Indignação e brio: o discurso sobre a improdutividade do trabalhador brasileiro na Folha de S. Paulo

  • Erike Luiz Vieira Feitosa Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e Instituto Federal do Paraná (IFPR).
  • Angela Maria Rubel Fanini Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)
Palavras-chave: Comunicação. Mídia.

Resumo

Este artigo consiste em uma análise dialógica do discurso (ADD) que se volta para a construção discursiva sobre a improdutividade do trabalhador brasileiro presente em editorial publicado pela Folha de S. Paulo no mês de abril de 2014. O texto “Brasil improdutivo” recupera enunciações da revista britânica The Economist – que, por sua vez, constrói discursivamente os brasileiros como “gloriosamente improdutivos”. Obliterando vozes dissonantes, o jornal defende as premissas macroeconômicas da ideologia neoliberal e se contrapõe a medidas heterodoxas (keynesianas) que até então eram sustentadas pelos governos petistas. Posicionando-se a favor do capital, a publicação brasileira não apenas assume, mas intensifica a crítica estrangeira, reforçando a utilização do estereótipo cultural, de longa duração, que remete à imagem do brasileiro ocioso. No que diz respeito às noções de produtividade e trabalho, a análise identifica uma compreensão ideologicamente orientada para a lógica da acumulação de riquezas para poucos à custa da exploração de muitos. Quando se diz, então, que o trabalhador brasileiro ou que o Brasil é improdutivo, faz-se alusão à ideia de que ambos (país e trabalhador) deveriam produzir mais, gerar mais lucro. Tal denúncia é importante, haja vista que esses enunciados não se restringem às páginas opinativas dos jornais, mas permanecem em circulação, influenciando ideologias cristalizadas e também práticas do cotidiano, interferindo na constituição de uma consciência de si dos brasileiros, bem como na imagem que os outros (o mundo) têm deles (de nós). 

Palavras-chave: Neoliberalismo e keynesianismo. Trabalhador brasileiro. Trabalhador improdutivo. Análise dialógica de discursos jornalísticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Erike Luiz Vieira Feitosa, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e Instituto Federal do Paraná (IFPR).
Jornalista do Instituto Federal do Paraná (IFPR), especialista em Comunicação Institucional; mestre em Tecnologia e doutorando em Tecnologia e Sociedade pela UTFPR.
Angela Maria Rubel Fanini, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Doutora em Teoria da Literatura e docente da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Programa de Pós-Graduação em Tecnologia e Sociedade (PPGTE), Linha de Pesquisa Tecnologia e Trabalho. Bolsista Produtividade em Pesquisa (PQ) do CNPq.  

Referências

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo Editorial, 1999.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS. Disponível em: <http://www.anj.org.br/maiores-jornais-do-brasil>. Acesso em: 16 jun. 2016

BRASIL, 1988. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm>. Acesso em: 21 out. 2015.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. 6. ed. Tradução: Paulo Bezerra. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011.

______________. Problemas da Poética de Dostoiévski. 5. ed. Revista. Tradu-ção: Paulo Bezerra. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 2013.

DIEESE. A Situação do trabalho no Brasil na primeira década dos anos 2000. Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. São Paulo: DIEESE, 2012. Disponível em: <http://www.dieese.org.br/livro/2012/livroSituacaoTrabalhoBrasil.pdf> Acesso em 21 out. 2015.

DURAND, J. P. La chaîne invisible: travailler aujourd’hui: flux tendu et servitude volontaire. Paris: Seuil, 2004.

FOLHA DE S. PAULO Editorial: Brasil improdutivo. Folha de S. Paulo, São Paulo, 22 abr. 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2014/04/1443520-editorial-brasil-improdutivo.shtml>. Acesso em: 06 mai. 2015.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 22.ed. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendi-mento. Rio de Janeiro, v. 29, p.1-129, 2008. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2008/brasilpnad2008.pdf> Acesso em 22 out. 2015.

LEE, Sangheon; DEIRDRE, McCann; MESSENGER, Jon C. Duração do Trabalho em Todo o Mundo: Tendências de jornadas de trabalho, legislação e políticas numa perspectiva global comparada. Secretaria Internacional de Trabalho. Brasília: OIT, 2009. Disponível em: <http://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---americas/---ro-lima/---ilo-brasilia/documents/publication/wcms_229714.pdf> Acesso em 21 out. 2015.

MARX, Karl. O capital. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975.

POCHMANN, Marcio. Qual desenvolvimento?: oportunidades e dificuldades do Brasil contemporâneo. 1. ed. São Paulo: Publisher Brasil, 2009.

THE ECONOMIST. The 50-year snooze. The Economist, São Paulo, 19 abr. 2014. Disponível em: <http://www.economist.com/news/americas/21600983-brazilian-workers-are-gloriously-unproductive-economy-grow-they-must-snap-out>. Acesso em: 18 set. 2014.

Publicado
06-12-2018
Como Citar
Feitosa, E., & Fanini, A. (2018). Indignação e brio: o discurso sobre a improdutividade do trabalhador brasileiro na Folha de S. Paulo. Comunicação & Informação, 21(3), 36-55. https://doi.org/10.5216/ci.v21i3.45353
Seção
Artigos