Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology https://www.revistas.ufg.br/RBN <p>A Revista de Biologia Neotropical/Journal of Neotropical Biology publica nas áreas de Botânica, Ecologia, Genética, Zoologia ou outras áreas relacionadas. Para mais informações, acesse <a href="https://www.revistas.ufg.br/RBN/about" target="_blank" rel="noopener">Sobre a revista</a>.<br>- ISSN: 1807-9652<br>- Ano de criação: 2004<br>- Qualis: B4<br>- Revista vinculada ao <a href="https://www.icb.ufg.br/" target="_blank" rel="noopener">Instituto de Ciências Biológicas da UFG</a>.<br>- <a href="https://www.revistas.ufg.br/RBN/about/contact" target="_blank" rel="noopener">Contato</a></p> pt-BR <p class="TextosemFormatao1" align="justify">O envio espontâneo de qualquer submissão&nbsp;<strong>implica automaticamente</strong>&nbsp;na cessão integral dos direitos patrimoniais à Revista de Biologia Neotropical /&nbsp;Journal of Neotropical Biology (RBN), após a sua publicação. O(s) autor(es) concede(m) à RBN&nbsp;o direito de primeira publicação do seu artigo, licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution&nbsp;4.0 (CC BY-NC 4.0).</p> <p class="TextosemFormatao1" align="justify">São garantidos ao(s) autor(es) os direitos autorais e morais de cada um dos artigos publicados pela RBN, sendo-lhe(s) permitido:&nbsp;</p> <p class="TextosemFormatao1" align="justify">1. Uso do artigo e de seu conteúdo para fins de ensino e de pesquisa.</p> <p class="TextosemFormatao1" align="justify">2. Divulgar o artigo e seu conteúdo desde que seja feito o link para o Artigo no website da RBN, sendo permitida sua divulgação em:</p> <ul> <li class="show">redes fechadas de instituições (intranet).</li> <li class="show">repositórios de acesso público.</li> </ul> <p>3. Elaborar e divulgar obras derivadas do artigo e de seu conteúdo desde que citada a fonte original da publicação pela RBN.</p> <p>4. Fazer cópias impresas em pequenas quantidades para uso pessoal.</p> rev.bio.neotrop@gmail.com (Edson Ferreira Duarte) rev.bio.neotrop@gmail.com (Edson Ferreira Duarte) sex, 18 set 2020 08:37:10 -0300 OJS 3.1.2.4 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Plantas parasitas do Parque Nacional Serra de Itabaiana, Sergipe, Brasil https://www.revistas.ufg.br/RBN/article/view/62059 <p>Plantas parasitas costumam ser consideradas como pragas, pois crescem sobre outras espécies afetando a qualidade das mesmas. Entretanto, as parasitas são de extrema importância em ecossistemas naturais, servindo como fonte de alimento para as aves e outros animais. Pouco se sabe sobre esse grupo de plantas no estado de Sergipe, assim, o presente estudo buscou responder as seguintes perguntas: (i) Quantas são e quem são as espécies parasitas que ocorrem no PARNA Serra de Itabaiana? (ii) Qual o grau de infestação dessas espécies? (iii) Como as espécies estão estruturadas no local de estudo? O trabalho foi desenvolvido no PARNA Serra de Itabaiana, onde as espécies foram quantificadas e coletadas, herborizadas e depositadas no herbário ASE da Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE. Ao todo foram amostradas 12 espécies, pertencentes a quatro gêneros e três famílias. <em>Phoradendron chrysocladon </em>apresentou o maior Valor de Importância no local, seguido de <em>Cassytha filiformis </em>e <em>Phoradendron quadrangulare</em>. O grau de infestação das espécies parasitas no PARNA Serra de Itabaiana variou de baixo a médio e o estudo contribuiu com dois novos registros de ocorrência para o Estado de Sergipe: <em>Psittacanthus excrenulatus</em> e <em>Phoradendron perrottetii</em>.</p> Kelianne Carolina Targino Araújo, Juliano Ricardo Fabricante, Greta Aline Dettke Copyright (c) 2020 Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://www.revistas.ufg.br/RBN/article/view/62059 sex, 18 set 2020 00:00:00 -0300 Comunidade arbórea em cerradão na bacia do Rio Verde, Mato Grosso do Sul, Brasil https://www.revistas.ufg.br/RBN/article/view/63042 <p>O objetivo neste estudo foi verificar a análise fitossociológica da comunidade arbórea de cerradão em um trecho da bacia do Rio Verde, Mato Grosso do Sul. Foram demarcadas 100 parcelas de 1.000 m², com a medição das árvores com diâmetro à altura do peito (DAP) maior ou igual a 10 cm. Foram levantados 2.638 indivíduos distribuídos um total de 91 espécies lenhosas. <em>Tapirira guianensis</em> obteve o maior valor de importância (13,3%). A diversidade (H’ = 3,493) e a equabilidade (J’ = 0,77) mostraram notável distribuição ao longo da área levantada. A riqueza e a composição da amostragem, bem como os valores de Shannon e Pileou gerados, mostraram-se compatíveis com informações de outros estudos, indicando que a vegetação lenhosa amostrada na bacia do rio Verde condiz com o esperado para áreas de cerradões do Centro-Oeste.</p> Ricardo Anghinoni Bocchese, Richard Matheus Fernandes, Solon Rodrigo Vilhalba Azeredo Copyright (c) 2020 Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://www.revistas.ufg.br/RBN/article/view/63042 sex, 18 set 2020 00:00:00 -0300 O peso determina o resultado de disputas territoriais em Erythrodiplax fusca Rambur, 1842 (Odonata: Libellulidae) https://www.revistas.ufg.br/RBN/article/view/63511 <p><em>Erythrodiplax fusca</em> (Rambur, 1842) é uma Odonata da família Libellulidae, que defendem seus territórios próxima de rios, lagos e áreas pântanosas. Disputas por acesso a fêmeas ou pelos locais de reprodução, geralmente ocorrem durante o voo. O objetivo neste trabalho foi analisar as disputas por territórios entre machos avaliar se o ganhador possuía maior peso. O estudo foi conduzido na Fazenda Experimental Morro Feio, localizada no município de Hidrolândia, estado de Goiás, Brasil. Inicialmente, foi realizada uma inspeção para encontrar pontos na margem do riacho que os machos comumente disputam para estabelecer seus territórios. Após a identificação destes pontos todas as disputas por território foram contabilizadas, ao final do conflito os dois machos foram coletados (vencedor e perdedor) e pesados. Foram coletados 74 indivíduos de <em>E. fusca</em> (37 vencedores e 37 perdedores). O peso fresco foi determinante para a vitória, com machos vitoriosos apresentando peso fresco 10% maior que os machos perdedores. Portanto, o presente trabalho corrobora a hipótese de que o peso dos machos de <em>E. fusca</em> está relacionado à vitória em disputas por territórios.</p> Deborah Costa Natividade, Querem Cristine Ferreira Santana, Nelson Silva Pinto Copyright (c) 2020 Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://www.revistas.ufg.br/RBN/article/view/63511 qua, 30 set 2020 16:52:47 -0300 Avaliação da composição, riqueza e diversidade epifítica em forófitos específicos: nativas x mangueiras https://www.revistas.ufg.br/RBN/article/view/63799 <p>O presente trabalho teve como objetivo avaliar e comparar a composição, riqueza e diversidade epifítica entre forofíticos específicos no Parque Nacional Serra de Itabaiana, SE. Através de dois distintos grupos forófitos (Mangifera indica L. e espécies arbóreas nativas), todas os indivíduos das espécies epifíticas foram contabilizadas e com esses dados foram realizadas as análises estatísticas.&nbsp; No total foram amostrados 491 indivíduos sendo 163 nas mangueiras e 328 nas nativas, A diversidade medida pelo índice de Shannon-Wiener (H’) para o forófitos da espécie Mangifera indica foi de H’ = 1,7 e nas nativas foi de H’ = 2, 27, o valor de equabilidade também foi maior nas nativas (J’ = 0,83) quando comparado com as mangueiras (J’ = 0,71). O teste de permutação ANOSIM demostrou diferenças significativas na composição de espécies epifíticas entre os dois grupos forofíticos, tanto por Jaccard (p ? 0,01), como por Bray-Curtis (p ? 0,01). Tais resultados sugerem que a presença de forófitos não nativos afeta a composição, riqueza e a diversidade de espécies epifíticas.