Plantas parasitas do Parque Nacional Serra de Itabaiana, Sergipe, Brasil

Palavras-chave: hemiparasita, holoparasita, inventário florístico

Resumo

Plantas parasitas costumam ser consideradas como pragas, pois crescem sobre outras espécies afetando a qualidade das mesmas. Entretanto, as parasitas são de extrema importância em ecossistemas naturais, servindo como fonte de alimento para as aves e outros animais. Pouco se sabe sobre esse grupo de plantas no estado de Sergipe, assim, o presente estudo buscou responder as seguintes perguntas: (i) Quantas são e quem são as espécies parasitas que ocorrem no PARNA Serra de Itabaiana? (ii) Qual o grau de infestação dessas espécies? (iii) Como as espécies estão estruturadas no local de estudo? O trabalho foi desenvolvido no PARNA Serra de Itabaiana, onde as espécies foram quantificadas e coletadas, herborizadas e depositadas no herbário ASE da Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE. Ao todo foram amostradas 12 espécies, pertencentes a quatro gêneros e três famílias. Phoradendron chrysocladon apresentou o maior Valor de Importância no local, seguido de Cassytha filiformis e Phoradendron quadrangulare. O grau de infestação das espécies parasitas no PARNA Serra de Itabaiana variou de baixo a médio e o estudo contribuiu com dois novos registros de ocorrência para o Estado de Sergipe: Psittacanthus excrenulatus e Phoradendron perrottetii.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kelianne Carolina Targino Araújo, Universidade Federal de Sergipe

Estudante do curso de Ciências Biológicas na Universidade Federal de Sergipe. Estagiária no Laboratório de Ecologia e Conservação da Biodiversidade (LECoB) e atualmente desenvolvo trabalhos nas seguintes linhas de pesquisa: Ecologia de Populações Vegetais, Invasão Biológica, Florística e Fitossociologia, Biologia da Conservação e Restauração de Áreas Degradadas.

Juliano Ricardo Fabricante, Universidade Federal de Sergipe

Graduado em Ciências - Habilitação em Biologia (2004), Mestre (2007) e Doutor (2010) em Agronomia com área de concentração em Ecologia Vegetal e Meio Ambiente. Realizei Pós-Doutorado (DCR - Desenvolvimento Científico Regional) com projeto de pesquisa desenvolvido na área de Ecologia. Atualmente sou Professor da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Itabaiana, SE, responsável pelas disciplinas de Biologia da Conservação, Ecologia I, Ecologia II, Ecologia III e Educação Ambiental do Curso de Graduação em Ciências Biológicas e Coordenador do Laboratório de Ecologia e Conservação da Biodiversidade (LECoB). Tenho experiência na área de Ecologia, com estudos desenvolvidos nas seguintes linhas de pesquisa: Ecologia de Populações Vegetais, Invasão Biológica, Florística e Fitossociologia, Biologia da Conservação e Restauração de Áreas Degradadas.

Greta Aline Dettke, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutora em Botânica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Porto Alegre - RS). Bióloga pela Universidade Estadual de Maringá (Maringá - PR) e Mestre em Botânica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Porto Alegre - RS). Tem experiência nas áreas de Botânica Estrutural, Sistemática Vegetal e Biogeografia, atuando principalmente nos seguintes temas: Santalales, plantas parasitas, ervas-de-passarinho, Viscaceae, Loranthaceae, Santalaceae, epifitismo vascular, morfologia externa, anatomia vegetativa e reprodutiva, palinologia, taxonomia vegetal, fitogeografia de plantas parasitas e epífitas.

Referências

APG IV. 2016. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Bot. J. Linn. Soc. 181: 1-20.

Araújo, K. C. T., J. L. Santos & J. R. Fabricante. 2019. Epífitas vasculares do Parque Nacional Serra de Itabaiana, Sergipe, Brasil. Biotemas. 31: 31-29.

Arruda, R., R. F. Fadini, L. N. Carvalho, K. Del-Claro, F. A. Mourão, C. M. Jacobi, G. S. Teodoro, E. Vandenberg, C. S. Caires, & G. A. Dettke. 2012. Ecology of neotropical mistletoes: an important canopy- dwelling component of Brazilian ecosystems. Acta Bot. Bras. 26: 264-274.

Aukema, J. E. 2003. Vectors, viscin, and Viscaceae: mistletoes as parasites, mutualists and resources. Frontiers in Ecol. and the Env. 1: 212-219.

Caires, C. S. & C. E. B. Proença. 2008. Levantamento preliminar dos hospedeiros de Dendrophthora e Phoradendron (Santalaceae) no Distrito Federal, Brasil. Hering. 2: 11-22.

