Testemunhar por imagens: oralidade, memória social e a produção do audiovisual na pesquisa histórica

  • Claudia Moraes de Souza Universidade Federal de São Paulo
  • José da Silva Ribeiro
Palavras-chave: História oral, História audiovisual, Memória social, Etnografia audiovisual

Resumo

Este artigo trata da relação entre a história e o audiovisual na pesquisa, explorando a experiência da história oral, a produção da entrevista em audiovisual e a produção do documentário a partir do registro audiovisual. Nas reflexões teóricas sobre o papel epistemológico da oralidade na história, defende-se a ideia de que, na produção da narrativa histórica é possível incorporar o audiovisual como ferramenta de registro da memória social e como fonte de produção da narrativa historiográfica. O objetivo do artigo é o de refletir sobre a relação entre história oral, o audiovisual e a produção da narrativa historiográfica em audiovisual, a partir do momento em que o historiador introduz a câmera digital na pesquisa de campo, o que o torna um produtor de um novo tipo de fonte histórica, um verdadeiro caderno de campo audiovisual, que registra situações com detalhes, gestos, lágrimas, sorrisos, tensão, emoções, fazendo surgir novos caminhos e possibilidades para a narrativa histórica: uma história visual ou audiovisual, a narrativa historiográfica em audiovisual, um verdadeiro campo de novidades desafiando o velho e acomodado narrador de Clio.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudia Moraes de Souza, Universidade Federal de São Paulo

Professora Doutora Adjunta da UNIFESP/ Universidade Federal de São Paulo. Professora da Pós-Graduação Interdisciplinar Humanidades, Direitos e outras Legitimidades da Universidade de São Paulo. Desde 2012, Pesquisadora-membro Diversitas-Núcleo de Estudos das Diversidades, Intolerâncias e Conflitos da USP. Coordenadora do grupo de pesquisa CNPq e Laboratório de Pesquisa – LEIA – laboratório de estudos interdisciplinares e analises sociais da UNIFESP. Bacharel e Licenciada em História pela USP em 1991. Mestre e Doutora em História Social pela Universidade de São Paulo, em 1999/ 2007 respectivamente. Autora dos livros Movimentos Sociais no Brasil Contemporâneo, Pelas Ondas do Rádio: Camponeses, Cultura Popular e o rádio nos anos de 1960 e Todo Direito é Humano. Tem experiência em pesquisa em temas que se interseccionam com os Estudos Culturais e com o debate das relações Estado e Sociedade Civil no Brasil, com foco na interação entre atores sociais e instituições políticas abrangendo a temática dos movimentos sociais, direitos humanos, resistências culturais e políticas, participação popular, conselhos participativos e formação política.

José da Silva Ribeiro

É licenciado (graduado) em Filosofia pela Universidade do Porto (1976), bacharel em Cine Vídeo pela Escola Superior Artística do Porto (1989), mestre em Comunicação Educacional Multimedia pela Universidade Aberta de Portugal (1993) e doutor em Ciências Sociais – Antropologia pela Universidade Aberta de Portugal (1998). Foi professor da Universidade Aberta de Portugal. Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase em Antropologia Visual, atuando principalmente nos seguintes temas: antropologia visual, antropologia digital, cinema, métodos de investigação em antropologia, interculturalidade e cultura afro-atlântica. Tem realizado trabalho de campo em Portugal, Cabo Verde, Brasil, Argentina e Cuba. Coordena a Rede Internacional de Cooperação Científica Imagens da Cultura/ Cultura das Imagens. Professor visitante da Universidade Mackenzie (Educação, Arte e História da Cultura), da UECE, da UCDJB, da Universidade de Múrcia – Espanha (ERASMUS), da Universidade de Savoie – França, e da Universidade de São Paulo. Coordena o Grupo de Investigação em antropologia visual/media e mediações culturais – CEMRI: Universidade Aberta. Atualmente é professor visitante da UFG – Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual e Antropologia Social. Pesquisador do Núcleo de Pesquisa em Cultura Visual, grupo de Pesquisa Media e Mediações Culturais, do grupo de estudos em Cinema e Narrativas Digitais.

Referências

BLOCH, M. Introdução à História. Lisboa: Publicações

Europa América, 1997.

FERRO, M. O filme: uma contra-análise da sociedade?

In: LE GOFF, J.; NORA, P. (Org.). História: novos objetos.

Tradução Terezinha Marinho. Rio de Janeiro: F. Alves, 1976.

p. 202-203.

HOBSBAWM, Eric. Sobre História. São Paulo: Cia das

Letras, 1997.LE GOFF, Jacques. Memória e História. Campinas:

Unicamp, 1996.

MAUAD, Ana Maria. Fontes de memória e o conceito de

escrita videográfica: a propósito da fatura do texto videográfico

Milton Guran em três tempos (LABHOI, 2010). História

oral, [S.l.], v. 1, n. 13, 2010.

SOUZA, C.M. Todo Direito é um Direito Humano! Da luta

pela redemocratização à construção da cidadania pelos direitos:

a história do Centro de Defesa de Direitos Humanos de

Osasco. In: MACHADO, A.; TOLEDO, M.R.(Org.). Golpes na

História e na Escola: O Brasil e a América Latina nos Séculos

XX e XXI. São Paulo: Editora Cortez, 2017.

THOMPSON, E. P. As peculiaridades dos ingleses e outros

artigos. Organização geral Antônio Luigi Negro e Sergio Silva.

Campinas: Editora da Unicamp, 2001.

THOMPSON, P. História Oral: a voz do passado. Rio de

Janeiro: Paz e Terra, 1992.

TODO direito é humano. Direção de Lucas Navarro e

Claudia Moraes de Souza. 2015. DVD (26min).

Publicado
19-12-2018
Como Citar
Moraes de Souza, C., & da Silva Ribeiro, J. (2018). Testemunhar por imagens: oralidade, memória social e a produção do audiovisual na pesquisa histórica. Visualidades, 16(2). https://doi.org/10.5216/vis.v16i2.56390
Seção
Dossiê Cultura Visual 3