“Que queres de mim, mulher?”: A Virgem Maria no filme O Rei dos Reis como representação de um imaginário feminino conservador

Autores

  • Rodolpho Alexandre Santos Melo Bastos UNIMONTES
  • Amanda Muniz Oliveira UFSC
  • Paulo Souto Maior Júnior UFSC
  • Helen Ulhoa Pimentel UNIMONTES

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v19i2.36981

Palavras-chave:

Virgem Maria. Representações Sociais. Imaginários Sociais.

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo demonstrar que, embora ancorados nas figuras bíblicas tradicionais, a filmografia Cristã também faz remissão ao contexto histórico social na qual foi produzida. Partindo da análise do imaginário feminino católico, será demonstrado que, quando as representações de Maria são veiculadas no cinema, mais do que a figura bíblica em si, ali está representado o imaginário social da época na qual o filme se insere. Para tanto, foi selecionado o filme O Rei dos Reis, de 1961, que representa uma Maria extremamente conservadora, que além de seguir a tradição católica, reforça a resistência às mudanças sociais que ocorrem em seu tempo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodolpho Alexandre Santos Melo Bastos, UNIMONTES

Mestrando em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Estadual de Montes Claros – UNIMONTES. Pós-graduado em Filosofia pela UNIMONTES. Historiador pela UNIMONTES. Membro do Grupo de Estudos do Feminino e Masculino Medieval , da Universidade Federal de Santa Catarina– GEFEM/UFSC. Membro do Laboratório de Estudos de Gênero e História – LEGH/UFSC. Bolsista CAPES.

Amanda Muniz Oliveira, UFSC

Mestranda em Direito Programa de Pós-Graduação em Direito (PPGD) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Pós-graduanda em Direito Processual Civil pela Universidade Estácio de Sá. Pesquisadora do Núcleo de Estudos Conhecer Direito (NECODI). Membro do Laboratório de Pesquisa em História e Arte – Labharte/UFSC. Bolsista CAPES.

Paulo Souto Maior Júnior, UFSC

Historiador pela Universidade Federal de Campina Grande. Mestre em História pela Universidade Federal de Pernambuco. Doutorando em História pela Universidade Federal de Santa Catarina. Pesquisador do Laboratório de Estudos de Gênero em História (LEGH) da UFSC e bolsista do CNPq.

Helen Ulhoa Pimentel, UNIMONTES

Doutora em História pela Universidade de Brasília - UNB. Professora da Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES.

Referências

AREND, Silvia Maria Fávero. Paradoxos do Direito de Família no Brasil (Uma Análise à Luz da História Social da Família). IN: SOUZA, Ivone, M. C. Coelho (Org). Casamento: uma escuta além do judiciário. Florianópolis: VoxLegem, 2006.

BACZKO, Bronislaw. Imaginação Social. Lisboa: Imprensa Nacional, 1985.

BALÁZS, Béla. A Face das coisas. IN: XAVIER, Ismail. A Experiência do Cinema: antologia. Rio de Janeiro: Edições Graal: Embrafilmes, 1983.

BALDOCK, John. Mulheres na Bíblia - Atos Heróicos, Nascimentos Miraculosos, Confrontos, Rivalidades e Amor Verdadeiro. M.Books do Brasil Editora Ltda. São Paulo, 2009.

BÍBLIA DE JERUSALÉM. Evangelho de São João. São Paulo: Editora Paulus, 2004.

BLOCH, R. H. Misogênia Medieval e a invenção do Amor. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

CARDOSO, Ciro Flamarion. Psicologia e saber social. O uso, da noção de representações sociais desenvolvida na psicologia social: um recurso metodológico possível. 1(1), 40-52, 2012. Disponível em: < file:///C:/Users/Rodolfo/Desktop/3244-12417-2-PB.pdf> Acessado em: < 18/03/2015

CARDOSO, Ciro Flamarion. Uma opinião sobre as representações sociais. In: Representações - Contribuição a um debate transdisciplinar. Campinas: Papirus, 2000, 9-29.

DALARUM, Jacques. Olhares de Clérigos. In: DUBY, Georges; PERROT, Michelle.(org). História das mulheres: A Idade Média. Porto: edições afrontamento, 1990.

FARGETTE, Séverine. Eva Lilith e Pandora o mal da sedução. IN: Revista História viva: Duetto, n.12, São Paulo, 2006.

GÓES, Laércio Torres de. O mito cristão no cinema: "o verbo se fez luz e se projetou entre nós". Salvador: EDUFBA, 2003

HOBSBAWM, Eric J. Era dos Extremos: o breve século XX: 1914 -1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

KRAMER, Henrich e SPRENGER, James. O martelo das feiticeiras. Rio de janeiro: rosa dos tempos, 1997.

MACEDO, José Rivair. A Mulher na Idade Média. São Paulo: contexto, 2002.

MAFFESOLI, Michel. O imaginário é uma realidade. Revista Famecos, Porto Alegre, nº 15, agosto de 2001, p. 74 –81.

O Rei dos Reis. Produção de Samuel Bronstons, 1961 – Distribuição MGM/UA – Home Vídeo.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Em busca de uma outra história: imaginando o imaginário. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 15, nº 29, p. 9-27, 1995.

RAGO, Margareth. Ser mulher no século XXI: ou carta de alforria. In: VENTURINI, Gustavo. et al. A mulher brasileira nos espaços público e privado. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2004. p. 30-42.

SETARO, André. Prefácio. In: GÓES, Laércio Torres de. O mito cristão no cinema: "o verbo se fez luz e se projetou entre nós". Salvador: EDUFBA, 2003.

SWAIN, Tânia Navarro. De Deusa a Bruxa: Uma História de Silêncio. Brasília: Universidade de Brasília; FAEGETTE, Séverine. Eva, Lilith e Pandora o mal da sedução. IN: Revista História Viva: Duetto, n°12, São Paulo, 2006.

VÁDICO, Luiz. O épico Bíblico Hollywoodiano - O espetáculo como estética da salvação. Revista brasileira de estudos de cinema e audiovisual - rebecca - Dossiê. Ano 1, N° 2, 2012. Disponível em: < http://www.socine.org.br/rebeca/pdf/2_3.pdf> Acessado em 29 de out de 2014.

Downloads

Publicado

31-12-2016

Como Citar

BASTOS, R. A. S. M.; OLIVEIRA, A. M.; MAIOR JÚNIOR, P. S.; PIMENTEL, H. U. “Que queres de mim, mulher?”: A Virgem Maria no filme O Rei dos Reis como representação de um imaginário feminino conservador. Comunicação &amp; Informação, Goiânia, Goiás, v. 19, n. 2, 2016. DOI: 10.5216/ci.v19i2.36981. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/ci/article/view/36981. Acesso em: 5 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos