A problematização de gênero em Os homens que eu tive (1973): filme de Tereza Trautman

Autores

  • Alcilene Cavalcante Oliveira Universidade Federal de Goiás/ Regional Goiânia, Goiânia, GO

DOI:

https://doi.org/10.5216/o.v15i2.36738

Palavras-chave:

Autoria Feminina, Cinema, Ditadura, Feminismo, Gênero

Resumo

Neste texto, parte-se da ideia de que objetos culturais, especificamente filmes, realizados no Brasil, na década de 1970, dialogaram com valores, concepções, ideias, projetos e práticas que constituíam as culturas políticas em curso no país; dentre as quais a cultura política feminista, que se engendrava no período, e a autoritária, fomentada pela ditadura civil-militar. Tais culturas políticas defendiam ideias completamente distintas sobre os papéis sociais atribuídos a homens e a mulheres, na sociedade. Inserida neste contexto, Tereza Trautman realizou seu longa-metragem, de ficção, Os homens que eu tive, lançando-o em 1973, quando o filme foi interditado pelo regime. Analisamos as representações de gênero e o diálogo com as ideias feministas empreendidos na trama.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alcilene Cavalcante Oliveira, Universidade Federal de Goiás/ Regional Goiânia, Goiânia, GO

Docente da Faculdade de História, da UFG, na área de História do Brasil, subárea História do Brasil Contemporâneo.

Referências

ARAÚJO, Maria Paula. Utopia Fragmentada: as novas esquerdas no Brasil e no mundo na década de 1970. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2000.

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BERSTEIN, Serge. Cultura Política. In: RIOUX, Jean-Pierre. SIRINELLI, JEAN-FRANÇOIS. Para uma História Cultural. Lisboa: Editora Estampa, 1998 (Nova Historia 34). pp. 349-363.

CAPELATO, Maria Helena et al. (Org.). História e Cinema. São Paulo: Alameda, 2007.

CAVALCANTE (a), Alcilene; HOLANDA, Karla. Feminino plural: história, gênero e cinema no Brasil dos anos 1970. In: BRAGANÇA, Maurício; TEDESCO, Marina (Org.). Corpos em projeção: gênero e sexualidade no cinema latino-americano. Rio de Janeiro: 7Letras, 2013. pp.134-152.

CAVALCANTE(b), Alcilene. Cultura política feminista nas telas brasileiras (anos de redemocratização). In: COSTA, Cléria et al (Org.). Fronteiras móveis: culturas, identidades. Goiânia: Editora da PUC Goiás, 2013. pp. 229-252.

CORDEIRO, Janaína. Direitas em movimento: a campanha da mulher pela democracia e a ditadura no Brasil. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2009.

CLÉMENT, Catherine. A ópera ou a derrota das mulheres. Rio de Janeiro: Rocco, 1993, p.18.

DUTRA, Eliana R. Freitas. História e Culturas políticas: definições, usos, genealogias. VARIA HISTÓRIA: Revista do Deptº de História da UFMG, n. 28, 2001. Belo Horizonte: UFMG, 2002.

ESTEVES, Flávia. Sob sentidos do político: história, gênero e poder no cinema de Ana Carolina (Mar de rosas, Das tripas coração e Sonho de valsa, 1977-1986). Niteróis: 2007. Dissertação de Mestrado apresentada Programa de Pós-Graduação em História da UFF.

____. Reiventando o político nas telas: gênero, memória e poder no cinema brasileiro (décadas de 1970 e 1980). Niterói: 2013. Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História da UFF.

FICO, Carlos. Prezada Censura: cartas ao regime militar. TOPOI - Revista de História, Rio de Janeiro, v. 5, 2002. p. 251-286.

GÓIS, João; QUADRAT, Samantha. Militância política e gênero na ditadura brasileira: entrevista com Jessie Jane Vieira de Souza. In: Gênero: Núcleo Transdisciplinar de Estudos de Gênero – NUTEG. Niterói, EdUFF, v. 8, n.2, 2008, pp. 13-14.

GRANT, Catherine. This final draft was published as 'Secret Agents: Feminist Theories of Women's Film Authorship', FEMINIST THEORY. Vol. 2, n. 1, abr. 2001, pp. 113-130.

GREEN, J: Quinalha, R. Ditadura e homossexualidades: repressão, resistência e a busca da verdade. São Carlos, SP: Ed UFSCar, 2014.

História do Cinema Brasileiro – Site de Difusão da História do Cinema Brasileiro na Internet. Diponível em: <http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/tereza-trautman/>. Acesso em: 3 mar. 2014.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Quase Catálogo 1: realizadoras de cinema no Brasil (1930-1988). Rio de Janeiro: CIEC/UFRJ; MIS/Secretaria do Estado de Cultura; FUNARJ, 1989.

