A produção do ódio em tempos de guerra: as (re)construções midiáticas da distribuição dos afetos

  • Luiz Alberto de Farias Universidade de São Paulo; Universidade Anhembi Morumbi
  • Bárbara Miano Universidade de São Paulo (USP)
Palavras-chave: Estudos midiáticos, Precariedade, Produção do ódio, Mídia de Guerra.

Resumo

O presente artigo busca evidenciar a (re) produção midiática do ódio em tempos de guerra, sobretudo, quando é utilizada para a regulação dos afetos e construção da desigualdade. O estudo justifica-se, pois é comum que os estudos da comunicação direcionem seus esforços mais às produções discursivas finais do que ao processo de construção da violência. Tal decurso parte do pressuposto que o fazer da desigualdade pela mídia esconde-se nas entrelinhas e, na maioria das vezes, reside mais no que é escondido do que no que é revelado, ou seja, está no abafamento e não na garantia de voz. Para tanto, faz-se necessária uma revisão bibliográfica de autores da antropologia, assim como Judith Butler, Maria Claudia Coelho, Veena entre outros. Por fim, admite-se também a necessidade de uma análise de dois discursos sobre a segunda guerra mundial, o primeiro proferido pelo ex-primeiro ministro britânico Winston Churchill e o segundo pelo ex-fuhrer Adolf Hitler. Elabora-se a consideração de que, embora desafiador, o estudo colabora com as pesquisas em comunicação a partir do momento em que volta o seu olhar para o processo de construção midiática das precariedades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Alberto de Farias, Universidade de São Paulo; Universidade Anhembi Morumbi
Doutor em Comunicação e Cultura pela Universidade de São Paulo. Mestre em Comunicação e Mercado pela Faculdade Casper Líbero. Professor PPGCOM-ECA-USP. Diretor Acadêmico Universidade Anhembi Morumbi.
Bárbara Miano, Universidade de São Paulo (USP)
Mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade de São Paulo

Referências

BUTLER, Judith. Quadros de guerra. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2015.

COELHO, Maria Claudia. Três mulheres no nazismo: Reflexões sobre as fontes do comportamento moral. In. Dilemas. Vol. 2. [S/l]:[S/ed] 2010.

DAS, Venna. Specificities: Official Narratives, Rumour, and the Social Production of Hate.. In. Social Identities. [S/L]:[S/ED]. 1998.

HITLER, A. In. Youtube.com. Disponível em < https://www.youtube.com/watch?v=BMYrtOx5vfc>, acesso em 15 de julho de 2015.

TORRES, A. Uma missa para um curumim degolado. In. Brasil.elpais.com. Disponível em < http://www.brasil.elpais.com/brasil/2016/01/07/politica/1452205331_717030.html>, acesso em 15 de janeiro de 2016.

TREVISAN, A. L. Estetização da política vs. Formação da opinião pública: uma aporia da razão comunicacional? Revista Educação, Porto Alegre, ano 30, n. 2, p. 2999-312, 2007.

VERRUMO, M. 6 discursos que marcaram a história. In. Super.abril.com.br Disponível em < http://super.abril.com.br/blogs/historia-sem-fim/6-discursos-que-marcaram-a-historia/>, acesso em 15 de janeiro de 2016.

Publicado
06-12-2018
Como Citar
Farias, L., & Miano, B. (2018). A produção do ódio em tempos de guerra: as (re)construções midiáticas da distribuição dos afetos. Comunicação & Informação, 21(3), 136-149. https://doi.org/10.5216/ci.v21i3.40554
Seção
Artigos