Mulheres para muito além do figurino: Aa divorciadas gaúchas dos séculos XVIII e XIX DOI10.5216/o.v8i10.9303

Autores

  • Ubirathan Rogério Soares Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.5216/o.v8i10.9303

Resumo

Este artigo apresenta uma análise construída a partir do estudo empírico com objetivo final de discutir o processo de secularização presente nas rupturas dos relacionamentos matrimonial no Rio Grande do Sul, entre 1766 e 1890. O texto expõe alguns processos de divórcio impetrados por mulheres vivendo no interior do estado. Esses atos revelam questões sobre formação, constituição e desenvolvimento da sociedade gaúcha, que apresentam maior visibilidade nas pequenas localidades. Mostram mais significativamente as estruturas da sociedade rural tradicional, onde se constrói o sistema de Alianças patrimoniais, e a ultrapassagem deste sistema para o casamento como local de construção do regime da sexualidade, típico das sociedades atuais. Palavras-chave: história, sexualidade, sociedade tradicional, relações conjugais, divórcios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ubirathan Rogério Soares, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

Doutor pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Bolsista demanda social CNPq. Mestre em Ciência Política e em Integração Latino-Americana, Especialista em História do Brasil, pela Universidade Federal de Santa Maria, criador do Arquivo Histórico de Cruz Alta, Professor de Antropologia Jurídica, de História da América, de História do Brasil República, Metodologia do Ensino de História do Ensino de 3 grau, pelas Universidades Ritter dos Reis e Universidade de Cruz Alta. Professor da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, nas disciplinas de Antropologia Rural, História do Pensamento Social e História do Pensamento Político. E-mail: ursoares@portoweb.com.br.

Downloads

Publicado

27-03-2010

Como Citar

Soares, U. R. (2010). Mulheres para muito além do figurino: Aa divorciadas gaúchas dos séculos XVIII e XIX DOI10.5216/o.v8i10.9303. OPSIS, 8(10), 241–260. https://doi.org/10.5216/o.v8i10.9303