Contributos para análise e avaliação de filmes etnográficos

  • José da Silva Ribeiro Pesquisador do Centro de Estudos das Migrações e das Relações Interculturais (CEMRI) da Universidade Aberta Universidade Federal de Goiás
Palavras-chave: Filme etnográfico, Documentário, Análise de filmes, Avaliação, Integração no trabalho acadêmico

Resumo

Várias associações científicas nacionais e internacionais e antropólogos cineastas abordaram questões relacionadas com a análise de filmes etnográficos, sua avaliação e integração no trabalho acadêmico. Destes, destacamos a Sociedade Francesa de Antropologia Visual, a American Anthropological Association e os antropólogos Bob White, Colette Piault e David MacDougall, todos cineastas e professores de antropologia visual / filme etnográfico. Tendo feito durante algumas décadas pesquisa em antropologia visual e tendo sido convidado a falar sobre a integração de filmes etnográficos em trabalhos acadêmicos e sobre a revisão e avaliação de filmes em festivais de cinema e de filmes etnográficos, é meu dever contribuir para a sistematização de informações e para o pensamento dessas questões. É este o objetivo deste trabalho.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José da Silva Ribeiro, Pesquisador do Centro de Estudos das Migrações e das Relações Interculturais (CEMRI) da Universidade Aberta Universidade Federal de Goiás

Doutor em Ciências Sociais (Antropologia) e Mestre em Comunicação Educacional Multimedia pela Universidade Aberta. Licenciado em Filosofia pela Universidade do Porto. Fez Estudos Superiores em Cinema e Vídeo na Escola Superior Artística do Porto. Pesquisador do Centro de Estudos das Migrações e das Relações Interculturais (CEMRI) da Universidade Aberta, onde é responsável pelo Laboratório de Antropologia Visual/Media e mediações culturais, do Grupo de Estudos de Cinema e Narrativas Digitais e da linha de pesquisa Cultura Visual e Educação – Faculdade de Artes Visuais, Universidade Federal de Goiás. Realiza trabalho de campo em Cabo Verde e nas periferias urbanas de Lisboa e Porto, no Brasil, em Cuba e na Argentina. Coorganizador da Conferência Internacional de Cinema de Viana do Castelo; participante e membro fundador e coordenador da Rede de cooperação internacional em educação, artes e humanidades.

Referências

AAA. Guidelines for the Evaluation of Ethnographic Visual

Media. Disponível em:

org/about/aaa-guidelines-evaluation-ethnographic-

-visual-media/>. Acesso em: 07 ago. 2018.

ALMEIDA, S V; LEITE I. B. Antropologia, etnografia e práticas

artísticas, Cadernos de Arte e Antropologia [Online], v. 2, n.

, 2013. Disponível em: <http://journals.openedition.org/

cadernosaa/486>. Acesso em: 01 mar. 2018.

BERGALA, A. La hipótesis del Cine. Pequeño tratado sobre latransmisión del cine en la escuela y fuera de ella. Barcelona:

Laertes, 2007.

CARVALHO, Carlos Alberto de; LAGE, Leandro. Narrativa

como mediação fundamental da experiência dos acontecimentos:

a mise en intrigue midiática. Contemporânea.

Revista de comunicação e cultura, UFBA, v. 10, n. 1, jan./

abr. 2012.

MARCUS, G. E. O intercâmbio entre arte e antropologia: como

a pesquisa de campo em artes cênicas pode informar a reinvenção

da pesquisa de campo em antropologia, Revista de

Antropologia, São Paulo, USP, v. 47, n. 1. 2004. Disponível

em: <http://www.scielo.br/pdf/ra/v47n1/a04v47n1.pdf>.

Acesso em: 11 jul. 2018.

MATTOS, C. L. G.; CASTRO, P. A. (Org.). Etnografia e educação:

conceitos e usos. Campina Grande: EDUEPB, 2011.

Disponível em: <http://books.scielo.org/id/8fcfr/pdf/

mattos-9788578791902.pdf>. Acesso em: 01 mar. 2018.

NICHOLS, Bill. La Representatión de la Realidad. Barcelona:

Paidós, 1997.

OLIVEIRA, A. Etnografia e pesquisa educacional: por uma

descrição densa da educação em educação. Educação

Unisinos, São Leopoldo, v. 17, n. 3, p. 271-280, set./dez. 2013.

PENAFRIA M. et al. (Ed.). Propostas para a teoria do cinema

– Teoria dos cineastas. Covilhã: LABCON.IFP, 2016a. v 2.

Disponível em: <http://www.labcom-ifp.ubi.pt/ficheiros/

-201701_teoriacineastasii_mpenafria.

pdf>. Acesso em: 11 jul. 2018.

PENAFRIA M. et al. (Ed.). Ver, ouvir e ler os cineastas –

Teoria dos cineastas. Covilhã: LABCON.IFP, 2016b. v 1.

Disponível em: <http://www.labcom-ifp.ubi.pt/ficheiros/

-201624_teoriacineastas_mpenafria.pdf>.

Acesso em: 11 jul. 2018.

PIAULT, C. Initiation au cinéma ethnographique Grilles

d’analyse de films. Paris: SFAV – Société Francaise

d’antropologie Visuelle, 1996-1997.

RIBEIRO, J.; HORTA, A. P. B. Imagens e Sonoridades das

Migrações, Cadernos OI, Lisboa, n. 3, fev. 2010.

______. Imagens e Sonoridades das Migrações, Base de

Dados, Cadernos OI, Lisboa, n. 3, fev. 2010. Disponível em:

<https://www.om.acm.gov.pt/documents/58428/183128/

Caderno_OI3_.pdf/15c16724-e72d-461e-be2a-71fe1176fa7f>.

Acesso em: 07 ago. 2018.

RIBEIRO, J. S. Métodos e Técnicas de investigação em Antropologia.

Lisboa: Universidade Aberta, 2004.

RICOEUR, P. Tempo e narrativa: a intriga e a narrativa histórica.

São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010. Tomo 1.

______. Evénement et sens. Raisons pratiques, Paris n. 2, p.

-56, 1991.

MACHADO, Lia Zanotta et al. (Coord.). ROTEIRO DE CLASSIFICAÇÃO

DA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL. 2012. Disponível

em: <http://navi.ufam.edu.br/attachments/article/34/

Roteiro%20de%20Classifica%C3%A7%C3%A3o%20da%20

Produ%C3%A7%C3%A3o%20Audiovisual.%20(1).pdf>.

Acesso em: 07 ago. 2018.

VIGO, Jean, ZÉRO de conduite. Argui-Film,1933. https://

www.youtube.com/watch?v=YUkW1LBuQcg, Acesso em

de nov. 2018.

Publicado
19-12-2018
Como Citar
da Silva Ribeiro, J. (2018). Contributos para análise e avaliação de filmes etnográficos. Visualidades, 16(2). https://doi.org/10.5216/vis.v16i2.56393
Seção
Dossiê Cultura Visual 3