“Lembra-te da primeira vez?” Um processo de investigação de paternidade entre a escrita e o Ensino de História DOI10.5216/o.v15i1.34725

Autores

  • Katani Maria Nascimento Monteiro Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, RS
  • Wellington Rafael Balém Centro de Memória Regional do Judiciário, Caxias do Sul, RS

DOI:

https://doi.org/10.5216/o.v15i1.34725

Palavras-chave:

Fonte judicial, Escrita da história, Ensino de história, Centro de memória

Resumo

Neste artigo, apresentamos algumas conclusões obtidas a partir da análise de uma das atividades de ações educativas desenvolvidas junto ao Centro de Memória Regional do Judiciário (CMRJU/IMHC/UCS) voltada à formação do professor-pesquisador, nomeadamente os acadêmicos do curso de História da Universidade de Caxias do Sul. Para isso, através de um estudo de caso, apresentamos, discutimos e aplicamos a metodologia criada especialmente para o trabalho de desenvolver em conjunto as habilidades e competências de pesquisa e de ensino. Assim, ao analisarmos uma Ação de Investigação de Paternidade, conduzimos a algumas discussões sobre: 1) o lugar social da fonte e de suas personagens, 2) as relações entre as vozes de pessoas e instituições, 3) as temáticas centrais e periféricas e 4) as apropriações didáticas que surgem diante do pesquisador. Dessa forma, demonstramos que o uso de processos judiciais em sala de aula configura-se como um fértil recurso intermediador de olhares renovados sobre o saber histórico escolar e acadêmico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Katani Maria Nascimento Monteiro, Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, RS

Doutora. Professora do Programa de Pós-graduação em História da Universidade de Caxias do Sul.

Referências

Fontes

CAIXIAS DO SUL. Ação de Investigação de Paternidade. - Processo 04, Caixa 49A, CMRJU/UCS.

BRASIL. Lei 3.071, de 1º de Janeiro de 1916. Código Civil dos Estados Unidos do Brasil.

Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l3071.htm>. Acesso em: 5 ago. 2014.

BRASIL. Lei 12.527, de 18 de Novembro de 2011. Lei de Acesso à Informação. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12527.htm>. Acesso em: 5 ago. 2014.

BRASIL. Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul: FUCS. Termo de Convênio. - Nº 227/01. Porto Alegre, 12 dez. 2001.

Bibliografia

AVELAR, Alexandre de Sá. Os desafios do ensino de história: problemas, teorias e métodos. Curitiba: Ibpex, 2011.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BARROS, José D'Assunção. A expansão da história. Petrópolis: Vozes, 2013.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

CHALHOUB, Sidney. Trabalho, lar e botequim: o cotidiano dos trabalhadores no Rio de Janeiro da belle époque. 2. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2001.

FAUSTO, Boris. História concisa do Brasil. São Paulo: EDUSP/Imprensa Oficial do Estado, SP, 2002.

GRINBERG, Keila. A História nos porões dos arquivos judiciários. In: PINSKY, Carla Bassanezi; DE LUCA, Tania Regina. O historiador e suas fontes. São Paulo: Contexto, 2009.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora; CAINELLI, Marlene. Ensinar história. 2. ed. São Paulo: Scipione, 2009.

SEFFNER, Fernando; PEREIRA, Nilton Mullet. O que pode o ensino de História? Sobre o uso de fontes na sala de aula. Anos 90, v. 15, n. 28, 2008.

SOARES, Paulo Roberto R. Do rural ao urbano: demografia, migrações e urbanização. In GERTZ, René (dir.). República: da revolução de 1930 à ditadura militar (1930-1985). Passo Fundo: Méritos, v. 4, 2007. - (Coleção História Geral do Rio Grande do Sul).

Downloads

Publicado

02-04-2015

Como Citar

Nascimento Monteiro, K. M., & Balém, W. R. (2015). “Lembra-te da primeira vez?” Um processo de investigação de paternidade entre a escrita e o Ensino de História DOI10.5216/o.v15i1.34725. OPSIS, 15(1), 43–59. https://doi.org/10.5216/o.v15i1.34725

Edição

Seção

Dossiê Ensino de História e formação docente: pesquisas sobre o Ensino de História