Apropriando-se de Johannes Vermeer: revisitando o século XVII

  • Cristina Susigam Universidade Federal de Goiás
Palavras-chave: Apropriação, Arte contemporânea, Johannes Vermeer

Resumo

Este artigo pretende discutir alguns procedimentos envolvidos no conceito de apropriação, relacionando-o com os vários diálogos que emergiram na cultura visual atual ao redor do pintor holandês Johannes Vermeer. A ideia de apropriação parte do princípio de que a cultura e, especificamente, as imagens produzidas ao longo dos séculos nas artes plásticas nos pertencem e constroem constantemente nossa imaginação. Ao invés de negar o passado para afirmar uma suposta originalidade, o artista contemporâneo não receia em recriar a partir de obras já existentes, criando assim um diálogo entre o passado e o presente. Iremos refletir qual o significado atribuído a este artista atualmente.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristina Susigam, Universidade Federal de Goiás

Doutora em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Foi Bolsista Capes. Mestre em Estudos Americanos pela Universidade Aberta de Portugal. Exerceu a docência no ensino superior no Instituto Politécnico do Porto, Portugal, na área dos estudos visuais. Em suas pesquisas, dedica-se à apropriação nas artes, história, teoria e crítica de arte e relação inter-artes. Tem ministrado cursos livres na área de artes visuais e linguagem audiovisual. Pesquisadora independente sem vínculo.

Referências

ALPERS, Svetlana. A arte de descrever: a arte holandesa no

século XVII. Tradução Antonio de Pádua Danesi. São Paulo:

Edusp, 1998.

AGAMBEN, Giorgio. Aby Warburg e a ciência sem nome.

Arte&Ensaios, Rio de Janeiro, n. 19, p. 132-143, jan. 2010.

[Dossiê Warburg].

BAL, Mieke. Fragments of matter – Jeannette Christensen.

Bergen: Kunsthogskolen i Bergen, 2009.

______. Quoting Caravaggio. Chicago; Londres: The

University of Chicago Press, 1999.

BAXANDALL, Michael. Padrões de intenções. A explicação

histórica dos quadros. Tradução Vera Maria Pereira. São

Paulo: Companhia das Letras, 2006.

BLADE Runner, o caçador de andróides. Direção: Ridley

Scott. Los Angeles: Warner Bross, 1982. 1 DVD (117 min),

widescreen, color.

BURKE, Peter. Testemunha ocular. O uso de imagens

como evidência histórica. Tradução Vera Maria Xavier dos

Santos. São Paulo: Editora Unesp, 2017.

CHEVALIER, Tracy. Moça com brinco de Pérola. Lisboa:

Temas e Debates, 2004.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Diante do tempo. História

da Arte e anacronismo das imagens. Tradução de Vera Cruz

Nova e Márcia Arbex. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2016.

_________. A imagem sobrevivente. História da arte e

tempos dos fantasmas segundo Aby Warburg. Tradução Vera

Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013.

HERNÁNDEZ, Fernando. De qué hablamos cuando

hablamos de Cultura Visual? Revista Educação e Realidade, v.

, n. 2, jul./dez. 2005. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/

educacaoerealidade/article/view/12413>. Acesso em: 29 dez.

HOWELL, Brian. The dance of geometry. Nova Iorque:

Toby Press Ltd, 2002.

MONTIAS, John Michael. Vermeer and his millieu: A web

social history. Princeton: Princeton University Press, 1998.

SALGUEIRO, Heliana Angotti. Introdução. In: BAXANDALL,

Michael. Padrões de Intenções. A explicação histórica

dos quadros. Tradução Vera Maria Pereira. São Paulo: Companhia

das Letras, 2005.

SCHNEIDER, Robert. Vermeer. Lisboa: Taschen-Público,

SHOUP, Barbara. Vermeer’s Daughter. Zionsville: Guild

Press Emmis Publishing, LP, 2003.

SWILLENS, P. T. A. Johannes Vermeer, painter of Delft

–1675. Utrecht: Spectrum, 1950.

VREELAND, Susan. Girl in Hyacinth Blue. Denver:

MacMurray & Beck, 2002.

WEBER, Katharine. A Lição de Música. Lisboa: Temas e

Debates, 2000.

WHEELOCK JUNIOR, Arthur K. Johannes Vermeer.

Washington; Haia; New Haven; Londres: National Gallery of

Art; Royal Cabinet of Paintings Mauritshuis; Yale University

Press, 1995 [catálogo].

Publicado
19-12-2018
Como Citar
Susigam, C. (2018). Apropriando-se de Johannes Vermeer: revisitando o século XVII. Visualidades, 16(2). https://doi.org/10.5216/vis.v16i2.56391
Seção
Dossiê Cultura Visual 3