Ruralidades e urbanidades: tempos e espaços na vida cotidiana dos "bóias-frias" – Goianésia, Goiás - DOI 10.5216/ag.v5i2.15501

  • Glauber Lopes Xavier UEG

Resumo

Permeado por ruralidades e urbanidades, o cotidiano dos "bóias-frias" é bastante revelador a quem se propõe investigá-lo. Temporalmente, é marcado pelo tempo linear, mas também pelo tempo cíclico que remete à processos sociais agrários de outrora. Espacialmente, é centrado no limiar entre o campo e a cidade. Tal apreensão foi objetivada por este trabalho, possível apenas partindo da premissa de que o espaço possui três instâncias, a saber, social, física e mental. Desta sorte, valemo-nos do fecundo pensamento de Henri Lefebvre, o qual transpõe os limites disciplinares. A isto se deve o fato de que, neste artigo, vários campos do saber foram explorados, como a sociologia, a antropologia e a geografia. Ademais, os esforços recaíram, também, sobre as relações de trabalho no campo, geralmente marcadas pela superexploração dos trabalhadores temporários, comumente chamados de "bóias-frias", da atividade canavieira. O artigo encontra-se fragmentado em dois momentos. No primeiro, tratamos de tempos e espaços no cotidiano dos "bóias-frias". No momento seguinte, as discussões são direcionadas na apreensão das ruralidades e urbanidades a partir de uma antropologia dialética dos "bóias-frias".

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
26-08-2011
Como Citar
Xavier, G. (2011). Ruralidades e urbanidades: tempos e espaços na vida cotidiana dos "bóias-frias" – Goianésia, Goiás - DOI 10.5216/ag.v5i2.15501. Ateliê Geográfico, 5(2), 24-46. https://doi.org/10.5216/ag.v5i2.15501
Seção
Artigos