</p> Lizandra Almeida Santos, Daniel Oliveira Reis, Juliano Ricardo Fabricante Copyright (c) 2020 Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://www.revistas.ufg.br/RBN/article/view/63799 ter, 13 out 2020 22:26:38 -0300 Entomofauna de Hemerobiidae (Neuroptera) em sistema de cultivo orgânico e convencional de frutíferas no município de Avaré, SP, Brasil https://www.revistas.ufg.br/RBN/article/view/64864 <p>Hemerobiídeos possuem importância em programas de controle biológico de pragas agrícolas, pois se alimentam de artrópodes pragas associados às diversas culturas, porém dados de sua biologia e distribuição ainda são escassos. Devido à sua importância e a escassez de dados, o presente estudo teve como objetivo realizar um levantamento de espécies de Hemerobiidae em frutíferas submetidas a sistemas de cultivo orgânico e convencional da região de Avaré, São Paulo, com o intuito de auxiliar futuros programas de controle biológico que possam utilizar hemerobiídeos como agente predador controlador. Durante um ano realizaram-se coletas com armadilhas tipo McPhail e atrativo de suco de manga em espécies de frutíferas. No total coletaram-se 22 espécimes de quatro espécies de três gêneros de Hemerobiidae, 16 espécimes de <em>Hemerobius domingensis</em> Banks, 1941, <em>Megalomus impudicus</em> (Gerstaecker, 1888), <em>Megalomus rafaeli</em> Penny &amp; Monserrat, 1985 e <em>Nusalala tessellata</em> (Gerstaecker, 1888) foram coletadas em frutíferas submetidas ao sistema de cultivo orgânico, e seis espécimes de <em>M. rafaeli</em> e <em>N. tessellata</em> foram coletados em frutíferas submetidas ao sistema de cultivo convencional. A maior diversidade de Hemerobiidae foi observada em frutíferas submetidas ao sistema de cultivo orgânico, provavelmente devido a sua maior diversidade vegetacional e ao não uso de produtos fitossanitários.</p> Márcio Aparecido de Melo, Maria de Lourdes Nascimento Maitan Araújo, Caleb Califre Martins Copyright (c) 2020 Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://www.revistas.ufg.br/RBN/article/view/64864 sáb, 17 out 2020 00:00:00 -0300 Assinatura Florística de uma Área Úmida Prioritária para a Conservação no Leste do Brasil https://www.revistas.ufg.br/RBN/article/view/62396 <p>Áreas úmidas fornecem inúmeros benefícios à sociedade, mas constituem ecossistemas extremamente ameaçados, principalmente quando associados aos grandes centros urbanos. A reconhecida escassez de pesquisa nesses ambientes é alarmante e deve ser considerada uma meta frente às mudanças climáticas. Aqui nós avaliamos a riqueza florística de uma área úmida do Parque Estadual Paulo César Vinha, Espírito Santo. Nossos dados indicaram riqueza expressiva em relação a outras áreas úmidas do sudeste do Brasil. Paralelamente, uma comparação com outras áreas semelhantes indicou a formação de grupos influenciados por elementos típicos de áreas secas a sazonalmente secas que atingem a costa brasileira. Do ponto de vista regional, o Parque Estadual Paulo Cesar Vinha possui uma assinatura florística distinta provavelmente associada ao seu bom estado de conservação, servindo com uma métrica importante para avaliar outras áreas úmidas. &nbsp;</p> Rodrigo Theofilo Valadares, Diogo Andrade Koski, Bruno Ferreira da Silva, Valderes Bento Sarnaglia Junior, Márcio Lacerda Lopes Martins Copyright (c) 2020 Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://www.revistas.ufg.br/RBN/article/view/62396 ter, 20 out 2020 00:00:00 -0300 Biomarcadores bioquímicos em tilápias do nilo (Oreochromis niloticus Linnaeus, 1758) de diferentes pesos expostas a contaminantes https://www.revistas.ufg.br/RBN/article/view/63433 <p>Tilápias do Nilo (<em>Oreochromis niloticus</em>) de três grupos de peso diferentes (juvenis, adultos de menor e maior peso) foram expostas ao benzo[a]pireno (0,5 mg.L<sup>-1</sup>), cobre (0,5 mg.L<sup>-1</sup>), cádmio (0,5 mg.L<sup>-1</sup>) e diazinon (1,0 mg.L<sup>-1</sup>), por 72 h. A fim de determinar como os animais da mesma espécie respondem a tais contaminantes de acordo com o peso, foram analisados a glutationa-S-transferase, superoxido dismutase, catalase, glutationa peroxidase, acetilcolinesterase, carboxilesterase e níveis de peroxidação lipídica em fígado e brânquias. No grupo das juvenis a enzima catalase foi induzida pela exposição ao cobre nas brânquias, enquanto que os níveis de peroxidação lipídica foram baixos. Assim como a glutationa-S-transferase