Webcam, sexo, espetáculo e vigilância: reflexões sobre a campanha Sweetie a partir da cultura visual

  • Pablo Petit Passos Sérvio Departamento de Artes Visuais da Universidade Federal do Maranhão
  • Raimundo Martins Universidade Federal de Goiás
Palavras-chave: Cultura visual, Vigilância, Espetáculo, Webcams

Resumo

Ao desenvolver reflexões sobre experiências visuais contemporâneas relevantes para a Cultura Visual, este artigo utiliza a campanha Sweetie da ONG holandesa Terre des Hommes, que denuncia o fenômeno do turismo sexual por webcam. Discutimos a pornografia via webcam, sua relação com o voyeurismo, narcisismo e exibicionismo analisando: o modo como espetáculo se confunde com vigilância e vigilância se confunde com espetáculo na estrutura social global possibilitada na web; relações de poder, de classe, gênero e etnia que marcam o turismo sexual via webcam denunciado por Terre des Hommes; expectativas de veracidade que nutrimos em relação às imagens de webcam. E, por fim, discutimos interações com imagens de corpos que menosprezam a ética em favor da estética ao explorar o desejo de controle e a autoestimulação subjetiva de prazeres.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pablo Petit Passos Sérvio, Departamento de Artes Visuais da Universidade Federal do Maranhão

Doutor em Arte e Cultura Visual pela Universidade Federal de Goiás. É professor efetivo do Departamento de Artes Visuais da Universidade Federal do Maranhão. Tem publicado capítulos de livros e artigos em revistas nacionais e internacionais.

 

Raimundo Martins, Universidade Federal de Goiás

Doutor em educação/artes pela Southern Illinois University (EUA). É professor titular da Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal de Goiás e pesquisador permanente do Programa de Pós-graduação em Arte e Cultura Visual. É autor (com Irene Tourinho) da coleção Cultura Visual e Educação publicada pela Editora UFSM. Tem publicado capítulos de livros e artigos em revistas nacionais e internacionais.

Referências

ABREU, C. Imagens que não afetam: questões de gênero no

ensino da arte desde a perspectiva crítica feminista e da

cultura visual. In: ENCONTRO DA ANPAP, 24., 2015, Santa

Maria. Anais... Santa Maria: Anpap, 2015. p. 3927-3942.

ARANTES, P. @rte e mídia: perspectivas da estética digital.

São Paulo: Editora Senac, 2005.

BENNETT, T. The Exhibitionary Complex. New Formations,

Chadwell Heath, n. 4, p. 73–102, spring 1988.

BERGER, J. Modos de ver. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

BRUNO, F. Máquinas de ver, modos de ser: visibilidade e

subjetividade nas novas tecnologias de informação e de

comunicação. Revista da FAMECOS, Porto Alegre, v. 24,

p. 110-124, 2004.

CAMPOS, R. M. D. O. Pintando a cidade: uma abordagem

antropológica ao graffiti urbano. 2007. 512 f. Tese (Doutorado

em antropologia) – Universidade Aberta, Lisboa, 2007.

CHARRÉU, L. Imagens globais, cultura visual e educação artística:

impacto, poder e mudança. In: MARTINS, R.; TOURINHO,

I. (Org.). Cultura das imagens: desafios para a arte e

para a educação. Santa Maria: Editora da UFSM, 2012. p. 39-54.

CRARY, J. Spectacle, attention, counter-memory. October,

Cambridge, v. 50, p. 97-107, Outono 1989.

______. Técnicas do observador: visão e modernidade no

século XIX. Rio de Janeiro: Contratempo, 2012.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo: comentários sobre a

sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DIAS, B. Pré-acoitamentos: os locais da arte/educação e da

cultura visual. In: MARTINS, R. (Org.). Visualidade e

educação. Goiânia: FUNAPE, 2008. p. 37-53.

DIAS, B. Ensinando fora do eixo: cultura visual queer. In:

ENCONTRO DA ANPAP, 21., 2012, Rio de Janeiro. Anais...

Rio de Janeiro: Anpap, 2012. 2111-2125.

DUBOIS, R. Luke. A more perfect union. 2011. Conjunto de 39

gravuras, 38 mapas, 1 título. Pigmento-tinta no photo rag.

de altura x 91,5 cm, cada. Edição de 6.

FLORES, V. A imagem técnica e a sua crença: a confiança

visual na era digital. Lisboa: Editores Nova Vega, 2012.

FLUSSER, V. Filosofia da caixa preta: ensaios para uma futura

filosofia da fotografia. São Paulo: Hucitec, 1985.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: o nascimento da prisão. 32. ed.

Petrópolis: Vozes, 1987.

GATTO, F. G. Pospornografia. Estudios Visuales, Murcia, n. 5,

p. 95-106, jan. 2008.

GUNNING, T. O retrato do corpo humano: a fotografia, os

detetives e os primordios do cinema. In: CHARNEY, L.;

SCHWARTZ, V. R. (Org.). O cinema e a invenção da vida

moderna. 2. ed. São Paulo: Cosac Naif, 2004. p. 33-66.

HAKIM, Catherine. Erotic capital. European Sociological

Review, Oxford, v. 26, p. 499-518, 2010.

