão objeto: a crítica e suas questões de método. 2002. Tese (Doutorado) - Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

BUCK-MORSS, S. Visual Studies and global imagination. Papers of Surrealism, v. 2, p. 1-29, 2004.

DI FELICE, M. Net-ativismo: da ação social para o ato conectivo. Trad. Eli Borges Junior. São Paulo: Paulus, 2017a.

DI FELICE, M. La cittadinanza digitale: la crisi dell’idea occidentale di democrazia e la partecipazione nelle reti digitali. Milano: Meltemi, 2019.

DI FELICE, M.; PEREIRA, E.; ROZA, E. Net-ativismo: redes digitais e novas práticas de participação. Campinas: Papirus, 2017.

DIDI-HUBERMAN, G. Peuples exposés, peuples figurants. Paris: Les Éditions de Minuit, 2012. L'oeil de l'histoire, 4.

FLUSSER, V. O universo das imagens técnicas: elogio da superficialidade. São Paulo: Annablume, 2008.

GOFFMAN, E. La mise en scène de la vie quotidienne: 2. Les relations en public. Trad. de Alain Kihm. Paris: Les Éditions de Minuit, 1973.

GOMBRICH, E. Aby Warburg: an intellectual biography. 2. ed. Oxford: Alden Press Limited, 1986. Primeira edição [1970].

HABERMAS, J. Mudança estrutural da esfera pública: investigações sobre uma categoria da sociedade burguesa. Trad. Denílson Luís Werle. São Paulo: Unesp, 2014. Primeira edição [1962].

JOHN, N. A. Sharing and Web 2.0: the emergence of a keyword. New Media & Society, v. 15, n. 2, p. 167-182, 2012.

MAFFESOLI, M. Arcaísmo, cibercultura e reencantamento do mundo: as dobras do cotidiano tecnológico. Comunicação & Informação, v. 21, n. 2, p. 4-18, out. 2018.

MAFFESOLI, M. La contemplation du monde: figures du style communautaire. Paris: Grasset, 1993.

NIETZSCHE, F. O nascimento da tragédia ou helenismo e pessimismo. Trad., notas e posfácio de Jacó Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. Primeira edião [1872].

PERNIOLA, M. Do sentir. Trad. António Guerreiro. Lisboa: Presença, 1993.

POGGI, J. (org.). Edvard Munch: Écrits. Trad. Luce Hinsch. Paris: Les Presses du Réel, 2011.

SIEREK, K. Images oiseaux: Aby Warburg et la théorie des médias. Trad. par Pierre Rusch. Paris: Klincksieck, 2009.

SOLTANI, N. Mein gestohlenes Gesicht: Die Geschichte einer dramatischen Verwechslung. München: Kailash, 2012.

WINCKELMANN, J. J. Reflexões sobre a arte antiga. Trad. Herbert Caro e Leonardo Tochtrop. Porto Alegre: Movimento, 1975. Primeira edição [1764].

Downloads

Publicado

09-12-2020

Como Citar

BORGES JÚNIOR, E. Acerca do estatuto da imagem nas redes digitais: notas a partir de um levante político. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 23, 2020. DOI: 10.5216/ci.v23.66000. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/ci/article/view/66000. Acesso em: 26 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê Cinema, Mídia e Tecnologia – narrativas e linguagens nas paisagens