A ressignificação do “ensinar” música através das memórias de professoras: Estudo sobre o conservatório de música de Rio Grande/RS DOI10.5216/o.v15i1.35429

Autores

  • Gianne Zannela Atallah Museu e Arquivo Público "Fototeca" do Município do Rio Grande, Rio Grande, RS

DOI:

https://doi.org/10.5216/o.v15i1.35429

Palavras-chave:

Mulher, Professora, Musicista, Conservatório de Música de Rio Grande, Representação

Resumo

Este trabalho faz parte de um estudo sobre o Conservatório de Música de Rio Grande (1922-1954), no que concerne à “representação e poder simbólico” através de subcategorias do gênero dividido em papéis sociais: mãe, esposa, filhas, professora, aluna, e artista. A subcategoria “professora” será o nosso principal viés de estudo. Assim sendo, destacamos a família, tida como o primeiro meio gerador, pois produziu o desempenho dos papéis de filha, esposa e mãe, referenciando o valor da mulher dentro do espaço privado e, consequentemente, um código de conduta que ela deverá exercer no espaço público, tanto pessoal quanto profissional. É o desprendimento necessário de deixar de ser apenas educada para ser instruída. Assim, a mulher musicista tem no Conservatório de Música o seu lugar de memória. A sua vivência tem como referência o lar. Ele é a extensão da família e dos desejos daquela. O Conservatório tornou-se resultado dessa prolongação, não só pelos momentos em que estiveram ali, durante o processo de ensino aprendizagem, mas pelas relações que construíram, enquanto alunas ou professoras. São com essas relações que iremos perceber alguns vínculos emocionais que permaneceram durante as suas vivências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gianne Zannela Atallah, Museu e Arquivo Público "Fototeca" do Município do Rio Grande, Rio Grande, RS

Doutoranda em Memória Social e Patrimônio Cultural (PPGMP/ICH-UFPEL/RS). Mestre em Memória Social e Patrimônio Cultural (PPGMP/ICH-UFPEL/RS - 2011). Especialista em Patrimônio Cultural: Conservação de Artefatos (ILA-UFPEL/RS-1997). Graduada em História - Licenciatura Plena (FURG/RS-1993). Dirigente do Núcleo de Patrimônio Municipal (Fototeca Municipal Ricardo Giovannini e Pinacoteca Municipal Matteo Tonietti). Docente em História da Rede Municipal - SMED/Prefeitura Municipal do Rio Grande/RS.

Referências

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Tradução Waltensir Dutra. 10. reimp. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BERGSON, Henri. Matéria e memória. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

______. O poder simbólico. Tradução Fernando Tomaz. 10. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

______. A economia das trocas simbólicas. Organização e seleção Sergio Micelli. 6. ed. São Paulo: Perspectiva, 2005.

CHARTIER, R. Leituras e leitores na França do antigo regime. Tradução Álvaro Lorencini. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

COELHO, Teixeira. Dicionário crítico de política cultural. São Paulo: Iluminuras, 1997.

CURY, Isabelle (Org.). Cartas patrimoniais. 3. ed. Rio de janeiro: IPHAN, 2004.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Editora 34, 2006.

HALBWACHS, Maurice. Memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Tradução Bernardo Leitão et al. 5. ed. 2. reimp. Campinas: Editora Unicamp, 2003.

LOURO, Guacira Lopes. Mulheres na sala de sula. In: DEL PRIORE, Mary (Org.); BASSANESI, Carla (Coord.). História das mulheres no Brasil. 9. ed. 2. reimp. São Paulo: Contexto, 2009, p. 443-481.

LUCAS, Maria Elisabeth. Classe dominante e cultura musical no Rio Grande do Sul. In: BOEIRA, Nelson et al. RS: Cultura e ideologia. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1980.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de história oral. 2. ed. São Paulo: Loyola, 1998.

NOGUEIRA, Isabel (Org.) História iconográfica do conservatório de música da UFPEL. Porto Alegre: Palotti, 2005.

______. El pianismo em la ciudad de Pelotas (Rio Grande do Sul, Brasil) de 1918 a 1968. Pelotas: Editora Universitária, 2003.

PERROT, Michelle. As mulheres ou os silêncios da história. Tradução Viviane Ribeiro. Bauru: EDUSC, 2005.

______. Mulheres públicas. Tradução Roberto Leal Ferreira. 1. reimp. São Paulo: Editora UNESP, 1998.

______. Minha história das mulheres. Tradução Ângela M. S. Corrêa. 1. ed. 1. reimp. São Paulo: Contexto, 2008.

______. Os excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros. Tradução Denise Bottmann. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

______.Funções da Família. In: PERROT, Michelle (Org.). História da vida privada: da revolução francesa à primeira guerra. Tradução Denise Bottmann e Bernardo Joffily. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2010, p. 90-191.

POULOT, Dominique. Um ecossistema do patrimônio. In: CARVALHO, C. S. de; GRANATO, M; BEZERRA, R. Z; BENCHETRIT, S. F. (Org.). Um olhar contemporâneo sobre a preservação do patrimônio cultural material. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2008.

Downloads

Publicado

24-05-2015

Como Citar

Atallah, G. Z. (2015). A ressignificação do “ensinar” música através das memórias de professoras: Estudo sobre o conservatório de música de Rio Grande/RS DOI10.5216/o.v15i1.35429. OPSIS, 15(1), 197–214. https://doi.org/10.5216/o.v15i1.35429

Edição

Seção

Dossiê Ensino de História e formação docente: pesquisas sobre o Ensino de História