nas brânquias, a glutationa peroxidase no fígado também foram induzidas pela exposição ao diazinon nesse mesmo grupo. Nas brânquias do grupo dos adultos de menor peso, os níveis de peroxidação lipídica foram baixos para a exposição ao diazion, provavelmente pode estar relacionado com a inibição da carboxilesterase. No grupo dos adultos de maior peso não foi observado nenhum efeito adverso dos contaminantes, exceto para a exposição ao diazinon nas esterases. Desta forma, este estudo comprova que quando se utiliza tilápias nos biomonitoramentos é necessário considerar o peso, o tecido e a fase de desenvolvimento.</p> Daniele Silva, Lenard Serrano, Eduardo Alves de Almeida Copyright (c) 2020 Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://www.revistas.ufg.br/RBN/article/view/63433 ter, 03 nov 2020 17:27:42 -0300 Embriogênese somática indireta e direta em explante de raiz de Coffea arabica L. (Rubiaceae) https://www.revistas.ufg.br/RBN/article/view/63493 <p>Na aplicação da embriogênese somática indireta e direta em <em>Coffea</em> <em>arabica</em> normalmente utilizam se explantes do tipo foliar. Na literatura não se verifica relatos da aplicação de explante do tipo raiz na embriogênese somática desta espécie. Mas, explantes do tipo raiz são utilizados para a indução da embriogênese somática em diferentes espécies. O objetivo neste estudo foi verificar a capacidade de embriogênese somática indireta e direta em explantes de raízes de <em>C. arabica.</em> Para tanto, explantes de raiz de 1 cm de comprimento obtidos de plantas <em>in vitro</em> da cultivar Catuaí Vermelho IAC 81 foram inoculados em meios de indução de embriogênese somática indireta e direta, em ausência de luz, a 25 <sup>o</sup>C. Na via indireta, os explantes formaram calos e em seguida embriões somáticos. Na via direta os segmentos de raiz formaram apenas embriões somáticos e os explantes não apresentaram qualquer alteração de sua morfologia externa. Os resultados obtidos indicam que explantes do tipo raiz de <em>C. arabica</em> da cultivar Catuaí Vermelho IAC 81 têm capacidade de formar embriões somáticos pela embriogênese somática indireta e direta.</p> Ivanilda dos Santos Alves, Wilielle Cristina Freitas Neofiti, Valéria Cristina Barbosa Carmazini, Julieta Andrea Silva de Almeida Copyright (c) 2020 Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://www.revistas.ufg.br/RBN/article/view/63493 sex, 18 set 2020 00:00:00 -0300 Uma lagoa dunar e os primeiros registros de Desmidiaceae (Zygnematophyceae) em Sergipe, Brasil https://www.revistas.ufg.br/RBN/article/view/64510 <p>Desmidiaceae é representada no Brasil por 27 gêneros e cerca de 485 espécies. Estudos que complementam informações taxonômicas e de distribuição geográfica de desmídias têm avançado no país; no entanto, seis estados, incluindo Sergipe, não possuem informações sobre esta família. Assim, este estudo realizou um levantamento de Desmidiaceae em uma lagoa dunar localizada no sul da cidade de Aracaju, estado de Sergipe. Amostras foram coletadas de outubro de 2014 a abril de 2015 através de método usual qualitativo, em três pontos pré-definidos na lagoa. Para identificação, materiais em lâminas semipermanentes foram comparados com dados em bibliografias especializadas. Foram registrados 29 táxons pertencentes a cinco gêneros de Desmidiaceae [<em>Actinotaenium</em> (Nägeli) Teiling, <em>Cosmarium</em> Corda ex Ralfs, <em>Euastrum</em> Ehrenberg ex Ralfs, <em>Micrasterias</em> C.Agardh ex Ralfs e <em>Staurastrum</em> Meyen ex Ralfs]. As informações aqui apresentadas ampliam a distribuição das Desmidiaceae no Brasil, e dois táxons podem ser novos para a ciência. Consideramos que Sergipe é uma área rica para esta família e que necessita de mais estudos ecológicos e taxonômicos que contribuam para a composição da ficoflora do Estado e do Brasil.</p> Eduardo Burle, Rafael Mota de Gondra, Ivânia Batista de Oliveira, Marla Ibrahim Uehbe de Oliveira Copyright (c) 2020 Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://www.revistas.ufg.br/RBN/article/view/64510 qui, 22 out 2020 00:00:00 -0300