Migração lateral de peixes e a vulnerabilidade da Baía do Chacororé, Pantanal de Barão de Melgaço, Mato Grosso, Brasil

Palavras-chave: Sistemas, lótico, lêntico, Conectividade, ictiofauna

Resumo

Migrações laterais são movimentos realizados por peixes que se deslocam em cardumes para a ocupação de ambientes lênticos e/ou lóticos, para alimentação, reprodução ou buscar de condições favoráveis de sobrevivência. Este estudo foi realizado no corixo Manoel Isaac, que conecta o Rio Cuiabá à Lagoa do Chacororé, no Pantanal de Barão de Melgaço, Estado de Mato Grosso. Foram realizadas coletas no período de abril a dezembro, nas estações de vazante, seca e enchente para determinar os movimentos migratórios laterais dos peixes. Determinou-se que 12 espécies utilizam os sistemas em duas épocas bem definidas: vazante e enchente, para os comportamentos alimentares (época da “lufada”) e para o comportamento reprodutivo (época da “piracema”), respectivamente. Quando o nível da água é mais elevado, ocorre a passagem dos peixes entre o rio e a baía e vice versa. No início da vazante (abril), a captura é elevada, indo até o mês de julho, e as Capturas por Unidade de Esforço (CPUEs) decrescem quando tem início o período de estiagem (julho) e ocorre a elevação do nível da água do corixo no final de setembro, uma segunda elevação na captura é verificada, porém, o sentido de movimentação da maioria das espécies é a favor da correnteza, ou seja, movimento de entrada na baía. Conclui-se que a migração lateral de peixes entre a baía Chacororé e o rio Cuiabá durante o estudo apresentaram tendências de movimentos, para as maiores capturas, durante os meses de abril a junho (vazante) com sentido de movimentação baía-rio e, durante a enchente (outubro a dezembro), o sentido do movimento dos peixes é rio-baía.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nelson Antunes de Moura, Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat)

Possui graduação em LICENCIATURAS PLENAS EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS pela Universidade Federal de Mato Grosso (1996), mestrado em Biologia (Ecologia e Recursos Naturais) pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (2000) e doutorado em Ecologia e Recursos Naturais pela Universidade Federal de São Carlos (2010). Atualmente é professor efetivo, com dedicação exclusiva, da Universidade do Estado de Mato Grosso. Tem experiência na área de Botânica e Ecologia, com ênfase em Estudos sobre Morfologia e Ecologia Vegetal e Comportamento de peixes, atuando principalmente nos seguintes temas: Migração, Alimentação e Reprodução de peixes. Atualmente desenvolve projeto de pesquisa sobre Diversidade de peixes na bacia do Alto Guaporé e projeto de extensão sobre Ilustração científica.

Adalberto Luis Val, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia

Biólogo, com pós-doutorado na Universidade da Columbia Britânica, Canadá, estuda adaptações biológicas às mudanças ambientais, tanto aquelas de origem natural como aquelas causadas pelo homem. No INPA-MCTI desde 1981, envolveu-se com análises das necessidades da Amazônia relacionadas a educação, ciência e tecnologia. Como membro de sociedades científicas nacionais e estrangeiras, organizou mais de duas dezenas de eventos no Brasil e no exterior. Publicou mais de 120 trabalhos inéditos em periódicos nacionais e estrangeiros, mais de 20 capítulos de livros e livros; entre estes, Fishes of the Amazon and their Environment pela Springer Verlag e The Physiology of Tropical Fishes pela Academic Press (2006). Tem apoio financeiro de agências brasileiras (CNPq, CAPES e FAPEAM) e estrangeiras (International Copper Association e The Leverhulme Trust) e atualmente coordena o INCT ADAPTA. Orientou mais de 120 estudantes em nível de iniciação científica, mestrado, doutorado e pós-doutorado. Recebeu a Comenda da Ordem Nacional do Mérito Científico em 2002 e o Prêmio Excelência da American Fisheries Society em 2004. É bolsista 1A do CNPq. Em 2005 foi eleito membro titular da Academia Brasileira de Ciências e atuou como seu vice-presidente para a Região Norte de 2007 a 2012. Em 2006 assumiu a Direção do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia e o administrou até junho de 2014. Em 2008 recebeu a Grande Ordem do Mérito Legislativo do Estado do Amazonas e em 2013 foi admitido na classe Grã Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico. Em 2015 recebeu o título de cidadão do Amazonas. Em 2017 foi credenciado como professor adjunto da Escola de Pós-graduação da Universidade de Laval, Quebec, Canadá

 

Referências

Bayley, P. B. 1973. Studies on the Migratory Characin Prochilodus platensis Homber, 1899 (Pisces, Characoidei) in the River Pilcomayo, South America, J. Fish Biol. 5:25-40.

