Sindicato dos Metalúrgicos de Santa Luzia (1998-2011) História oral, memórias operárias e trabalho em modificação.

  • Sérgio Paulo Morais Universidade Federal de Uberlândia
Palavras-chave: Sindicato, Privatização, Globalização, Modificações nos modos de trabalho, Narrativas operárias.

Resumo

A partir de entrevistas narrativas, o artigo trata de interligações entre a privatização de uma planta siderúrgica das Forjas Acesita, em 1998, por uma companhia alemã, e a restruturação do modo de trabalho operário. Tal fato é analisado a partir de entrevistas produzidas, entre 2010 e 2011, com três operários que viveram esse processo de modificação, em dupla circunstância. Pois eram trabalhadores da empresa e, ao mesmo tempo, estavam à frente do Sindicato dos Metalúrgicos de Santa Luzia, Minas Gerais. Ao destacar vestígios de mudanças nas políticas sindicais, o texto aborda memórias, acontecimentos e interpretações que indicaram alterações nas sociabilidades entre antigos e jovens metalúrgicos. Por fim, destaca ações de novos sujeitos e incipientes avaliações sobre os rumos que o Sindicato deveria tomar para combater a dissolução da categoria frente as imposições colocadas pela Globalização da economia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sérgio Paulo Morais, Universidade Federal de Uberlândia
Professor Associado da Universidade Federal de Uberlândia, pesquisador FAPEMIG, CHE - APQ-02063-17. Líder do Grupo de Pesquisa Experiências e Processos Sociais - GPEPS (CNPQ). Professor credenciado no Corpo Permanente da Pós-Graduação em História (cursos de Mestrado e Doutorado) no INHIS/UFU (Instituto de História) e no Corpo Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação (cursos de Mestrado e Doutorado) na FACED/UFU (Faculdade de Educação), Linha Trabalho, Sociedade e Educação (TSE). Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil e História Oral, atuando principalmente nos seguintes temas: experiências sociais, trabalho, modos de vida e cultura de trabalhadores.

Referências

ALVES, Giovanni. O novo (e precário) mundo do trabalho: reestruturação produtiva e crise do sindicalismo. São Paulo. Boitempo, 2005.

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao Trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 7a. ed. ampl. – São Paulo: Cortez; Campinas, SP: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 2000.

BERNARDO, Márcia Hespanhol. Trabalho duro, discurso flexível: uma análise das contradições do toyotismo a partir da vivência de trabalhadores. São Paulo. Editora Expressão Popular, 2009.

BRAGA, Ana Cristina Gazolla. Uma análise do processo de privatização brasileiro, com ênfase no setor siderúrgico, 1996, http://hdl.handle.net/10438/8146, consultado em 20 jan. de 2015.

BRAGA, Ruy. A política do precariado: do populismo à hegemonia lulista. São Paulo. Boitempo, 2012.

CARDOSO, Adalberto Moreira. A década neoliberal e a crise dos sindicatos no Brasil. São Paulo. Editora Boitempo, 2003

CHESNAIS, François. A mundialização do capital. São Paulo. Xamã, 1996.

CHESNEAUX, Jean. Uma outra relação com o espaço e com o tempo. Modernidade-mundo. Petrópolis. Vozes, 1995, pp. 17-40.

DUPAS, Gilberto. Economia global e exclusão social: pobreza, emprego, Estado e o futuro do capitalismo. São Paulo. Paz e terra, 1999.

GORENDER, Jacob. Globalização, tecnologia e relações de trabalho. Revista Estudos Avançados. São Paulo. vol.11, n.29, 1997, pp.311-361.

IANNI, Octavio. Teorias da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995.

IANNI, Octavio. A dialética da globalização: Modernidade-Mundo. Teorias da Globalização. 2.o ed. RJ: Civilização Brasileira, 1996.

JASPER, James Macdonald. Protesto: uma introdução aos movimentos sociais. 1ª ed. Rio de Janeiro. Zahar, 2014.

MESZÁROS, István. Para além do capital. Campinas. Editora da Unicamp, 2002.

MORAIS, Sérgio Paulo. Memórias em disputa: Globalização, trabalho industrial e pautas sindicais (1990-2015). Revista História & Perspectivas, UFU, Uberlândia. v. 1, 2016, pp. 211-240.

PORTELLI, Alessandro. História oral: Uma relação dialógica. In. História Oral como arte da escuta. São Paulo. Letra e Voz, 2016, pp.09-26.

PORTELLI, Alessandro. Memória e Globalização. A Luta Contra o Fechamento da Thyssen-Krupp em Terni, 2004-2005. In. BOSI, Antônio de Pádua; VARUSSA, Rinaldo José (org.). Trabalhadores e trabalhadores na contemporaneidade: Diálogos Historiográficos. Cascavel, Edunioeste/Capes, 2011, pp: 17-36.

PORTELLI, Alessandro. História Oral como Gênero. Revista Projeto História, PUC- SP, São Paulo, n. 22, 2001, pp. 9-36.

PORTELLI, Alessandro. A filosofia e os fatos: narração, interpretação e significado nas memórias e nas fontes orais. Tempo, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, 1996, pp. 59-72.

ROSENTHAL, Gabriele. Pesquisa social interpretativa: uma introdução. Tradução de Tomás da Costa. Porto Alegre: Edipucrs, 2014.

SANTOS, Boaventura de Sousa (Org). A globalização e as ciências sociais. São Paulo, Cortez, 2002.

SHARPE, Jim. A História vista de baixo. In. BURKE Peter (org.). A Escrita da História: Novas Perspectivas. São Paulo. Editora da UNESP, 1992. pp: 39-64.

SINGER, André. Os sentidos do Lulismo: reforma gradual e pacto conservador. São Paulo. Companhia das Letras, 2012

TOMIZAKI, Kimi. “Socializar para o trabalho operário: o Senai-Mercedes-Benz”. Rio de Janeiro. Revista Tempo Social. 2008, vol.20, n.1, pp. 69-94.

WILLIAMS, Raymond. Marxismo e Literatura. Rio de Janeiro. Zahar, 1979.

WOOD, Ellen Meiksins. Democracia contra capitalismo. São Paulo. Boitempo Editorial, 2003. pp. 73-98

Publicado
19-11-2018
Como Citar
Morais, S. (2018). Sindicato dos Metalúrgicos de Santa Luzia (1998-2011) História oral, memórias operárias e trabalho em modificação. OPSIS, 18(2). https://doi.org/10.5216/o.v18i2.51576
Seção
Dossiê: O Mundo do Trabalho na Sociedade Contemporânea