Edições anteriores

  • Boletim Goiano de Geografia
    v. 40 n. 01 (2020)

    Ô Josué, eu nunca vi tamanha desgraça. Quanto mais miséria tem, mais urubu ameaça. O refrão, repetido na letra da música Da lama Ao caos, une Francisco de Assis França e Josué Apolônio de Castro. A homenagem, que acompanhará, nesse ano, as publicações do Boletim Goiano de Geografia, não poderia ser mais pertinente. Momento em que o espectro da fome e da pobreza volta a povoar o território nacional. Momento em que a arte, intimidada, demonstra sua incontrolável resistência. A potência política é tão comum na ciência de Josué de Castro quanto na arte de Chico Science. A potência científica e artística, como a lama do Capibaribe, encontra-se em plena transformação. Fértil. Doce. Incontrolável. Salgada. Explosão. Franzina. Severina...

  • v. 39 (2019)

    Boletim Goiano de Geografia adota, a partir de 2019, o modelo de publicação em fluxo contínuo. Este modelo objetiva, além de agilizar os processos editoriais, garantir o menor tempo possível entre a aprovação e a publicação do artigo. A cada ano, como componente do projeto gráfico, apresentaremos uma imagem que traduza as consequências sociais, ambientais e econômicas do nosso modelo de desenvolvimento. O rompimento da Barragem de Brumadinho, no final de janeiro de 2019, traduz, didaticamente, essas consequências e, ao mesmo tempo, nos faz pensar sobre a necessidade da pesquisa comprometida com o desenvolvimento social. 

  • mai/ago, 2018
    v. 38 n. 2 (2018)
  • jan/abr, 2018
    v. 38 n. 1 (2018)
1-5 de 63