AS DIFERENTES FORMAS DE RESISTÊNCIA E LUTA DAS ORGANIZAÇÕES DOS TRABALHADORES CONTRA A REPRESSÃO POLÍTICA IMPOSTA PELA DITADURA CIVIL-MILITAR

  • Jose Lima Soares Universidade Federal de Goiás/Campus Catalão, Catalão, GO, Brasil
Palavras-chave: Sindicatos. Ditadura e Repressão. Resistência dos trabalhadores.

Resumo

 Este trabalho tem como objetivo central, analisar os sindicatos durante o período da ditadura, bem como as diferentes formas de luta que se desenvolveram no Brasil contra a repressão política que se impôs contra os trabalhadores. Partimos da premissa de que os trabalhadores, mesmo com os sindicatos sob a tutela do Estado e submetidos ao controle do peleguismo, cumpriram um papel importante, buscando se organizar nos locais de trabalho, muitas vezes, até na clandestinidade, no sentido de construir a unidade de classe contra a exploração capitalista e o arrocho salarial. Tudo isso, em uma conjuntura política difícil, em que os militantes, sindicalistas, estudantes, eram perseguidos, presos, torturados, exilados e mortos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jose Lima Soares, Universidade Federal de Goiás/Campus Catalão, Catalão, GO, Brasil

Fez Mestrado na Unicamp na área de Trabalho e Sindicalismo e Doutorado e Pós-Doutorado em Sociologia pela UnB. É professor de Sociologia do Instituto de História e Ciências Sociais da UFG/RC, autor dos seguintes livros: Sindicalismo no ABC Paulista: Reestruturação Produtiva e Parceria e outros Ensaios (CRV, 2014); Ensaios de Sociologia do Trabalho (Editora Ciência Moderna, 2011); O PT e a CUT nos anos 90: Encontros e Desencontros de Duas Trajetórias (Fortium, 2005). E-mail: odijas@uol.com.br

Referências

ALTHUSSER, Louis et al. Para ler o capital. Rio de Janeiro: Zahar, 1979, pp. 35-45.

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez, 1995.

ANTUNES, Ricardo Luiz Coltro; "Uma breve radiografia das lutas sindicais no Brasil recente e alguns de seus principais desafios". In: "Sindicalismo no Brasil: os primeiros 100 anos?", 11/2007, ed. 1, Crisálida Livraria e Editora, pp.288-306, 2007.

_____. A rebeldia do trabalho: o confronto operário no ABC paulista (As greves de 1978-1980). São Paulo: Ensaio, 1988.

_____. O novo sindicalismo. São Paulo: Brasil Urgente, 1991.

_____. A CUT entre o classismo e a socialdemocracia. In: NETO, S. & GIANNOTTI, V. Para onde vai a CUT? Campinas: Scritta, 1993.

BATISTONI, Maria Rosângela. Confronto operário: A Oposição Sindical Metalúrgica nas greves e nas comissões de fábrica de São Paulo (1978 -1980). São Paulo: IIEP, 2010.

BOITO Jr., Armando. O sindicalismo de Estado no Brasil. Campinas: Ed. da Unicamp; São Paulo: Hucitec, 1991.

BRAGA, Ruy. A política do precariado – Do populismo à hegemonia lulista. São Paulo: Boitempo, 2012.

COUTO, Ari Marcelo Macedo. Greve na Cobrasma: uma história de luta e resistência. São Paulo: Annablune, 2003.

GASPARI, Elio. A ditadura envergonhada. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

GIANNOTTI, Vito. História das lutas dos trabalhadores no Brasil. Rio de Janeiro: Maud X, 2007.

_______. O que é estrutura sindical. São Paulo: Col. Primeiros Passos, Círculo do Livro, 1992.

GORENDER, Jacob. Combate nas trevas – a esquerda brasileira: das ilusões perdidas à luta armada. São Paulo: Ática, 1987.

MACIEL, David. A argamassa da ordem – Da ditadura militar à nova República (1974-1985). São Paulo: Xamã, 2004.

MARX, Karl. Contribuição para a Crítica da Economia Política. In: Os pensadores, Abril Cultural, 1989.

MATTOS, Marcelo Badaró. O sindicalismo brasileiro após 1930. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

MÉSZÁROS. István. Para além do Capital: rumo a uma teoria da transição, São Paulo: Boitempo Editorial, 2002.

MÉSZÁROS, Istvan. "Método em uma época histórica de transição", cap. 8. Estrutura Social e Formas de Consciência - A determinação social do método. São Paulo: Boitempo, 2009.

JACOME RODRIGUES, Iram. Comissão de fábrica e trabalhadores na indústria. São Paulo: Cortez, 1990.

RODRIGUES, J. Albertino. Sindicato e desenvolvimento no Brasil. São Paulo: Símbolo, 1979.

ROSSI, W. e GERAB, W. J. Para entender os sindicatos no Brasil: uma visão classista. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

SIMÃO, Azis. Sindicato e Estado. São Paulo: Dominus/Edusp, 1966.

SOARES, José de Lima. Sindicalismo no ABC Paulista: reestruturação produtiva e parceria e outros ensaios. Curitiba: CVC, 2014.

DOCUMENTOS CONSUILTADOS:

Investigação operária: empresários, militares e pelegos contra os trabalhadores. São Paulo: IIEP (Intercâmbio, Informações, Estudos e Pesquisas) - OSM-SP (Oposição Sindical Metalúrgica – São Paulo) – Projeto Memória, 2014. 202 p.

GLASS, Verena. MPF recebe denúncia contra Volkswagen por participação em repressão a operários 23 de setembro de 2015FacebookTwitterTelegramPrint Multinacional é acusada de coautora em prisões, tortura e espionagem contra seus funcionários durante ditadura cívico-militar. Disponível em: http://rosaluxspba.org/mpf-recebe-representacao-contra-volkswagen/

ROSSI, W. A resistência operária entre os anos 1968/1990. 07 de Novembro de 2013.http://www.correiocidadania.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=1745&Itemid=79

Publicado
19-11-2018
Como Citar
Soares, J. (2018). AS DIFERENTES FORMAS DE RESISTÊNCIA E LUTA DAS ORGANIZAÇÕES DOS TRABALHADORES CONTRA A REPRESSÃO POLÍTICA IMPOSTA PELA DITADURA CIVIL-MILITAR. OPSIS, 18(2). https://doi.org/10.5216/o.v18i2.53035
Seção
Dossiê: O Mundo do Trabalho na Sociedade Contemporânea