Da subjetividade do eu à objetividade do nós: uma breve reflexão acerca dos limites e pretensões da objetividade na historiografia contemporânea

Autores

  • Thiago José Borges Programa de Pós-Graduação em História da Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.5216/o.v16i2.37094

Palavras-chave:

Objetividade, Subjetividade, Teoria da História, Historiografia contemporânea.

Resumo

De natureza teórica, o presente estudo encontra-se primordialmente estruturado em uma dupla perspectiva analítica que, transitando entre as pretensões de objetividade da ciência histórica e as inerentes subjetividades da prática historiográfica, objetiva a compreensão dos limites de validade e veracidade do produto historiográfico. Para tanto, da subjetividade do eu às exigências de objetividade do nós, esta breve reflexão propõe-se a elucidar os diferentes processos e práticas metodológicas que conferem à história suas credenciais de proeminência acadêmica e de confiabilidade científica. Portanto, das carências individuais de orientação no tempo dos agentes racionais humanos ao controle intersubjetivo da comunidade epistêmica, estaremos particularmente atentos aos princípios que regem, contemporaneamente, a construção e legitimação do conhecimento histórico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago José Borges, Programa de Pós-Graduação em História da Universidade de Brasília

Mestre em História Medieval pela Universidade de Lisboa e doutorando em História pela Universidade de Brasília, membro do Programa de Estudos Medievais da Universidade de Brasília (PEM/UnB), pesquisador associado ao Centro de Investigação Professor Doutor Joaquim Veríssimo Serrão (CIJVS) e bolsista CAPES.

Downloads

Publicado

04-11-2016

Como Citar

Borges, T. J. (2016). Da subjetividade do eu à objetividade do nós: uma breve reflexão acerca dos limites e pretensões da objetividade na historiografia contemporânea. OPSIS, 16(2), 379–391. https://doi.org/10.5216/o.v16i2.37094

Edição

Seção

Dossiê Descolonizar as Ciências Humanas: campos de pesquisas, desafios analíticos e resistências Parte 2