O mercado de bens simbólicos: a viabilidade política e midiática do Templo de Salomão junto aos stakeholders

Autores

  • Roberto Bazanini Universidade Paulista - UNIP
  • Jorge Miklos Universidade Paulista - UNIP/SP.
  • Homero Leoni Bazanini Universidade Paulista - UNIP/SP.
  • Gracy Giradelli Universidade Paulista - UNIP/SP.

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v19i2.36951

Palavras-chave:

Mercado de bens simbólicos. Megatemplos. Stakeholders.

Resumo

No mercado de bens simbólicos, os diferentes grupos de stakeholders constituem elementos representativos na comercialização de produtos e serviços religiosos, ambiente no qual, em termos mercadológicos, contemporaneamente, os megatemplos representam a praça por excelência desse empreendimento. Por intermédio de pesquisa exploratória, de natureza qualitativa, o objetivo da pesquisa está em analisar a importância do Templo de Salomão, megatemplo da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), inaugurado em 31 de julho de 2014, como empresa inserida no concorrencial de bens e serviços religiosos para o alcance de vantagem competitiva. Os resultados da pesquisa apontam que a criação de megatemplos pode ser concebida uma situação real de mercado competitivo capaz de influenciar as estruturas das organizações religiosas pela visibilidade política e midiática que proporciona. A contribuição da pesquisa está em discutir a pertinência da aplicabilidade da teoria dos stakeholders no mercado de bens simbólicos da religião por permitir estudar a criação dos megatemplos como estratégia de marketing a partir da perspectiva dos relacionamentos com outros atores situados no mesmo campo social e estabelecer relações entre a lógica capitalista e a doutrina religiosa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto Bazanini, Universidade Paulista - UNIP

Bacharel em Administração de Empresas, Filosofia e Pedagogia. Mestre em Comunicação Social e Doutor em Comunicação e Semiótica PUC/SP. Professor titular do Programa de Mestrado em Administração de Empresas da Universidade Paulista - UNIP/SP.

Jorge Miklos, Universidade Paulista - UNIP/SP.

Mestre em Ciência da Religião. Doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP. Professor titular do Programa de Mestrado e Doutorado em Comunicação Social a Universidade Paulista - UNIP/SP.

Homero Leoni Bazanini, Universidade Paulista - UNIP/SP.

Jornalista, psicologo. Doutorando em Comunicação Social pela a Universidade Paulista - UNIP/SP.

Gracy Giradelli, Universidade Paulista - UNIP/SP.

Graduanda do Curso de Administração de Empresas da a Universidade Paulista - UNIP/SP, campus Tatuapé.

Referências

AMIGO, R. New Religious Spaces in the Megacity: The Igreja Universal do Reino de Deus and its Temple of Solomon in São Paulo, Brazil. Zeitschrift für junge Religionswissenschaft 9:5-21, 2014.

BAZANINI, R. Globo e Universal - tudo a ver: A disputa mercadológica pelo controle do imaginário popular ofensiva e contraofensiva retórica, Universidade Católica (tese de doutoramento em comunicação e semiótica), São Paulo: 1998.

__________. O ensino de filosofia como um processo existencial humano. O Método Bazanini no ensino de filosofia. Filosofia aplicada à administração. São Paulo: Plêiade, 2005.

BERGER, P.; LUCKMANN, T. Modernidade, Pluralismo e Crise de Sentido. Petrópolis: Editora Vozes, 2004.

BIARD, J. The good and bad religion lite. http://www.smh.com.au/news/opinion/the-good-and-bad-of-religionlite/2006/02/22/1140563858123.html. Acesso em 12/07/2015

BOURDIEU, P; MICELI, S. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1987.

DA SILVA MOREIRA, Alberto. A religião sob o domínio da estética. Horizonte, v. 13, n. 37, p. 379-405, 2015.

DONALDSON, T.; PRESTON, L. The stakeholders theory of the corporation: concepts, evidence and implications. Academy of Management Review ,Mississipi State,v.20, jan.1995.