KAPLAN, Ann. Feminism & Film. New York: Oxford University Express, 2000. p. 1-18.

MALUF, Sônia; MELO, Cecília; PEDRO, Vanessa. Políticas do olhar: feminismo e cinema em Laura Mulvey. ESTUDOS FEMINISTAS. Florianópolis, 13(2), maio-agos. 2005. pp. 343-344.

MOTTA, Rodrigo Patto S. Ruptura e continuidade na ditadura brasileira: a influência da cultura política. In: ABREU, Luciano; ____. Autoritarismo e cultura política. Porto Alegre: FGV: Edipucrs, 2013. pp. 9-32.

MUNERATO, Elice; OLIVEIRA, Maria Helena Darcy. As musas da matinê. In: BRUSCHINI, Maria Cristina; ROSEMBERG, Fúlvia (Org.). Vivência: História, sexualidade e imagens femininas. São Paulo: Brasiliense, 1980. pp. 66-70.

____. As musas da matinê. Rio de Janeiro: Edições RioArte, 1982.

PEDRO, Joana Maria. Apresentação. In: DUARTE, Ana Rita F. Carmen da Silva: o feminismo na imprensa brasileira. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2005. p. 11.

_____. O feminismo que veio do exílio: memórias de uma segunda onda no Brasil, na Argentina e no Uruguai (1964-89). In: REIS, Daniel Aaarão; ROLLAND, Denis. Modernidades alternativas. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2008, pp 157-169.

PERNISA JR, Carlos; FURTADO, Fernando F.F.; ALVARENGA, Nilson. Walter Benjamin: imagens. Rio de Janeiro: Mauad X, 2008.

PLAZAOLA, Luis Trelles. Cine y Mujer en América Latina: directoras de largo metrajes de ficción. Puerto Rico: Editorial de la Universidad del Puerto Rico, 1991.

PRADO, Danda. Ser esposa: a mais antiga profissão. São Paulo: Editora Brasiliense, 1979.

RAGO, Margareth. Adeus ao feminismo? Feminismo e (Pós) modernidade no Brasil. CADERNOS AEL, nº 3/4, 1995/1996.

ROSSINI, Miriam. O lugar do audiovisual no fazer histórico: uma discussão sobre outras possibilidades do fazer histórico. In: LOPES, Antonio Herculano et al. (Org.). História e Linguagens: texto, imagem oralidade e representações. Rio de Janeiro: 7Letras, 2006. pp.113-120.

_____. As marcas do passado: o filme histórico como efeito de real, Porto Alegre: 1999. Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História da

UFRGS.

SILVA, Alberto da. Quando as mulheres filmam: história e gênero no cinema dos anos da ditadura. REVISTA ESBOÇOS, Florianópolis, v. 19, n. 27, ago. 2012. p. 14-31.

SOIHET, Rachel. Feminismos e antifeminismos: mulheres e suas lutas pela conquista da cidadania plena. Rio de Janeiro: 7Letras, 2013.

____. Mulheres em luta contra a violência: forjando uma cultura política feminista. In: AZEVEDO, Cecília et al. (Org.). Cultura política, memória e historiografia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009. pp. 190-191.

SOIHET, Rachel; PEDRO, Joana Maria. A emergência da pesquisa da História das Mulheres e das relações de gênero. REVISTA BRASILEIRA DE HISTÓRIA – Órgão Oficial da Associação Nacional de História. São Paulo, ANPUH, vol. 27, nº 54, jul.-dez 2007. pp. 281-302.

SOUZA-LOBO, Elizabeth. A classe operária tem dois sexos: trabalho, dominação e resistência. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2011.

VEIGA, Ana. Cineastas brasileiras em tempos de ditadura: cruzamentos, fugas, especificidades. Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História, da Universidade Federal de Santa Catarina, 2013.

Filmografia

OS HOMENS que eu tive. Direção: Tereza TRAUTMAN. Produção: Carlos Frederico. Rio de Janeiro: Produções Cinematográficas Herbert Richers e Thor Filmes, 1973. 35mm (80 min). Cores.

Downloads

Publicado

19-12-2015

Como Citar

Oliveira, A. C. (2015). A problematização de gênero em Os homens que eu tive (1973): filme de Tereza Trautman. OPSIS, 15(2), 432–451. https://doi.org/10.5216/o.v15i2.36738

Edição

Seção

Dossiê: Relações de gênero, História, Educação e Epistemologias feministas: O Centro-Oeste em debate