O impasse do campesinato: a agricultura de sitiantes de bairros rurais em Limeira, São Paulo

The peasantry impasse: the sitiantes agriculture of rural neighborhoods in Limeira, São Paulo

Autores

  • Tiago Evandro Pinto Universidade de São Paulo
  • Sandra Francisca Bezerra Gemma Universidade Estadual de Campinas
  • Eduardo Marandola Jr. Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.5216/bgg.v41.62839

Resumo

No Brasil, a partir da década de 1960, a agricultura sofreu significativas mudanças na esfera técnica pela adoção do modelo produtivo da modernização e na dimensão econômica a partir da consolidação das agroindústrias. Estas transformações tiveram impacto na agricultura camponesa. Este texto discute a organização social camponesa e apresenta uma análise das alterações referentes ao trabalho camponês e à agricultura, notadamente de sitiantes dos bairros rurais Córrego Bonito Delgado e Frades em Limeira, estado de São Paulo. Bairros rurais compreendem territorializações camponesas, e, em grande medida, são constituídos por famílias de estreitos laços sociais que conservam uma vida partilhada. A memória foi concebida como forma social elaborada por estes sujeitos, e, assim, partimos da história oral como metodologia. Desse modo, constatou-se que as transformações técnicas gradativamente absorvidas como a mecanização e o uso de agroquímicos como insumos e agrotóxicos impactaram o trabalho na terra, a produtividade e a saúde. Ainda, desencadearam-se processos de subordinação da produção destes sitiantes às agroindústrias do algodão, do suco de laranja e canavieira, respectivamente. Estas mutações colocaram o modo de vida destes sitiantes em questão, impulsionando-os a articularem formas de recriação e permanência via política pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tiago Evandro Pinto, Universidade de São Paulo

Licenciado (2015) e bacharel (2016) em geografia pelo Instituto de Geociências e Ciências Exatas - IGCE, da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", campus de Rio Claro - SP. Mestre (2019) em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas pela Faculdade de Ciências Aplicadas - FCA, da Universidade Estadual de Campinas, campus de Limeira - SP. Doutorando em geografia humana pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - FFLCH, da Universidade de São Paulo. Professor de geografia na Prefeitura Municipal de Cosmópolis - SP. 

Sandra Francisca Bezerra Gemma, Universidade Estadual de Campinas

Especialista em Ergonomia pela Engenharia de Produção da Escola Politécnica da USP (2001), com Doutorado (2008) e Mestrado (2004) em Engenharia Agrícola na temática de Ergonomia pela Universidade Estadual de Campinas. Professora Doutora (MS3.2) da Faculdade de Ciências Aplicadas, UNICAMP-Limeira, na área de engenharia em Ergonomia, Saúde e Trabalho. É professora plena do ICHSA - Curso de Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas da FCA-UNICAMP. 

Eduardo Marandola Jr. , Universidade Estadual de Campinas

Geógrafo (2002-3), Doutor em Geografia (2008) e Livre Docente em Sociedade e Ambiente (2016). Professor da Faculdade e Ciências Aplicadas da Universidade Estadual de Campinas. Professor dos Programas de Pós-Graduação em Geografia (IG/Unicamp) e Interdisciplinar em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas (FCA/Unicamp).

Publicado

21-06-2021

Como Citar

Pinto, T. E., Gemma, S. F. B., & Marandola Jr. , E. (2021). O impasse do campesinato: a agricultura de sitiantes de bairros rurais em Limeira, São Paulo: The peasantry impasse: the sitiantes agriculture of rural neighborhoods in Limeira, São Paulo. Boletim Goiano De Geografia, 41(1). https://doi.org/10.5216/bgg.v41.62839