O Jogo e o conceito: sobre o ato criativo na aula de História DOI10.5216/o.v15i1.34727

Autores

  • Nilton Mullet Pereira Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS
  • Gabriel Torelly Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS

DOI:

https://doi.org/10.5216/o.v15i1.34727

Palavras-chave:

Aula de História, Jogo, Fabulação

Resumo

O artigo discute o ensino de conceitos nas aulas de história através do uso de jogos. A partir de um debate teórico sobre o conceito, baseado em autores como Deleuze, Foucault e Bergson, apresenta-se a aprendizagem conceitual como o elemento central de uma aula de história e argumenta-se que a aprendizagem do conceito se dá num processo de inserção direta no tempo, num não-lugar de singularidades pré-individuais, proporcionada pelo jogo e pela brincadeira. Nesse sentido, o artigo é uma discussão teórica que se propõe pensar o jogo e o conceito, considerando o primeiro um meio estratégico para acessar o segundo, num processo de deslocamento do estudante atual da aula de história, regido pela inteligência, para um estado virtual, regido pela intuição. O acesso ao lugar, onde os conceitos ainda não estão formados, permite conceber a sala de aula com o jogo como um espaço de potencial criação. É nesse lugar de criação que os conceitos emergem e são formados, constituindo-se em elementos da representação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nilton Mullet Pereira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS

Doutor. Docente da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Educação. FACED/UFRGS.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

______. Profanações. São Paulo: Boitempo, 2007.

ARRUDA, Eucidio Pimenta. Na tessitura das tramas virtuais: entre histórias, tecnologias e aprendizagens. In: FONSECA, Selva Guimarães; GATTI JÚNIOR, Décio. Perspectivas do Ensino de História: ensino, cidadania e consciência histórica. Uberlândia: Edufu, 2011, p. 131-154.

BARTHES, Roland. O neutro: anotações de aulas e seminários ministrados no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BERGSON, Henri. Matéria e memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

COETZEE, J. M. Elisabeth Costello: oito palestras. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

CORAZZA, Sandra Mara; SILVA, Tomaz Tadeu. Composições. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

DELEUZE, Gilles. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2005

______. Lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva, 2011.

______. Bergsonismo. São Paulo: Editora 34, 2012.

DOSSE, François. Renascimento do acontecimento: um desafio para o historiador: entre a Esfinge e a Fênix. São Paulo: Editora Unesp, 2013.

FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

GIACOMONI, Marcelo Paniz; PEREIRA, Nilton Mullet. Jogos e ensino de História. Porto Alegre: Evangraf, 2013.

LAROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, n. 19, jan./fev./mar./abr. 2002.

MACHADO, Roberto. Foucault, a ciência e o saber. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2009.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora; BARCA, Isabel; MARTINS, Estevão de Rezende. Jörn Rüsen e o ensino de história. Curitiba: Ed. UFPR, 2011.

Downloads

Publicado

02-04-2015

Como Citar

Pereira, N. M., & Torelly, G. (2015). O Jogo e o conceito: sobre o ato criativo na aula de História DOI10.5216/o.v15i1.34727. OPSIS, 15(1), 88–100. https://doi.org/10.5216/o.v15i1.34727

Edição

Seção

Dossiê Ensino de História e formação docente: pesquisas sobre o Ensino de História