Britski, H. A.; K. Silimon & B. S. Lopes. 2007. Peixes do Pantanal: manual de identificação. Corumbá: Embrapa Pantanal, 184 p.

Chapmam, D. W.; W. H. Miller; R. G. Dudley & R. J. Scully. 1971. Ecology os fish in the Kafue river. University of Idaho Tech. Rept. FAO, Rome, FI: SF/ZAM 11 Tech. Rep. 2, 66.

Diniz, G. L.; A. Krindges & M. O. Assunção-Jr. 2014. Processo evolutivo de contaminação da Baía de Chacororé. Proceeding Series of the Brazilian Society of Applied and Computational Mathematics, v. 3, n. 1, 2015. Trabalho apresentado no XXXV CNMAC, Natal-RN.

Fantin-Cruz I.; S. Loverde-Oliveira & P. Girard. 2008. Caracterização morfométrica e suas implicações na limnologia de lagoas do Pantanal Norte. Acta Sci. Biol. Sci. 30(2): 133-140.

Ferraz de Lima, J. A. 1986/87. A pesca no Pantanal de Mato Grosso (rio Cuiabá: importância dos peixes migradores) Acta Amaz. 16/17(único): 87-94.

Lowe-McConnell, R. H. 1977. Ecology of fish in Tropical waters. London, Edward Arnold Publishers, 62 p.

Junk, J. W. 1984. Ecology of the várzea, floodplain of Amazonian whitewater rivers. From Sioli, H. In the Amazon: limnology and landscape ecology of a might tropical river and its basin. Dordrech, Dr. Junk Publishers, 763 p.

Melo, A. P. G.; G. B. M. Alves & S. M. L. Oliveira. 2016. Uso e cobertura vegetal do solo da bacia do rio Mutum nas Zonas de Transição Aquático - Terrestre do Pantanal Norte. In: SIMPÓSIO DE GEOTECNOLOGIAS NO PANTANAL, 6., Cuiabá. Anais 6º Simpósio de Geotecnologias no Pantanal. Cuiabá: Embrapa-Inpe, v. 6, p. 111-121.

Pacheco, E. B. & C. J. Da-Silva. 2009. Fish associated with aquatic macrophytes in the Chacororé-Sinhá Mariana Lake system and Mutum River, Pantanal of Mato Grosso, Brazil. Braz. J. Biol. 69(1): 101-108.

Ribeiro, M. C. L. B. 1983. As migrações dos jaraquis (Pisces, Prochilodontidae) no rio Negro, Amazonas-Brasil. Dissertação de Mestrado- INPA/FUA, Manaus, 192 p.

Salomão, F. X. T. 1999. O rio Cuiabá como subsídio para a Educação Ambiental: Coletânea. Cuiabá, EdUFMT. p. 27-33.

Severi, W. 1999. O Rio Cuiabá como subsídio para a educação ambiental: coletânea. Cuiabá, EdUFMT, p. 65-100.

Sobrinho, J. A. F. & M. C. Alves. 2011. Variação temporal da assinatura espectral da baía de Chacororé no Pantanal de Mato Grosso. Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE, p. 5255.

Val, A. L. 1996. Surviving low oxygen levels: lessons from fishes of the Amazon. In: Val, A. L.; Randall, D. J. & Almeida-Val, V. M. F. (Ed.). Physiology and Biochemistry of the Fishes of the Amazon. Manaus, INPA, p. 59-73.

Welcomme, R. L. 1985. River fisheries Rome: FAO Fisheries Technical Papers, 330 p.

Zaniboni Filho, E. 1985. Biologia da reprodução do Matrichã, Brycon cephalus (Gunter, 1896) (Teleostei: Characidae). Dissertação de Mestrado- INPA/FUA, Manaus, 134 p.

Publicado
03-05-2019
Como Citar
Moura, N., & Val, A. (2019). Migração lateral de peixes e a vulnerabilidade da Baía do Chacororé, Pantanal de Barão de Melgaço, Mato Grosso, Brasil. Revista De Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology, 16(1), 1-8. https://doi.org/10.5216/rbn.v16i1.46394
Seção
Artigos