Ensinando história e estudando gênero através de quadros históricos de Moacyr Freitas e Antônio Parreiras

Autores

  • Ana Maria Marques Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Cuiabá, MT

DOI:

https://doi.org/10.5216/o.v15i2.34051

Palavras-chave:

Antônio Parreiras, Educação Patrimonial, Gênero, História Visual, Moacyr Freitas

Resumo

As fontes visuais são recursos operacionais para o ensino de História. A proposta deste trabalho passa pelo debate da memória, da educação patrimonial, da História Visual e dos estudos de gênero. Toma-se como objetos empíricos uma seleção de quadros históricos de Moacyr Freitas e de Antônio Parreiras. As pinturas de Freitas têm como objetivo tratar de temas debatidos no campo da História de Mato Grosso, em articulação com o Instituto Histórico. Os quadros históricos de Antônio Parreiras trazem os embates de mercado, de concepção de história, de contexto de época e de arte. Ambos os artistas, em temporalidades e lugares diferentes, sinalizam um forte discurso que construiu lugares de mulheres e de homens, especialmente aqueles que se consagraram como heróis nacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Maria Marques, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Cuiabá, MT

Graduada, Mestre e Doutora em História pela Universidade Federal de Santa Catarina.

Professora do Departamento de História e do Programa de Pós graduação em História da Universidade Federal de Mato Grosso.

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval M. Nordestino: uma invenção do falo – uma história do gênero masculino (Nordeste – 1920/1940). Maceió: Edições Catavento, 2003.

ALMEIDA, Miguel Vale de. Gênero, masculinidade e poder: revendo um caso do sul de Portugal. Anuário Antropológico, 95. Portugal, 1996. Disponível em: <http://miguelvaledealmeida.net/wp-content/uploads/2008/06/genero-masculinidade-e-poder.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2015.

BITTENCOURT, Circe. Livro didático e saber escolar: 1810-1910. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

BURKE, Peter. Testemunha Ocular: história e imagem. Bauru: EDUSC, 2004.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. 1. Artes de fazer. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

COSTA, Maria de Fátima. Alexandre Rodrigues Ferreira e a capitania de Mato Grosso: imagens do interior. História, Ciências, Saúde Manguinhos, v. VIII (suplemento), 2001.

FONSECA, Thais Nivia de Lima e. História & Ensino de História. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1987.

GOMBRICH, E.H. Arte e ilusão: um estudo da psicologia da representação pictórica. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

HOBSBAWM, E.; RANGER, T. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

IHGMT. Jubileu dos 90 anos do IHGMT (Jubileu de Álamo) – 1919-2009. Cuiabá: FAPEMAT, 2010.

MARINS, Paulo César Garcez. Nas matas com pose de reis: a representação de bandeirantes e a tradição da retratística monárquica europeia. Revista do IEB, São Paulo, n. 44, fev. 2007.

MENDONÇA, Estevão de. Quadro chorographico de Mato Grosso. Cuiabá: Escolas Profissionaes Salesianas, 1906.

MENDONÇA, Rubens de. História de Mato Grosso. Cuiabá: Instituto Histórico de Mato Grosso, 1979.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. Fontes visuais, cultura visual, história visual – balanço provisório, propostas cautelares. Revista Brasileira de História,São Paulo, v. 23, n. 45, 2003.

PARREIRAS, Antônio. História de um pintor contada por ele mesmo. 1881-1936. 3. ed. Niterói: Livros, 1999.

PÓVOAS, Lenine C. História de Mato Grosso. Cuiabá/São Paulo: Resenha Tributária, 1985.

RAGO, Margareth. Epistemologia feminista, gênero e história. In: PEDRO, Joana; GROSSI, Miriam (Org.) Masculino, feminino, plural. Florianópolis: Mulheres,1998.

RAMOS, Francisco Régis Lopes. A danação do objeto. O museu no ensino de história. Chapecó: Argos/CEOM, 2004.

______. Uma questão de tempo: os usos da memória nas aulas de história. Cadernos Cedes, Campinas, v. 30, n. 82, set./dez. 2010.

SALGUEIRO, Valéria. A arte de construir a nação: a pintura de história e a Primeira República. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n. 30, 2002.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. A Batalha do Avaí – A beleza da barbárie: a Guerra do Paraguai pintada por Pedro Américo. Rio de Janeiro: Sextante, 2013.

SILVA, Paloma. A Inconfidência revisitada: Antônio Parreiras e a Jornada dos Mártires. Revista Tempo de Conquista, jul. 2008. Disponível em:

<http://revistatempodeconquista.com.br/documents/RTC3/PALOMASILVA.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2015.

SILVA, Paulo Pitaluga Costa e; FREITAS, Moacyr. Quadros históricos de Mato Grosso: período colonial. Cuiabá, 2000.

SIQUEIRA, Elizabeth Madureira. História de Mato Grosso: da ancestralidade aos dias atuais. Cuiabá: Entrelinhas, 2002.

STUMPF, Lúcia K. A terceira margem do rio: mercado e sujeitos na pintura de história de Antônio Parreiras. 2014. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

Downloads

Publicado

19-12-2015

Como Citar

Marques, A. M. (2015). Ensinando história e estudando gênero através de quadros históricos de Moacyr Freitas e Antônio Parreiras. OPSIS, 15(2), 452–469. https://doi.org/10.5216/o.v15i2.34051

Edição

Seção

Dossiê: Relações de gênero, História, Educação e Epistemologias feministas: O Centro-Oeste em debate