Caires, C. S. 2017. Flora das cangas da Serra dos Carajás, Pará, Brasil: Santalaceae. Rodriguésia. 68: 1139-1149.

Cazetta, E. & M. Galetti. 2003. Ecologia das ervas-de-passarinho. Ci. Hoje. 33: 72-74.

Cazetta, E. & M. Galetti. 2007. Frugivoria e especificidade por hospedeiros na erva-de-passarinho Phoradendron rubrum (L.) Griseb. (Viscaceae). Rev. Bras. Bot. 30: 345-351, 2007.

Costa, C. C. 2014. Parque Nacional Serra de Itabaiana-SE: realidade e gestão. Remoa 13: 3933-3951.

Dantas T. V. P., J. E. Nascimento-Júnior, A. S. Ribeiro & A. P. N. Prata. 2010.Florística e estrutura da vegetação arbustivo-arbórea das Areias Brancas do Parque Nacional Serra de Itabaiana/Sergipe, Brasil. Rev. Bras. Bot. 33: 575–588.

Dettke, G. A. & J. L. Waechter. 2014. Estudo taxonômico das ervas-de-passarinho da Região Sul do Brasil: II. Viscaceae (Phoradendron). Rodriguésia. 65(4): 955-985.

Filgueiras, T. S., P. E. Nogueira, A. L. Brochado & G. F. Guala. 1994. Caminhamento – um método expedito para levantamentos florísticos qualitativos. Dir. Geo. 39-43.

Harris, R. W. 1992. Arboriculture: integrated management of landscape trees, shrubs and vines. New Jersey, Prentice-Hall.

Flora do Brasil. 2020. Disponível em:< http://floradobrasil.jbrj.gov.br/reflora/listaBrasil/ConsultaPublicaUC/ConsultaPublicaUC.do#CondicaoTaxonCP>. Acesso em 14 de jun. 2020.

ICMBio. 2016. Plano de Manejo Parque Nacional Serra de Itabaiana.

IPNI. 2019. Disponível em: <https://www.ipni.org/>. Acesso em 06 de ago. 2019.

Jacomine, P. K. T., J. O. Montenegro, M. R. Ribeiro & R. A. Formiga. 1975. Levantamento exploratório-reconhecimento de solos do estado de Sergipe. Recife, EMBRAPA, Centro de Pesquisas Peclológicas, ilus. (Brasil. EMBRAPA. Centro de Pesquisas Pedológicas. Bol. Tec. 36). Brasil, SUDENE, DRN. Divisão de Recursos Renováveis.

Kersten, R. A. & S. M. Silva. 2001. Composição florística e estrutura do componente epifítico vascular em Floresta da planície litorânea na Ilha do Mel, Paraná, Brasil. Rev. Bras. Bot. 24: 213-226.

Kovach, W. L. 2005. MVSP – A multivariate statistical package for windows, ver. 3.1. Pentraeth, K.C.S.

Kuijt, J. 1969. The Biology of Parasitic Flowering Plants. University of California Press, Berkeley and Los Angles.

Kuijt, J. 2003. Monograph of Phoradendron. Syst. Bot. Mono. 66: 1-643.

Leal, L., W. M. Bujokas & D. Biondi. 2006. Análise da Infestação de Erva-de-Passarinho na arborização de ruas de Curitiba-PR. Flo. 36: 323-330.

Lousã, M., A. Monteiro, D. Espírito Santo, E. Sousa & J. C. Costa. 2007. Módulo de Botânica Manual de Teóricas e Práticas. Lisboa, Inst. Sup. Agro. 144 p.

Mendes, K., P. Gomes & M. Alves. 2010, Floristic inventory of a zone of ecological tension in the Atlantic Forest of Northeastern Brazil. Rodriguésia. 61: 669-676.

Moreira, B. A. & C. M. Rizzini. 1997. As famílias Loranthaceae e Viscaceae da APA de Maricá, Rio de Janeiro, Brasil. Acta. Bot. Bras. 11: 1-8.

Müller-Dombois, D. & H. Ellenberg. 1974. Aims and methods of vegetation ecology. New York, John Wiley & Sons.

Nickrent, D. L. & L. J. Musselman. 2004. Introduction to parasitic flowering plants. PHI. DOI: http://dx.doi.org/10.1094/PHI-I-2004-0330-01

Norton, D. A. & M. A. Carpenter. 1998. Mistletoes as parasites: host specificity and speciation. TREE. 13: 101-105.

Pereira, W. 1998. Prevenção e Controle da Parasita Cuscuta em áreas cultivadas com hortaliças. Brasília, Embrapa Hortaliças. 8 p. (Comunicado Técnico, 9).

Pielou, E. C. 1977. Mathematical ecology. New York/London/Sydney/Toronto, Wiley-Interscience Publ.

