As representações da marginalidade infantil através da obra cinematográfica Pixote, a lei do mais fraco DOI10.5216/o.v9i12.9435

Autores

  • Luiz Alberto Pereira Junior Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.5216/o.v9i12.9435

Resumo

Este trabalho procura refletir a respeito da problemática da infância marginalizada na década de 1980, um período conturbado da nossa História. Através das imagens e das sensibilidades históricas nelas contidas, procuraremos entender os motivos que fizeram da obra cinematográfica Pixote, a lei do mais fraco um enorme sucesso de público e crítica, bem como as rejeições e aversões que surgiram a partir desse artefato cultural, tão importante na construção de um imaginário social em torno da chamada delinquência infantil. Palavras-chave: Cinema, Representação e Marginalidade Infantil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Alberto Pereira Junior, Universidade Federal de Uberlândia

Graduado em Bacharelado e Licenciatura pela Universidade Federal de Uberlândia/MG.

Downloads

Publicado

01-04-2010

Como Citar

Pereira Junior, L. A. (2010). As representações da marginalidade infantil através da obra cinematográfica Pixote, a lei do mais fraco DOI10.5216/o.v9i12.9435. OPSIS, 9(12), 23–43. https://doi.org/10.5216/o.v9i12.9435

Edição

Seção

Dossiê Cultura e representação