Pressões para o uso de bens comuns urbanos nas áreas metropolitanas. Caso do pantanal Boca Maule no Chile.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v14i3.60518

Resumo

Existem dinâmicas urbanas favorecidas por um modelo de desenvolvimento urbano centrado no mercado, que nas últimas décadas pressionou os ecossistemas naturais das áreas metropolitanas do Chile, degradando esses bens comuns urbanos e gerando conflitos ambientais. Estudamos o caso da bacia do estuário de Boca Maule, ao sul da Área Metropolitana de Concepción (AMC), cidade de Coronel, que acelerou os padrões de urbanização a partir da década de 1990. Essa bacia abriga um pântano de alto interesse ecológico , tanto por sua extensão, biodiversidade quanto por sua fragilidade ambiental. Aqui, avaliamos as mudanças na cobertura do solo entre 2001 e 2016, através da classificação supervisionada de imagens de satélite. Podemos ver a redução da superfície do pantanal, que foi substituída por infraestrutura residencial, industrial e rodoviária, além de plantações exóticas. Esses processos desencadeiam uma concorrência agressiva ao longo do tempo pelos usos entre duas coberturas que produzem um efeito de recinto um para o outro: terras úmidas-urbanas e terras úmidas-florestas.

Palavras chave: cobertura do solo; zonas húmidas; bens comuns urbanos; expansão urbana; Chile

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2020-12-20

Como Citar

JAQUE CASTILLO, E.; OJEDA - LEAL, C.; ALMENDRA, D. Pressões para o uso de bens comuns urbanos nas áreas metropolitanas. Caso do pantanal Boca Maule no Chile. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 14, n. 3, p. 74–99, 2020. DOI: 10.5216/ag.v14i3.60518. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/atelie/article/view/60518. Acesso em: 28 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos