Polifonias Narrativas: Tempo, memória e história em O mez da grippe de Valêncio Xavier DOI10.5216/o.v4i1.9269

Autores

  • Julio Cesar Bentivoglio UFG - Universidade Federal de Goiás - Campus Catalão

DOI:

https://doi.org/10.5216/o.v4i1.9269

Resumo

Este artigo destina-se a analisar as tensões entre ficcionalidade e historicidade na narrativa de Valêncio Xavier, em sua novela O mez da grippe, de 1981, em que o autor utiliza-se de diferentes recursos para compor seu texto, criando uma história a partir de diferentes vozes, com um estilo que o situa junto às correntes pós-modernas da literatura e que, ainda, permite discutir as relações existentes entre narrativa ficcional e narrativa histórica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julio Cesar Bentivoglio, UFG - Universidade Federal de Goiás - Campus Catalão

Professor do curso de História da UFG/CAC. Doutor em História pela USP e mestre pela UNESP-Franca.

Downloads

Publicado

27-03-2010

Como Citar

Bentivoglio, J. C. (2010). Polifonias Narrativas: Tempo, memória e história em O mez da grippe de Valêncio Xavier DOI10.5216/o.v4i1.9269. OPSIS, 4(1), 60–70. https://doi.org/10.5216/o.v4i1.9269