O que cabe num retângulo:

cenografias de desempenho em imagens plataformizadas

Autores

  • Rafael Rodrigues da Costa Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil, rafaelrg@ufc.br
  • Naiana Rodrigues da Silva Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil, naianarodrigues@ufc.br.

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v23.65212

Palavras-chave:

Plataforma, Cenografia, Desempenho, Instagram

Resumo

Discute as condições de existência e as características do que denominamos de cenografias de desempenho. Essa categoria é discutida como possibilidade interpretativa que permite dar a conhecer nuances e variantes de subjetividades empreendedoras de si (LAVAL; DARDOT, 2013; HAN, 2019). A construção dessa categoria é presidida por um debate conceitual acerca da ideia de desempenho, situada aqui como indício de uma racionalidade neoliberal e também das sujeições da chamada sociedade de plataforma (VAN DIJCK, POELL, DE WALL, 2018). Convocamos, ainda, aportes que permitam dar conta da noção de cenografia, debate que se ancora sobretudo em perspectivas discursivas (MAINGUENEAU, 2008a; MAINGUENEAU, 2008b; BARONAS; COX, 2014) mas também na discussão da ideia de visualidade (MIRZOEFF, 2016). Metodologicamente, trata-se de uma pesquisa exploratória alicerçada em triangulação de fontes de dados (DUARTE, 2009; FÍGARO, 2014), cuja coleta se deu no aplicativo Instagram. Os resultados permitem inferir que as cenografias de desempenho buscam se validar pela naturalização do individualismo, pelo apelo aos corpos e rostos humanos, bem como pelo apagamento de conflitos e diferenças, em meio às circunscrições oriundas da natureza empresarial e mercantil das plataformas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Rodrigues da Costa, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil, rafaelrg@ufc.br

Doutor, Professor do Curso de Jornalismo da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil. 

Naiana Rodrigues da Silva, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil, naianarodrigues@ufc.br.

Naiana Rodrigues da Silva: Mestra; professora do Curso de Jornalismo da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE,Brasil. 

Referências

AMOSSY, R. Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, 2005.

BALDIN, N; MUNHOZ, E. M. B. Snowball (bola de neve): uma técnica metodológica para pesquisa em educação ambiental comunitária. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 10., 2011, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: Pontifícia Universidade Católica do Paraná, 2011.

BARONAS, R. L.; COX, M. I. P. Discurso, argumentação e cenografia em" iconotextos". Bakhtiniana: Revista de Estudos do Discurso, v. 9, n. 1, p. 4-18, 2014.

BROULLÓN-LOZANO, M. A. Por una semiótica del selfie:¿ autorrepresentación, expresión o exhibicionismo en la iconosfera digital? In: GOMEZ Y MÉNDEZ, J. M. et. al. Derechos humanos emergentes y periodismo. Sevilla: Universidad de Sevilla, 2014. p. 207-212.

BRUNO, F. et al. Apresentação. In: BRUNO, F. et al (org.). Tecnopolíticas da vigilância: perspectivas da margem. São Paulo: Boitempo, 2018.

CASTRO, J. C. L. Redes sociais como modelo de governança algorítmica. Revista Matrizes, v. 12, n. 2, p. 165-191, 2017.

COSTA, R. R. A interface como prática discursiva em redes sociotécnicas: um estudo no YouTube. Tese (Doutorado em Linguística) - Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2016.

COSTA, R. R.; SILVA, N. R. Um rosto em 14 fragmentos: reconhecimento facial e negociações de visibilidade em redes sociotécnicas. Contracampo, Niterói, v. 38, n. 2, p. 117-131, ago./nov. 2019.

COURTINE, J.-J. Discursos e imagens para uma arqueologia do imaginário. In: SARGENTINI, V.; PIOVEZANI, C.; CURCINO, L. (ed.). Discurso semiologia e história. São Carlos: Claraluz, 2011. p. 145-162.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. La nueva razón del mundo: ensayo sobre la sociedad neoliberal. Barcelona: Gedisa, 2013. versão kindle.

DESLAURIERS, J.-P.; KÉRISIT, M. O delineamento de pesquisa qualitativa. In: POUPART, Jean et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Trad. Ana Cristina Nasser. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

DUARTE, T. A possibilidade da investigação a 3: reflexões sobre triangulação (metodológica). Tese (Doutorado em sociologia) – Centro de Investigação e Estudo em Sociologia, Portugal, 2009. Disponível em http://hdl.handle.net/10071/1319. Acessado em: 11 jan. 2020.

FEITOSA, E. L. V.; FANINI, A. M. R. Indignação e brio: o discurso sobre a improdutividade do trabalhador brasileiro na Folha de S. Paulo. Comunicação & Informação, v. 21, n. 3, p. 36-55, out./dez. 2018.