D’ORAZIO, E. (Org.). New perspectives on the stakeholder view of the firm and global corporate citizenship. Notizie di Politeia, v. 22, n. 82, 2006.

FREEMAN, R. E. HARRISON, J. S.; WICKS, A. C. Managing for stakeholders: Survival, reputation, and success. Yale University Press, 2007.

FREEMAN, R. E.; REED, D. L. Stockholders e stakeholders: A new perspective on corporate governance. California Management Review, v. 25, n. 3, p. 88-106, 1983.

FREEMAN, R. E.; WICKS, A.; PARMAR, B.; MCVEA, J. Stakeholder Theory: The State of the Art and Future Perspectives. In: D’ORAZIO, E. (Org.). Business ethics and corporate social responsibility in a global economy. Notizie di Politeia, v. 20, n. 74, 2004. p. 9-22.

FROOMAN, J. The issue network: Reshaping the stakeholder model. Canadian Journal of Administrative Sciences/Revue Canadienne des Sciences de l'Administration, v. 27, n. 2, p. 161-173, 2010.

DE OLIVEIRA, D. de PR. Sistemas, organização e métodos: uma abordagem gerencial. São Paulo, Atlas, 2002.

GOMES, W. Estratégia retórica e ética da argumentação na propaganda política. Brasil: Comunicação, Cultura e Política. Rio de Janeiro, Diadorim, p. 117-133, 1994.

JADON, J.C. Sucesso e salvação-estudo semiótico comparativo entre os discursos televisivos das Igrejas Universal do Reino de Deus e Católica Apostólica Romana no Brasil. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, 2009.

MAGALDI, W. Dinheiro, Saúde e Sagrado. Eleva Cultural, 2. ed., 2009.

MARIANO, R. Neopentecostais: sociologia do novo pentecostalismo no Brasil. São Paulo, Loyola, 1999.

McCARTHY, J. Basic Marketing and management approach, 5 th Richard D. Irwin, Homewood, 1998.

MIKLOS, J. Ciber-religião: a construção de vínculos religiosos na cibercultura. São Paulo: Ideias e Letras, 2012.

MILLER, K. D. Competitive strategies of religious organizations. Strategic Management Journal, v, 23, n. 5, p. 435- 456, 2002.

MITCHELL, K;, AGLE, R.; WOOD, D. J. Toward a theory of stakeholder identification and salience. Defining the principle of Who and what really counts. Academy of management review, v. 22, n4, p. 853-886, 1997.

PHILLIPS, R. A. Stakeholder theory and a principle of fairness. Business Ethics Quarterly, v. 7, n. 1, p. 51-66, 2007.

RONCARI, L. No princípio era a imagem. Tempo e Presença, n. 194, p. 25-42, Outubro/Novembro de 1.994.

SMITH, D. A.; CAMPOS, L S. Concentrations of Faith: Mega Churches in Brazil. A Moving Faith: Mega Churches Go South, p. 169, 2014.

SOUZA, B. (2014, 25/07)) 20 coisas surpreendentes sobre o templo da Igreja Universal. Exame.com. Disponível em http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/20-coisas-sobre-o-enorme-novo-templo-da-igreja-universal. Acesso em 12/07/2015.

THROUP, M.O. O Templo de Salomão em São Paulo? Sobre a ressignificação de símbolos veterotestamentários no movimento neopentecostal o DOI: http://dx. doi. org/10.15603/2176-3828/caminhando. v16n1p115-123. Caminhando (online), v. 16, n. 1, p. 115-123, 2011.

Downloads

Publicado

31-12-2016

Como Citar

BAZANINI, R.; MIKLOS, J.; BAZANINI, H. L.; GIRADELLI, G. O mercado de bens simbólicos: a viabilidade política e midiática do Templo de Salomão junto aos stakeholders. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 19, n. 2, 2016. DOI: 10.5216/ci.v19i2.36951. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/ci/article/view/36951. Acesso em: 5 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos