Medo, violência e fragmentação socioespacial na Região Metropolitana de Fortaleza

Autores

  • Fabiano Lucas Freitas Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil.
  • Maria Clelia Lustosa Costa Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-5066-4209

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v15i1.66641

Resumo

Este artigo objetiva analisar os impactos dos conjuntos residenciais murados e protegidos com aparatos de segurança no tecido socioespacial em três níveis analíticos: fragmentação físico-espacial, fragmentação social e fragmentação sócio-territorial, identificando ainda setores de grande concentração de enclaves residenciais na Região Metropolitana de Fortaleza-RMF. Quanto aos procedimentos metodológicos, foram definidas as categorias, os diferentes níveis de análise, as escalas (temporal e geográfica), os tipos de impactos (variáveis e representação) e levantamento de dados secundários. Destaca-se ainda a mudança do modelo de segregação centro-periferia em direção ao padrão de fragmentação socioespacial que vem se desenvolvendo, no presente momento, em trechos dos municípios de Eusébio e Aquiraz e no setor sudeste ou zonas específicas na cidade de Fortaleza. Os resultados mostram que a imposição de barreiras físicas e o redirecionamento de parte das práticas socioespaciais das elites para o interior dos perímetros murados dos enclaves fortificados fragmentam o tecido urbano na escala intraurbana e metropolitana.

Palavras-chave: Fragmentação. Insegurança Urbana. Enclaves Residenciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2021-10-22

Como Citar

FREITAS , F. L. da S. .; COSTA, M. C. L. Medo, violência e fragmentação socioespacial na Região Metropolitana de Fortaleza. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 15, n. 2, p. 27–49, 2021. DOI: 10.5216/ag.v15i1.66641. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/atelie/article/view/66641. Acesso em: 17 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos