Racionalidade e barbárie: a construção da ideia de progresso e seus desdobramentos na crítica e na literatura do Ocidente

Autores

  • Daniel Vecchio Alves Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

DOI:

https://doi.org/10.5216/o.v16i2.37105

Palavras-chave:

Crítica, Literatura, Revolução Industrial

Resumo

Neste artigo realizaremos um balanço crítico cultural da ideia de progresso veiculado às estruturas de enunciação de sentimentos, experiências e percepções. Para essa abordagem, faremos uma breve análise de como a ideia de progresso foi recebida e veiculada não só por meio da crítica, mas também por meio da arte literária. Ressaltaremos pensadores e escritores que, desde o século XVIII, criticavam essa noção tecnocientífica evolutiva, partindo do princípio de que a Revolução Industrial propiciou um impacto significativamente negativo na vida dos seres humanos. Procuraremos, em síntese, desconstruir a ideia de progresso industrial tendo como norte as reflexões de Thompson (1998), adotando a sua linha de pensamento de que não existe desenvolvimento econômico que não seja ao mesmo tempo uma transformação sociocultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Vecchio Alves, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Daniel Vecchio Alves possui graduação em História (2010) pela Universidade Federal de Viçosa-MG (2010) e é mestre em Letras (Estudos Literários) pela mesma instituição (2013). Atualmente é doutorando em História Cultural pela Universidade Estadual de Campinas. Seu interesse abrange os estudos sobre Teoria Literária, a Literatura Portuguesa, Relatos de Viagem, a História e a Historiografia dos Descobrimentos Ultramarinos, fazendo parte de grupos de pesquisa como o NEP (Núcleo de Estudos Portugueses da UFV) e o Mare Liberum (Centro de Estudos e Referências sobre a Cartografia Histórica da Unicamp).

Downloads

Publicado

04-11-2016

Como Citar

Alves, D. V. (2016). Racionalidade e barbárie: a construção da ideia de progresso e seus desdobramentos na crítica e na literatura do Ocidente. OPSIS, 16(2), 392–409. https://doi.org/10.5216/o.v16i2.37105

Edição

Seção

Dossiê Descolonizar as Ciências Humanas: campos de pesquisas, desafios analíticos e resistências Parte 2