Game of fandoms:

Social TV e afetividade nas mídias sociais

Autores

  • Mateus Vilela Centro Universitário SATC, Criciúma, Santa Catarina, Brasil, mateusdvilela@gmail.com

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v24.62548

Resumo

O comportamento, e a etimologia, envolvendo o fanatismo é percebido em muitas culturas e nas mais diversas, e longínquas, épocas. Ainda assim, foi pela cibercultura que as práticas dos fandoms foram ampliadas, sendo estendidas para as redes sociais na internet. Este contexto, aplicado aos seriados televisivos, proporcionou o surgimento da Social TV, que tem em Game of Thrones um expoente. Desta forma, para uma maior compreensão dos conceitos, este artigo propõe uma análise de conteúdo (BARDIN, 2009), a partir da afetividade, dos tweets e dos comentários realizados no Facebook em 2015 durante a exibição da quinta temporada do seriado em Brasil e em Portugal. Nesta investigação percebeu-se, através das porcentagens de 7.72%, em solo brasileiro e 12.23% em solo português, que a condição de fã surge como extensão de si, com o objeto de admiração sendo parte integral do eu. Ademais, a afetividade pode ser encontrada na motivação por trás da Social TV e na construção de laços entre fãs de Game of Thrones.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mateus Vilela, Centro Universitário SATC, Criciúma, Santa Catarina, Brasil, mateusdvilela@gmail.com

É doutor, e mestre, em Comunicação Social pela Pontíficia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), onde foi bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), tendo realizado doutorado sanduíche com a Universidade do Minho, em Braga, Portugal. É professor nos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda na Unisul - Tubarão. Atua como Coordenador de Produção e Editor chefe na Pocket Magazine. Membro do Grupo de Pesquisa "Televisão e Audiência (GPTV)". Autor do livro "Televisão Digital Brasileira: Um estudo sobre processos comunicativos e avanços tecnológicos".

Referências

AMARAL, A.; DUARTE, R. A Subcultura cosplay no Orkut: comunicação e sociabilidade online e off-line”. In: BORELLI, S.; FREIRE FILHO, J. Culturas juvenis no século XXI. São Paulo: Educ, 2008.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

BUILDING a New digital highway and a global living room: Marie-Jose Montpetit at TEDxSilkRoad. [S. l.]: TED, 2012. 1 vídeo (20 min. 35 s.). Publicado pelo canal TEDx SilkRoad. 2008. Online. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=fBb_5HxzdXg. Acesso em: 20 out. 2014.

CHORIANOPOULOS, K. Content-Enriched Communication: Supporting the Social Uses of TV. The Journal of The Communications Network, v. 6, p. 23–30, 2007.

DUCHENEAUT, N.; MOORE, R. J.; OEHLBERG, L.; THORNTON, J. D.; & NICKELL, E. Social TV: Designing for Distributed, Sociable Television Viewing. International Journal of Human-Computer Interaction, v. 24, p. 136–154, 2008.

EMMY Awards 2016: 'Game of thrones' quebra recorde de prêmios. G1, São Paulo, 18 set. 2016. Disponível em: http://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2016/09/emmy-awards-2016-game-thrones-quebra-recorde-de-premios.html. Acesso em: 21 jan. 2017.

FACEBOOK ainda reina, mas Instagram é cada vez mais conhecido dos portugueses. SAPO, [S. l.], 14 set. 2016. Disponível em: https://tek.sapo.pt/noticias/internet/artigos/facebook-ainda-reina-mas-instagram-e-cada-vez-mais-conhecido-dos-portugueses. Acesso em: 21 jan. 2017.

FISKE, J. Television culture: popular pleasures and politics. London: Routledge, 1997.

FISKE, J. The cultural economy of fandom. In: LEWIS, L. A. (org.) The adoring audience: fan culture and popular media. New York: Routledge, 1992. p. 30-49.

FREIRE FILHO, J. Reinvenções da resistência juvenil: os estudos culturais e as micropolíticas do cotidiano. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007.

GROSSBERG, L. Is there a fan in the house? The affective sensibility of fandom. In: LEWIS, L. A. (org.) The adoring audience: fan culture and popular media. New York: Routledge, 1992. 1992. pp. 50-65.

HARBOE, G. In Search of Social Television. In: DASGUPTA, S. Social computing: concepts, methodologies, tools, and applications. Washington: IGI Global, 2009.

HILLS, M. Fan cultures. London: Routledge, 2002.

HOLMES, R. The future of social media? Forget about The U.S., look to Brazil. Forbes, [S. l.], 2013. Disponível em: http://www.forbes.com/sites/ciocentral/2013/09/12/the-future-of-social-media-forget-about-the-u-s-look-to-brazil/. Acesso em: 9 ago. 2014.

JANOTTI JR, J. Gêneros musicais, performance, afeto e ritmo: uma proposta de análise midiática da música popular massiva. Contemporânea, v. 2, n. 2, p. 180-204, 2004.

JENKINS, H. Afterword: the future of fandom. In: GRAY, J.; SANDVOSS, C.; HARRINGTON, C. L. Fandom: identities and communities in a mediated world. New York: NYU Press, 2007. p. 357-364.

JENKINS, H. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2009.

JENKINS, H. Fans, bloggers, and gamers: exploring participatory culture. New York: NY University Press, 2006.

JENKINS, H. Invasores do texto: fãs e cultura participativa. Nova Iguaçu: Marsupial, 2015.

JENKINS, H.; GREEN, J.; FORD, S. Spreadable media. Creating value and meaning in a networked culture. New York: New York Press Books, 2013.

LEWIS, L. A. (Org.) The adoring audience: fan culture and popular media. New York: Routledge, 1992.

LOPES, M. I. V. de; GÓMEZ, G. O. Síntese comparativa dos países Obitel em 2012. In: LOPES, M. I. V. de; GÓMEZ, G. O. (org) Memória Social e ficção televisiva em países ibero-americanos: anuário Obitel 2013. Porto Alegre: Sulina, 2013. p. 17-22.

MAFFESOLI, M. O tempo das tribos - o declínio do individualismo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1998.

MAFFESOLI, M. O tempo retorna: formas elementares da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

MONTPETIT, M.; KLYM, N.; BLAIN, El. The future of mobile TV: when mobile TV meets the internet and social networking. In: MARCUS et al. Mobile TV customizing content and experience. London: Springer, 2010.

PERON, A. [Infográfico] Facebook Marketing – dados de 2016 da maior rede social do mundo. Allan Peron, [S. l], 31 maio 2016. Disponível em: Acesso em: 21 jan. 2017.

PROULX, M.; SHEPATIN, S. Social TV: how marketers can reach and engage audiences by connecting television to the web, social media, and mobile. New Jersey: John Wiley & Sons, 2012.

ROSA, I. 4,7 milhões de portugueses têm conta no Facebook. Observador, Lisboa, 2 out. 2015. Online. Disponível em: http://observador.pt/2015/10/02/47-milhoes-de-portugueses-tem-conta-no-facebook/. Acesso em: 21 jan. 2017.

ROSS, K.; NIGHTINGALE, V. Media and audiences: new perspectives. England: Open University, 2003.

SANDVOSS, C. Fans. The Mirror of Consumption. Cambridge: Polity Press, 2005.

Downloads

Publicado

10-08-2021

Como Citar

VILELA, M. Game of fandoms: : Social TV e afetividade nas mídias sociais. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 24, 2021. DOI: 10.5216/ci.v24.62548. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/ci/article/view/62548. Acesso em: 19 out. 2021.