O queer e o camp na arte contemporânea latino-americana em um contexto de globalização

  • Jacks Ricardo Selistre Programa de pós-graduação em Artes Visuais / Universidade Federal de Santa Maria

Resumo

A presente pesquisa apresenta relações entre arte contemporânea, identidades e gênero, sendo relacionada à linha de pesquisa de Arte e Cultura. Tem como objetivo investigar como se desenvolve a estética homoerótica e queer na América Latina no contexto da globalização. As produções artísticas são tensionadas por conceitos como ambiguidade e camp, de modo que as identidades e os binarismos sejam problematizados na arte contemporânea latino-americana, discutindo as relações entre o global e o local, possibilitando novas interpretações. Dessa forma, propõe-se o método genealógico de Michel Foulcault (1971; 2016) para resgatar discursos omitidos, permitindo outro modo de compreensão da história, não se pautando na hierarquia dos saberes. Neste caso, a genealogia problematiza a omissão de sujeitos e discursos dissidentes na história da arte. Busca-se problematizar as identidades e sexualidades na arte contemporânea através das teorias queer e de gênero a fim de desconstruir os códigos binários. Esta dissertação se organiza de maneira teórica, associando-se em alguns momentos à minha produção artística, e principalmente à produção de outras artistas, onde se evidencia a subversão às regras identitárias e de gênero. A partir da produção artística de Ana Mendieta, Osvaldo Salerno e Hudinilson Jr se problematiza a estética da ambiguidade, onde os sujeitos desestabilizam o binarismo entre masculino e feminino, provocando instabilidade no regime epistemológico visual de identificação. A estética camp é evidenciada através das obras de Flavio de Carvalho, Guillermo Gómez-Peña e Federico Jorge Klemm, os quais exploram os exageros e as artificialidades, propondo uma subversão aos discursos socialmente estipulados. Nesta pesquisa de mestrado não busco definir conceitos, a fim de não criar uma verdade absoluta e de não afetar as possibilidades interpretativas, busco encontrar novas trajetórias que possibilitem novas interpretações e novos sujeitos para a contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jacks Ricardo Selistre, Programa de pós-graduação em Artes Visuais / Universidade Federal de Santa Maria
Jacks Ricardo Selistre é mestre em Artes Visuais pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Universidade Federal de Santa Maria (2018), realizou período de pesquisa no Mestrado em Arte Latinoamericano na Universidad Nacional de Cuyo, Argentina - através da Asociación Universitária Grupo Montevideo. É licenciado em Artes Visuais pela Universidade de Caxias do Sul (2016), cursou um semestre do curso de História y Gestión del Arte na Universidad del Salvador em Buenos Aires, Argentina (2012). Vencedor do Programa de Bolsas Ibero-americanas do Banco Santander, estudando Bellas Artes na Universidade de Vigo, España (2014).É membro da Associação Nacional de Pesquisa em História (ANPUH). Atuou como assistente curatorial da II Exposição Internacional de Arte e Gênero (MARQUE, UFSC, 2017). É Diretor de Patrimônio do Instituto Bruno Segalla. Participa do Laboratório de Artes e Subjetividades (LASUB). Foi bolsista do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) pela CAPES. É artista visual, participa de exposições desde 2007.
Publicado
13-12-2018
Como Citar
Selistre, J. R. (2018). O queer e o camp na arte contemporânea latino-americana em um contexto de globalização. Visualidades, 16(2). Recuperado de https://www.revistas.ufg.br/VISUAL/article/view/52221
Seção
Teses e Dissertações