Goiânia Mil Grau: dialogismo, heterodiscurso e carnavalização nos memes de internet

  • Luiz Felipe Fernandes Neves Universidade Federal de Goiás
  • Ricardo Pavan Universidade Federal de Goiás
Palavras-chave: Meme, Dialogismo, Heterodiscurso, Carnavalização

Resumo

Este trabalho articula reflexões teóricas dos atuais estudos da Comunicação com categorias balizadoras do pensamento do russo Mikhail Bakhtin (2002, 2010, 2011, 2015, 2016). Para isso, é analisado um fenômeno contemporâneo típico da chamada cibercultura: os memes de internet, constituídos por mensagens bem-humoradas e de estética amadora que circulam em sites de redes sociais e comunidades virtuais. Procura-se evidenciar, nesse tipo de mensagem, a essência de conceitos como dialogismo, heterodiscurso e carnavalização. Como proposta de operacionalização teórico-metodológica, é apresentada a análise de um vídeo paródico publicado na página de humor Goiânia Mil Grau, que abriga elementos discursivos que atuam na construção de sentidos sobre o que é ser goiano e goianiense.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Felipe Fernandes Neves, Universidade Federal de Goiás
Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Goiás (PPGCOM/UFG), linha de pesquisa Mídia e Cultura.
Ricardo Pavan, Universidade Federal de Goiás
Doutor em Comunicação, docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Goiás (PPGCOM/UFG), linha de pesquisa Mídia e Cultura.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rebelais. 5 ed. Tradução de Y. F. Vieira. São Paulo: Annablume/Hucitec, 2002.

_______. Estética da criação verbal. 6. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

_______. Os gêneros do discurso. Organização, tradução, posfácio, notas e glossário de P. Bezerra; notas da edição russa de S. Botcharov. São Paulo: Editora 34, 2016.

_______. Para uma filosofia do ato responsável. Tradução aos cuidados de V. Miotello e C. A. Faraco. São Carlos: Pedro e João Editores, 2010.

_______. Teoria do romance I: a estilística. Tradução, prefácio, notas e glossário de P. Bezerra; organização da edição russa de S. Botcharov e Vadim Kójinov. São Paulo: Editora 34, 2015.

BEZERRA, Paulo. Prefácio. In: BAKHTIN, Mikhail. Teoria do romance I: a estilística. Tradução, prefácio, notas e glossário de P. Bezerra; organização da edição russa de S. Botcharov e Vadim Kójinov. São Paulo: Editora 34, 2015.

CHAGAS et al. A política dos memes e os memes da política: proposta metodológica de análise de conteúdo dos memes dos debates eleitorais de 2014. Intexto, Porto Alegre, n. 38, p. 173-196, jan./abr. 2017. Quadrimestral. Disponível em: <https://goo.gl/4dsmDK>. Acesso em: 13 ago. 2017.

DAWKINS, Richard. O gene egoísta. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

FIORIN, José Luiz. Interdiscursividade e intertextualidade. In: BRAIT, Beth (org.). Bakhtin: outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2006.

GEERTZ, Clifford A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GOIÂNIA MIL GRAU. Quem são esses cara? Breve história da Goiânia Mil Grau e suas pretensões. Disponível em: <http://goianiamilgrau.com.br/o-projeto-goiania-mil-grau/>. Acesso em: 27 jan. 2018.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. 2 ed. São Paulo: Aleph, 2009.

_______; FORD, Sam; GREEN, Joshua. Cultura da conexão: criando valor e significado por meio da mídia propagável. São Paulo: Aleph, 2014.

KNOBEL, Michele; LANKSHEAR, Colin. Online memes, affinities, and cultural production. A New Literacies Sampler, p. 199-227, jan. 2007. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/283968435_Online_memes_affinities_and_cultural_production>. Acesso em: 13 jul. 2017.

LEMOS, André. Cibercultura: tecnologia e vida social na cultura contemporânea. 6 ed. Porto Alegre: Sulina, 2013.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. 3 ed. São Paulo: Editora 34, 2010.

MACHADO, Irene. Gêneros discursivos. In: BRAIT, Beth (org.). Bakhtin: conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2005.

SALIBA, Elias Thomé. Raízes do riso: a representação humorística na história brasileira: da Belle Époque aos primeiros tempos do rádio. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

SHIFMAN, Limor. Memes in digital culture. Cambridge: MIT Press, 2014.

SOUSA, Mauro Wilton de. Recepção e comunicação: a busca do sujeito. In: ______ (org.). Sujeito: o lado oculto do receptor. São Paulo: Brasiliense, 1995.

SOUZA JÚNIOR, Jaime de. “#In Brazilian Portuguese”, memes e fenômenos: linguística e as sugestões para reconhecer e investigar eventos digitais. Encontro Virtual de Documentação em Software Livre e Congresso Internacional de Linguagem e Tecnologia Online, 2015. Anais... Disponível em: <https://goo.gl/Am4UcT>. Acesso em: 15 jan. 2018.

STRYKER, Cole. Epic win for anonymous: how 4chan’n army conquered the web. Nova York: The Overlook Press, 2011. Disponível em: <https://100vampirenovels.com/pdf-novels/epic-win-for-anonymous-by-stryker-cole-free>. Acesso em: 11 nov. 2017.

TOTH, Janderson; CHAGAS, Viktor. Monitorando memes em mídias sociais. In: SILVA, Tarcísio; STABILE, Max (orgs.). Monitoramento e pesquisa em mídias sociais: metodologias, aplicações e inovações. São Paulo: Uva Limão, 2016.

WARNIER, Jean-Pierre. A mundialização da cultura. Bauru: Edusc, 2003.

Publicado
06-12-2018
Como Citar
Neves, L., & Pavan, R. (2018). Goiânia Mil Grau: dialogismo, heterodiscurso e carnavalização nos memes de internet. Comunicação & Informação, 21(3), 150-165. https://doi.org/10.5216/ci.v21i3.53373
Seção
Artigos