FIGARO, Roseli. A triangulação metodológica em pesquisas sobre a Comunicação no mundo do trabalho. Fronteiras - Estudos Midiáticos, v. 16, n. 2, p. 124-131, 2014.

FOSTER, Hal. Vision and visuality. Seattle: Bay Press, 1988.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 2008.

GASKELL, I. Vermeer’s wager: speculations on art history, theory and art museums. London: Reaktion Books, 2000.

GIDDENS, A. As consequências da modernidade. São Paulo: Editora Unesp, 1991.

GROHMANN, R. Plataformização do trabalho: entre a dataficação, a financeirização e a racionalidade neoliberal. Revista Eptic, v. 22, n. 1, p. 106-122, jan./abr. 2020.

HAN, B.-C. Sociedade do cansaço. Petrópolis: Vozes, 2019.

HELMOND, A. The Platformization of the web: making web data platform ready. Social Media + Society, jul./dec. 2015. Disponível em https://journals.sagepub.com/doi/full/10.1177/2056305115603080. Acesso em: 18 jul. 2019.

HYLAND, K. Metadiscourse: exploring interaction in writing. Bloomsbury Publishing, 2018.

INSTAGRAM. Segurança. [S. l.], 2020b. Disponível em: https://about.instagram.com/community/safety. Acesso em: 18 jun. 2020.

INSTAGRAM. Sobre nós. [S. l.], 2020a Disponível em: https://about.instagram.com/about-us. Acesso em: 18 jun. 2020.

JACCOUD, M.; MAYER, R. A observação direta e a pesquisa qualitativa. In: POUPART,

Jean et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis:

Vozes, 2008. p. 215-253.

JAY, Martin. Scopic Regimes of Modernity. In: FOSTER, Hal. Vision and visuality. Seattle: Bay Press, 1988. p. 3-28.

JOSÉ Luiz Fiorin. [S. l. : s. n.], 2020. 1 vídeo (106 min.). Publicado pelo canal Abralin. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=GEoK4J61kOA. Acesso em: 3 jun. 2020.

MAINGUENEAU, D. Cenas da enunciação. São Paulo: Parábolas, 2008a.

MAINGUENEAU, D. Análise de textos de comunicação. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2008b.

MENESES, U. T. B. Fontes visuais, cultura visual, história visual. Balanço provisório, propostas cautelares. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 23, n. 45, p. 11-36, 2003.

MILLER, C. R. Genre as social action. Quarterly journal of speech, v. 70, n. 2, p. 151-167, 1984.

MIRZOEFF, N. O direito a olhar. ETD-Educação Temática Digital, v. 18, n. 4, p. 745-768, 2016.

ORLANDI, E. As formas do silêncio. Campinas: UNICAMP, 1992.

PALOMARES, D. Influencer é detonada por reclamar de protestos na Paulista: 'Soou infeliz'.

UOL. São Paulo. 1º jun. 2020. Disponível em: https://tvefamosos.uol.com.br/noticias/redacao/2020/06/01/influencer-e-detonada-por-reclamar-de-protestos-na-paulista-soou-infeliz.htm. Acesso em: 1º jun. 2020.

PETERMANN, J. Publicidade Bom Bril: o segredo do sucesso. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2006.

POSSENTI, S. Teoria do Discurso: um caso de múltiplas rupturas. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (org.) Introdução à linguística: fundamentos epistemológicos. São Paulo: Cortez, 2009. p. 353-392.

SILVA, T. Racismo algorítmico em plataformas digitais: microagressões e discriminação em código. In: SILVA, T. (org.). Comunidades, algoritmos e ativismos digitais: olhares afrodiaspóricos. São Paulo: LiteraRUA, 2020. p. 120-137.

SOUZA, T. C. C. Discurso e imagem: perspectivas de análise não verbal. C-legenda, n. 1, 1998.

SRNICEK, N. Platform capitalism. Cambridge: Polity Press, 2016.

VAN DIJCK, J.; POELL, T.; DE WAAL, M. The platform society: public values in a connective world. Oxford University Press, 2018.

VAN DOORN, N. Platform labor: on the gendered and racialized exploitation of low-income service work in the ‘on-demand’ economy. Information, Communication & Society, 2017.

ZUBOFF, S. The age of surveillance capitalism. New York: PublicAffairs, 2019.

Downloads

Publicado

31-12-2020

Como Citar

RODRIGUES DA COSTA, R.; RODRIGUES DA SILVA, N. O que cabe num retângulo: : cenografias de desempenho em imagens plataformizadas. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 23, 2020. DOI: 10.5216/ci.v23.65212. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/ci/article/view/65212. Acesso em: 26 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê Cinema, Mídia e Tecnologia – narrativas e linguagens nas paisagens