HARVEY, Adam. CV Dazzle. 2010. 5 padrões de camuflagem

compostos por maquiagens e cortes de cabelo que impedem

detecção facial computacional.

HERNANDEZ, F. Catadores da cultura visual: proposta para

uma nova narrativa educacional. Porto Alegre: Editora

Mediação, 2007.

HUNT, L. The invention of pornography: obscenity and the

origins of modernity, 1500-1800. New York: Zone Books, 1993.

ILLERIS, H.; ARVEDSEN, K. Fenômenos e eventos visuais:

algumas reflexões sobre currículo e pedagogia da cultura

visual. In: MARTINS, R.; TOURINHO, I. (Org.). Cultura

das imagens: desafios para a arte e para a educação. Santa

Maria: Editora da UFSM, 2012. p. 283-310.

JAGODZINSKY, J. As negociações da diferença. In: GUINSBURG,

J.; BARBOSA, A. M. (orgs.). O pós-modernismo. São

Paulo: Perspectiva, 2005. p. 661-689.

KEEN, A. Vertigem digital: por que as redes sociais estão nos dividindo,

diminuindo e desorientando. São Paulo: Zahar, 2012.

KENDRICK, W. M. The secret museum: pornography in

modern culture. New York: Viking, 1987.

KINCHELOE, J.; MCLAREN. Repensando a teoria crítica e a

pesquisa qualitativa. In: DENZIN, N.; LINCOLN, Y. (Org.).

O planejamento da psequisa qualitativa: teorias e abordagens.

Porto Alegre: Artmed, 2006. p. 281-313.

KOSMINSKY, D. C. O olhar inocente é cego: a construção

da cultura visual moderna. Tese (Doutorado em Artes

e Design) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de

Janeiro: Rio de Janeiro, 2008.

LA TAILLE, Y. D. Formação ética: do tédio ao respeito de si.

Porto Alegre: Artmed, 2009.

LOPES, M. Pornografia amadora em tempo real: observações

preliminares sobre o CAM4. Simpósio em tecnologias digitais

e sociabilidade. Salvador: [s.n.]. 2013. p. 1-14.

MACHADO, A. Máquina e imaginário: o desafio das poéticas

tecnológicas. 3. ed. São Paulo: Editora da Universidade de

São Paulo, 2001.

MANOVICH, L. The Language of New Media. London: MIT

Press, 2001.

MIRZOEFF, N. An introduction to visual culture. London:

Routledge, 1999.

MITCHELL, W. J. T. Showing seeing: a critique of visual

culture. Journal of visual culture, Thousand Oaks, v. 1, n. 2,

p. 165-181, 2002.

MULVEY, L. Prazer visual e cinema narrativo. In: MACEDO,

A. G.; RAYNER, F. (Org.). Género, cultura visual e performance.

Minho: Edições Húmus, 2011. p. 121-132.

POLLOCK, G. A modernidade e os espaços da feminilidade.

In: MACEDO, A. G.; RAYNER, F. (Org.). Género, cultura

visual e performance. Minho: Edições Húmus, 2011. p. 53-68.

RUBIN, Ben; HANSEN, Mark. Listening post. 2003. Instalação

eletrônica audiovisual composta por 231 telas. Encontra-se

exposta no Whitney Museum of American Art, Nova York, EUA.

SIBILIA, P. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio

de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

______. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão.

Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

SILVEIRA, S. A. D. Redes cibernéticas e tecnologias do anonimato.

Comunicação & Sociedade, v. 30, n. 51, p. 113-134, jan./

jun. 2009.

SEVAGGIO, Leo. URME. 2014. Instalação interativa composta

por máscaras protéticas 3D, webcams, telas de computador,

máscaras de papel e um aplicativo de reconhecimento facial.

STEHLI, Jemina. Strip. 2000. Série de 56 fotografias coloridas,

formato 32 x 27 cm.

ULMAN, Amalia. Excellences & Perfections. 2014. Performances

fotográficas com 175 fotografias e legendas postadas na

rede social Instagram. A obra foi lançada como parte do

projeto New York's first look program, de 2014.WEBCAM CHILD SEX TOURISM - Becoming Sweetie: a novel

approach to stopping the global rise of Webcam Child Sex

Tourism. Terre des Hommes, 2013. Disponivel em:

www.terredeshommes.nl/sites/tdh/files/uploads/research_

report.pdf>. Acesso em: 19 dez. 2017.

WOLFF, F. Por trás do espetáculo: o poder das imagens. In:

NOVAES, A. Muito além do espetáculo. São Paulo: Editora

Senac, 2005. p. 16-45.

YOSHIYUKI, Kohei. The park. 1971-1973. Série de 62 fotografias

em preto e branco de 31,12 cm de altura por 46,51 cm de

comprimento. Coleção SFMOMA. Fotografias publicadas

em várias edições, sendo a mais recente a do livro The Park

-73 pela editora Osiris de Tóquio, em 2011, que conta com

fotografias 30cm de altura x 42 cm de comprimento.

Publicado
19-12-2018
Como Citar
Petit Passos Sérvio, P., & Martins, R. (2018). Webcam, sexo, espetáculo e vigilância: reflexões sobre a campanha Sweetie a partir da cultura visual. Visualidades, 16(2). https://doi.org/10.5216/vis.v16i2.56388
Seção
Dossiê Cultura Visual 3