Reconhecimentos identitários do candomblé em Goiás: contextos póscoloniais na contemporaneidade

Autores

  • Mary Anne Vieira Silva PROFESSORA ADJUNTA NÍVEL 3 DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS CAMPUS ANÁPOLIS

DOI:

https://doi.org/10.5216/o.v16i2.36381

Palavras-chave:

Candomblé, pós-colonialismo, cultura, diáspora, África.

Resumo

Depreendemos para essa análise compreender o termo Sagrado de matriz africana para o reconhecimento do Candomblé. Enfocamos que a referida religião é uma forma organizativa social, eminentemente, ligada a diáspora africana no Brasil e ressaltamos que para sua formação, as identidades, as tradições das culturas africanas sofreram com as ações dos dispositivos designados por colonialidade do poder. Logo, as vivências históricas e religiosas experimentadas em espaços e paisagens no contexto da diáspora forjaram relações sociais fraturadas pelo impositivo político colonial. Para ensejar o debate em argumentos que se elaboram contrários auspícios dos conhecimentos europocêntricos, os nossos constructos teóricos e conceituais ancoram-se nos debates da teoria pós-colonial e nas abordagens contemporâneas da geografia cultural. Metodologicamente, pautamo-nos na etnogeografia por meio da compreensão de uma dada cosmologia com o lugar, e de como o espaço é concebido e vivido pelos sujeitos informantes, considerando para o estudo a via interpretativa da cultura. Deparamos com a ideia de que o Candomblé emerge por meio de um imbricado sistema de conexões reinventadas com o tempo das ancestralidades, de reconstrução do espaço diaspórico por meio de ritos, de formas de ajustamento/transformação e da preservação de práticas que sobreviveram aos sistemas coloniais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mary Anne Vieira Silva, PROFESSORA ADJUNTA NÍVEL 3 DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS CAMPUS ANÁPOLIS

Possui graduação em Geografia pela Universidade Federal do Ceará - UFC (1994), mestrado em Geografia (Geografia Humana) pela Universidade de São Paulo - USP (2001) e Doutorado em Geografia pela Universidade Federal de Goiás - UFG (2013). Atualmente é professora Estatutária Adjunto Nível III da Universidade Estadual de Goiás em regime de dedicação em tempo integral à docência e à pesquisa (RTIDP). Pesquisadora/Coordenadora do Centro Interdisciplinar de Estudos África-Américas - CieAA. Pesquisadora da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás. Professora do Programa de Pós-graduação Scrito Sensu, nível mestrado, em Territórios e Expressões Culturais no Cerrado (TECCER). Desenvolve pesquisas no âmbito da Geografia Cultural numa perspectiva pós colonial, tendo como principais temáticas: religiões de matriz africana (candomblé), relações étnico-raciais, processos diaspóricos, territorialidades e poder.

Downloads

Publicado

04-11-2016

Como Citar

Vieira Silva, M. A. (2016). Reconhecimentos identitários do candomblé em Goiás: contextos póscoloniais na contemporaneidade. OPSIS, 16(2), 327–341. https://doi.org/10.5216/o.v16i2.36381

Edição

Seção

Dossiê Descolonizar as Ciências Humanas: campos de pesquisas, desafios analíticos e resistências Parte 2