Press, M. C. & G. K. Phoenix. 2005. Impacts of parasitic plants on natural communities. New. Phyto. 166: 737-751.

Radomiljac, A. M. 1998. The influence of pot host species, seedling age and supplementary nursery nutrition on album Linn. (Indian sandawood) plantation stablishment within the Ord River Irrigation Area, Western Australia. For. Ecol. Manag. 102: 193-201.

Reece, J. B., A. Steven, L. A. Wasserman, M. L. Urry, P. V. Cain, R. B. J. Minorsky. 2015. Biologia de Campbel. 10 ed., Porto Alegre, Artmed.

Reif, C. & R. H. P. Andreata. 2006. Sinopse de "Ervas-de-Passarinho" do estado do Rio de Janeiro, Brasil. Pesqu. Bot. 255-274.

Rizzini, C. T. 1968. Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí, Santa Catarina.

Rizzini, C. T. 1952 Phthirusae brasiliae terrarumque adiacentium. Dusenia. 3: 451-462.

Santos, H. G., P. K. T. Jacomine, L. H. C. Anjos, V. A. Oliveira, J. F. Lumbreras, M. R. Coelho, J. A. Almeida, T. J. F. Cunha & J. B. Oliveira. 2013. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3ª ed., Brasília, Embrapa.

Sargent, S. 1995. Seed fate in a tropical mistletoe: the importance of host twig size. Func. Ecol. 9: 127-204.

Schallenberger, L. S., A. J. Araújo, M. N. Araújo, L. J. Deiner & G. O. Machado. 2010. Avaliação da condição de árvores urbanas nos principais parques e praças no município de Irati-PR. Revsbau. 5: 105-123.

Shannon, C. & W. Weaver. 1949. The Mathematical Theory of Communication. Urbana, Uni.Ill.Press.

Shen, H., W. Ye, L. Hong, H. Huang, Z. Wang, X. Deng, Q. Yang & Z. Xu. 2006. Progress in parasitic plant biology: Host selection and nutrient transfer. Plant Bio. 8: 175-185.

Silva, A. C. C., E. V. S. Oliveira, M. Alves, M. C. V. Farias, A. C. Mota, C. A. S. Souza & A. P. N. Prata. 2019. Lista atualizada da flora vascular do Parque Nacional (PARNA) Serra de Itabaiana, Sergipe, Brasil. Pesq. Ens. Ciênc. Exat. Nat. 3: 40-67.

Siqueira, A. M., I. T. S. Rogério, B. C. Esteves, L. M. Chedier, A. L. Macedo & D. S. Pimenta. 2016. Chemical interaction between Struthanthus marginatus (Desr.) Blume and two different hosts. Eletronic J. of Pharmacy. 13: 212-219.

Souza, V. C. & H. Lorenzi. 2005.Botânica Sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias Angiospermas da flora brasileira, baseado na APGII. Nova Odessa, Inst. Plant. de Est. da Flora. 640 p.

Tainter, F. H. 2002. What does mistletoes have to do with Christmas? Feature Story. St. Paul: American Phytopathological Society. Disponível em: <https://www.apsnet.org/edcenter/apsnetfeatures/Pages/Mistletoe.aspx>. Acesso em: 22 de out. 2019.

Tattar, T. A. 1978. Diseases of Shade Trees. New York, Academic.

The Parasitic Plant Connection. 2019. Disponível em: <https://parasiticplants.siu.edu/>. Acesso em: 05 de ago. 2019.

Vasconcelos, G. C. L. & J. I. M. Melo. 2016. Flora do Parque Nacional do Catimbau, PE, Brasil: Loranthaceae. Hoehnea. 43: 317-323.

Vasconcelos, G. C. L., C. S. Caires & J. I. M. Melo. 2015. Flora da Paraíba, Brasil: Santalaceae R.Br. Iheringia. 70: 203-215.

Waechter, J. L. 1998. O epifitismo vascular em uma floresta de restinga do Brasil subtropical. Ver. Ciênc. Nat. 20: 43-66.

Watson, D. M. 2001. Mistletoe - A Keystone resource in forests and wood lands worldwide. Annual Rev. Ecol. Syst. 32: 219-249.

White, B. L. A., A. S. Ribeiro, L. A. S. White & J. E. Nascimento-Júnior. 2011. Análise da ocorrência de erva-de-passarinho na arborização da Universidade Federal de Sergipe, Campus São Cristóvão. Floresta. 41: 1-8.

Publicado
18-09-2020
Como Citar
Araújo, K. C. T., Fabricante, J. R., & Dettke, G. A. (2020). Plantas parasitas do Parque Nacional Serra de Itabaiana, Sergipe, Brasil. Revista De Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology, 17(2), 80-90. https://doi.org/10.5216/rbn.v17i2.62059