Bacias hidrográficas urbanas: O reflexo da precarização do saneamento em Manaus, Amazonas – Brasil.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v15i2.64877

Resumo

Na cidade de Manaus, metrópole da Amazônia, graves problemas de saneamento básico, retratam a ineficiência política de gestão sobre a qualidade ambiental das águas urbanas. Neste sentido, a bacia hidrográfica do Gigante, selecionada para este estudo, constituiu a base de uma análise cartográfica e amostragem dessa problemática. Os resultados comprovam que entre 75,1% a 95% dos domicílios situados em locais próximos às nascentes dos rios, utiliza a fossa do tipo rudimentar para o esgotamento sanitário. O uso de poços para o abastecimento de água, em regiões adjacentes a cemitérios e aeroportos, atingiu 100%, gerando insegurança neste tipo de consumo. Sobre a coleta do lixo, enquanto nos domicílios situados à montante 100% do rejeito é recolhido, nos setores próximos à foz, a coleta é inexistente. O rendimento per capita de ½ até 1 salário, distribui-se espacialmente por toda a área da bacia, denotando sérias desigualdades socioeconômicas. Os problemas ambientais relacionados às questões de saneamento básico transformam-se em riscos à saúde da população que reside nos setores delimitados pela bacia.

Palavras-chave: Hidrografia, Manaus, Saneamento Básico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

22-10-2021

Como Citar

Carmo Filho, O. J. S. do, Rebelo da Cunha Albuquerque, A., & Claudio Campos Oliveira, J. (2021). Bacias hidrográficas urbanas: O reflexo da precarização do saneamento em Manaus, Amazonas – Brasil. Ateliê Geográfico, 15(2), 70–93. https://doi.org/10.5216/ag.v15i2.64877

Edição

Seção

Artigos